Opinião

Contra o oportunismo abstencionista

Contra o oportunismo abstencionista.

Por uma participação dos comunistas nas eleições burguesas

A propósito da posição sectária e oportunista defendida pelos “comunistas de esquerda” alemães na então recém constituída III Internacional, pregando o boicote às eleições parlamentares – método que havia caducado política e históricamente, segundo eles – Lenine escreveu a brochura “Esquerdismo, doença infantil do comunismo”.

Nesse importante escrito, para além de uma crítica demolidora a quem propunha o “abstencionismo”, Lenine bateu-se pelo princípio de que os comunistas deviam tirar partido das eleições burguesas e das posições conquistadas no parlamento burguês, para fortalecer a luta pelo socialismo e pelo comunismo.

É importante, agora que algumas correntes ditas marxistas e comunistas, que se afirmam contra o revisionismo, o trotsquismo e o anarquismo, defendem a abstenção dos operários e trabalhadores nas eleições para o Parlamento Europeu que terão lugar no próximo dia 26 de Maio, e em que o PCTP/MRPP participará, defendendo a saída de Portugal da União Europeia e do euro, reproduzir algumas das sínteses que Lenine nos deixou na supracitada brochura:

“Como é natural, para os comunistas da Alemanha o parlamentarismo ‘caducou politicamente’; mas, trata-se exactamente de não julgar que o caduco para nós tenha caducado para a classe, para a massa. Mais uma vez, constatamos que os “esquerdistas” não sabem raciocinar, não sabem conduzir-se como o partido da classe, como o partido das massas. O vosso dever consiste em não descer ao nível das massas, ao nível dos sectores atrasados da classe. Isso não se discute. Tendes a obrigação de dizer-lhes a amarga verdade: dizer-lhes que as suas ilusões democrático-burguesas e parlamentares não passam disso: ilusões. Ao mesmo tempo, porém, deveis observar com serenidade o estado real de consciência e de preparo de toda a classe (e não apenas da sua vanguarda comunista), de toda a massa trabalhadora (e não apenas dos seus elementos avançados)”.

O que Lenine propunha nesta sua brochura incorporava o que Karl Marx e Engels haviam explicado na “Mensagem do Comité Central à Liga dos Comunistas”, em 1850, sobre a participação eleitoral dos comunistas em eleições burguesas:

“O proletariado deve aqui cuidar de que por toda a parte, ao lado dos candidatos democráticos burgueses, sejam propostos candidatos operários, na medida do possível de entre os membros da Liga e para cuja eleição se devem accionar todos os meios possíveis. Mesmo onde não existe esperança de sucesso(sublinhado da redacção), devem os operários apresentar os seus próprios candidatos, para manterem a sua democracia, para manterem a sua autonomia, contarem as suas forças, trazerem a público a sua posição revolucionária e os pontos de vista do partido.”

Marx e Engels dirigiam-se aos revolucionários alemães, posicionando-se contra a aliança com os pequeno-burgueses democratas, defendendo a independência de classe e a construção da organização própria do proletariado, utilizando as eleições nesse sentido.

Com a participação, quer nas eleições para o Parlamento Europeu, que se realizam no próximo dia 26 de Maio, quer para as eleições legislativas ou qualquer outro tipo de eleições, cabe aos marxistas utilizarem a actuação nas eleições e nos órgãos para os quais sejam eleitos para levar a cabo uma intensa, coerente e denodada agitação revolucionária, isolando e expulsando das suas fileiras os carreiristas, os oportunistas, que procuram obter privilégios pessoais com qualquer tipo de eleições no quadro da democracia burguesa. Para Marx, Engels e Lenine, claro está, a actuação de um parlamentar ou de um eleito revolucionário é controlada coletivamente pelo partido revolucionário e subordinada à luta pela emancipação da classe trabalhadora, à luz da luta de classes.

A este propósito recorde-se a resolução do II Congresso da Internacional Comunista onde, sob direção de Lenine, se pode ler:

“- Os deputados comunistas estão obrigados a utilizar a tribuna parlamentar para desmascarar não somente a burguesia e seus lacaios oficiais, mas também os social-patriotas, os reformistas, os políticos centristas e, de modo geral, os adversários do comunismo, e também para propagar amplamente as ideias da III Internacional;

– Os deputados comunistas, mesmo que seja só um ou dois, estão obrigados a desafiar em todas as suas atitudes o capitalismo e não esquecer nunca que só é digno de nome de comunista quem se revela não verbalmente, mas através de actos, como inimigo da sociedade burguesa e de seus servidores social-patriotas”.

Nunca acalentámos a ilusão de que o Parlamento Europeu deixasse de servir apenas de uma mera fachada democrática a um projecto de colonização dos povos e países europeus pelo imperialismo germânico, devendo por isso ser palco e tribuna por parte dos deputados do PCTP/MRPP para combater esse projecto e a tentativa de transformar os operários e os povos europeus em carne para canhão de uma cada vez mais certa guerra mundial imperialista.

O PCTP/MRPP será nesse fórum a voz firme e decidida de uma política internacionalista de aliança dos proletários e trabalhadores da Europa na sua luta contra as medidas de intensificação da exploração e opressão por parte do imperialismo europeu organizado na União Europeia e por objectivos políticos revolucionários comuns para a implantação de uma sociedade sem classes.

Em íntima ligação com esta frente de luta, um deputado comunista do PCTP/MRPP empunhará sempre a bandeira dos operários e do povo português pela saída do euro e pela adopção de uma moeda própria, bem como pela recusa do pagamento de uma dívida que é o resultado da imposição do euro e que apenas serve para escravizar o povo português e colocá-lo sob o jugo do imperialismo germânico.

Torna-se, pois, políticamente vital e relevante isolar as correntes oportunistas, revisionistas e reaccionárias que, sob uma aparente capa de “esquerdismo” pretendem desarmar a classe operária e a sua organização de vanguarda, o PCTP/MRPP, para assegurar à burguesia caminho livre para manipular a favor dos seus interesses de classe um espaço de debate e luta de ideias que, para não perder a sua máscara democrata é obrigada a abrir mão nestes períodos eleitorais.

23Mai19                                                                                                                            LJ

Eleições Burguesas: Participação ou Abstenção, eis a questão

Eleições Burguesas: Participação ou Abstenção, Eis a questão !

A posição do Partido, quanto à sua participação nas eleições burguesas é clara e, no caso das eleições deste ano de 2019, a estratégia foi definida há já dois anos (Maio de 2017), na reunião alargada do Comité Central, em Santo André.

A esse respeito, republicamos dois conjuntos de tuítes do camarada Arnaldo Matos.

arnaldo


 Arnaldo Matos‏ @ArnaldodeMatos 30 de dez de 2018


2019:
 Ano de Eleições. No próximo ano, os capitalistas reforçarão o seu regime político de exploração e opressão dos operários mediante o recurso a três eleições: Parlamento Europeu, a 26 de Maio; Regionais da Madeira, a 22 de Setembro; Assembleia Legislativa, a 6 de Outubro.
 

Os comunistas, como é o caso do Partido a que pertenço – PCTP/MRPP -, participam nas eleições burguesas com o objectivo de divulgar o seu programa político comunista, de reforçar a sua organização partidária e de fortalecer a sua ligação com as massas populares em todo o País. 

Conto participar activamente nestes três sufrágios eleitorais e apelo a todos os companheiros desta rede social Tuíter que não se deixem ficar em casa e contribuam para a divulgação do programa político do proletariado e da revolução proletária.

Arnaldo Matos‏ @ArnaldodeMatos 13 de fev 

Estamos em ano de três sufrágios eleitorais. Se tivesse sido eleito para a Assembleia da República, teria denunciado a falência do BES, a corrupção do governador do BdP e os negócios de Jerónimo, Catarina, Louçã e Rosas, com quatro anos de antecedência. É tudo um putedo! 

Um voto nesses partidos é um voto totalmente inútil; estão todos feitos uns com os outros e com o poder dos capitalistas. O único voto útil é em nós, marxistas, porque esses não têm medo nem se calam, como aqui vêem.

23MAI19

Quinta do Mocho O Direito à Habitação dos Socialfascistas

Quinta do Mocho

O Direito à Habitação dos Socialfascistas 

Enquanto os socialfascistas Bernardino, Jerónimo, e o cabeça de lista às eleições europeias 2019, João Ferreira, andavam em Moscavide, a quintadomochoescassos 3000 metros do Bairro encalacrado entre os luxuosos Terraços da Ponte (antiga Quinta do Mocho), e a nova Quinta do Mocho autêntico gueto criado pelos socialfascistas do P"C"P, onde, ontem, dia 19 de Maio, deflagrou, ao fim da tarde, um tenebroso incêndio, deixando os nossos mais pobres sem tecto, ainda que rudimentar. Pelo menos 60 pessoas ficaram sem casa, para além de perderem os animais que guardavam em algumas barracas. Foi toda uma vida, ainda que pobre, que ficou reduzida a cinzas.

Esta corja de malfeitores fez uma acção de campanha, que mais não é que uma manobra de encobrimento da sua gestão municipal em Loures durante décadas, com fundos estruturais que apenas serviram, para alimentar as suas clientelas de gatunos, como foi o caso do genro do Jerónimo, com contratos milionários para trocar lâmpadas!

E ainda para encobrir o criminoso estado da Nação em matéria de direitos dos cidadãos a serem tratados como gente, mas que, ao invés, mantêm ali pessoas a viver em condições sub-humanas, pior que animais irracionais.

Hoje, dia 20, nem uma/um assistente social ali se deslocou para acorrer à miséria, com a agravante de estes moradores terem ficado sem tecto.

Nem tão pouco o socialfascista Bernardino garantiu o que quer que fosse ou tomou qualquer outra medida de emergência que os factos impõem, nem mesmo a o envio de máquinas para remover os escombros,

A dois passos do Incêndio, (200 metros a Casa da Cultura de Sacavém), só os Bombeiros ainda tratavam do rescaldo do incêndio.

Isto é o socialfascismo no exercício do poder de um dos tentáculos do governo do fascista Costa.

20MAI19                                                                O Comité de Loures do PCTP/MRPP

As Dez Questões da LUSA

As Dez Questões da LUSA… 

Publicamos na íntegra as respostas dadas  a um questionário  de dez questões organizado  pela Agência Lusa, sobre temas europeus, respostas que, segundo a Lusa, dariam  “ origem a peças autónomas sobre o que as diferentes candidaturas pensam sobre cada um dos temas” . Mas tal não aconteceu . A  síntese apresentada, a partir deste inquérito,  em vários órgãos de comunicação social, é tão sintética que só pode ser considerada  mais uma versão da chamada democracia eleitoral.   

Resposta ao Questionário da LUSA

1. Tendo o Parlamento Europeu uma palavra decisiva nas negociações sobre o orçamento da UE pós-2020 (2021-2027), como encara a proposta original da Comissão Europeia, que contempla cortes substanciais para a Política de Coesão e Política Agrícola Comum (PAC) para Portugal? Que posições vai adotar?

A entrada e permanência de Portugal na União Europeia não trouxe qualquer benefício para a economia portuguesa, nem os chamados fundos de coesão contribuíram para o desenvolvimento económico do País e para o seu progresso, antes foram o pagamento o preço pelo qual a burguesia nacional se vendeu.

No que respeita à política agrícola, as imposições e regras determinadas pela Comissão Europeia apenas visaram a destruição deste sector, a recuperação dos grandes latifúndios no sul do País e a liquidação da pequena propriedade e dos pequenos agricultores (mais de 300 000) com o abandono da produção de cereais, da carne e do leite.

No âmbito do Quadro de Financiamento Plurianual para 2020-2027, a Comissão Europeia vem apresentar cortes significativos a nível da Coesão e da Política Agrícola Comum, com cortes nos pagamentos directos ( 1.º pilar) e que serão muito mais significativos na política de desenvolvimento rural (2.º pilar), justificando estes cortes , com novas prioridades como o apoio à emigração, política de segurança e defesa, fronteiras externas e política externa e ajuda humanitária e o Brexit, evidentemente. E onde se vão buscar os fundos que agora a Comissão impositivamente cortou? Ao Orçamento Nacional, claro está!

Ora, o que salta bem à vista é que não é a convergência ou a coesão das diferentes economias que integram a UE, como tanto se proclama, como sendo o objectivo desta Europa e com que se tenta justificar a nossa permanência, mas são os interesses e a salvação das economias imperialistas, o que os move.

A única posição a adoptar pelo PCTP/MRPP é a defesa da saída do Euro e da União Europeia como forma de o País se libertar da imposição e domínio imperialistas, de ser um país soberano, que decide, gere e traça o seu futuro.

2. Mesmo com as sucessivas crises de refugiados, a UE tarda em chegar a acordo sobre a reforma do sistema europeu de asilo, continuando em vigor a Convenção de Dublin, que tem mais de 20 anos. Quão importante pensa que é fechar este dossiê e que posição deve Portugal adotar? 

A humanidade, ao longo da sua história, assistiu a movimentos migratórios, por vezes subtis, muitas vezes de massa, como aquele com que nos deparamos nos últimos anos e que já levaram à morte de milhares de elementos de povos oriundos de África e do Oriente Próximo. 

Estes movimentos migratórios são normalmente uma reacção de defesa da integridade e segurança física das populações em fuga de conflitos militares que ocorrem nos seus países, consequência da intervenção imperialista. Ou, então, são fruto de razões de sobrevivência económica e alimentar, associadas, ou não, a conflitos militares. 

Com os ventos de guerra a soprar por todo o mundo e as potências imperialistas – mundiais e regionais – a tentarem posicionar-se para abocanhar a maior fatia que possam do bolo da rapina e exploração dos povos, vemos emergir conflitos sangrentos em vários pontos do globo, com os imperialistas menores e regionais e a superpotência mundial que são os EUA, a promover, dar apoio logístico – incluindo armas -, que lhes permita ganhar ou retomar a sua influência geoestratégica.

Neste quadro, não se pode esperar que aqueles que promovem e apoiam as guerras, sejam os mesmos que estarão dispostos a resolver a crescente “crise migratória”.

O PCTP/MRPP não acredita nas “piedosas” intenções que uns poucos países europeus têm manifestado na disposição de acolher alguns desses migrantes. Fazem-no porque necessitam de repor os “stocks” de mão de obra barata e indiferenciada.

Sendo um partido comunista, o PCTP/MRPP advoga o princípio do internacionalismo proletário. Logo, apoia a unidade entre operários e trabalhadores que, em cada país europeu deve impor uma política de acolhimento sem reservas daqueles que fogem à guerra, à morte e estropiamento, à fome e à miséria.

Essa unidade é vital para levar ao desmantelamento de todas as organizações bélicas do imperialismo – onde pontifica a OTAN/NATO – e para que uma nova sociedade, livre da exploração e da agressão imperialista, desponte. 

3. Em que projetos Portugal se deve envolver no âmbito da Cooperação Estruturada Permanente para a Segurança e Defesa da União Europeia (PESCO)? Havendo, pela primeira vez, milhões de euros de fundos para gastar em equipamento militar, quais devem ser as apostas dos estados-membros? Há uma redundância com os compromissos assumidos no quadro da Aliança Atlântica? 

A chamada Cooperação Estruturada Permanente (CEP, ou PESCO no acrónimo em inglês) foi instituída, para vergonha do povo português, pelo Tratado de Lisboa em 2007 e a sua constituição formalizada recentemente em Dezembro de 2017, integrando-a 23 dos membros da União Europeia que a ela aderiram, e entre os quais se conta Portugal, pela mão do governo de lacaios de António Costa.

Trata-se de uma organização que, em conjunto com a criação do Fundo Europeu de Defesa, visa dotar o imperialismo europeu dos meios militares indispensáveis para, com um Exército Europeu ou sem ele, vir a participar em actos de repressão contra movimentos revolucionários na Europa e numa inevitável e cada vez mais próxima guerra mundial pela disputa dos mercados a nível global, tendo como principais contentores a China e os Estados Unidos.

Ao aderir à CEP, como sempre à socapa, o governo de Costa, com a cumplicidade do PCP e BE, na senda aliás dos governos anteriores, torna-se responsável por arrastar o País para aquela guerra e fazer do povo português carne para canhão de um conflito armado com o qual nada tem a ver.

A crescente militarização da União Europeia só vem demonstrar o que sempre afirmámos: que o imperialismo europeu é a guerra.

Por tudo isto, Portugal deve sair imediatamente da União Europeia e, desde já, começar por abandonar a chamada Cooperação Estruturada Permanente, exigindo a respectiva dissolução, tal como deve suceder com a NATO; opor-se a qualquer intervenção militar da União Europeia seja onde for e sob qualquer pretexto e recusar-se obviamente a utilizar um cêntimo que seja dos contribuintes para o chamado Fundo Europeu de Defesa.

Em suma, a nossa posição é muito clara: ao contrário do que tem sido a política do governo de António Costa e de todos os restantes partidos parlamentares, o PCTP/MRPP defende que Portugal deve sair da União Europeia, opõe-se a quaisquer projectos europeus de agressão imperialista, a coberto de uma falsa política de defesa e segurança da chamada Cooperação Estruturada Permanente e chama a classe operária portuguesa e os trabalhadores em geral a lutar firmemente contra todas as tentativas de envolver o nosso país em quaisquer guerras imperialistas e contra os governos traidores e lacaios como o actual que aceitam vender a nossa independência nacional.

4. Concorda com o fim da unanimidade em matérias fiscais e de política externa?

O fim da unanimidade na votação de matérias fiscais e de política externa no âmbito do Conselho Europeu é um debate que já leva 15 anos e não tem reunido consenso. Foi recuperado agora por Jean- Claude Juncker e logo apoiado por António Costa que, pelos vistos, não quer perder o estatuto de “bom aluno”.

Ao observarmos quem é contra e quem é a favor da maioria qualificada e quem pretende que se mantenha a regra da unanimidade, o que percebemos é a existência de contradições no seio do imperialismo europeu. Regra geral, apoia a primeira solução uma frente de governos de países do centro e sul da Europa – Portugal, Espanha, França, Itália – e são a favor da regra que hoje se aplica os governos de países mais industrializados e ricos do Norte da Europa. O fim da unanimidade também é a forma que a União Europeia encontrou para se financiar mais rapidamente, aprovando impostos europeus que entrarão directamente na UE.

Para o PCTP/MRPP, não sendo irrelevante qual das regras venha a ser adoptada, não temos dúvidas quanto à natureza de ambas: a de cada um dos campos imperialistas em competição se munirem dos instrumentos de manipulação que melhor sirvam os seus interesses.

Não é pelo facto de uma decisão – sobretudo fiscal ou de política externa – ser votada por uma das duas regras em debate que o resultado da decisão se torna justa. Ademais, uma das razões porque o PCTP/MRPP advoga a saída da UE e do euro é precisamente pelo facto de, ao ter aderido a uma e a outro, Portugal ter abdicado da sua soberania. Não há, pois, unanimidade ou maioria qualificada que altere este quadro.

O PCTP/MRPP, quanto a matérias fiscais e de política externa, defende o princípio da decisão soberana que só ao país e ao seu povo cabem.

5. Qual é a pasta que Portugal devia lutar por ter na próxima Comissão?

A resposta a esta pergunta decorre naturalmente da posição de fundo da nossa candidatura de que Portugal deve sair do Euro e da União Europeia, como única solução operária, comunista e patriótica para pôr termo à nossa total dependência dos interesses do imperialismo europeu.

Ou seja, por não ter que lá estar, Portugal não tem que lutar por ter qualquer lugar em nenhum órgão da União Europeia.

Em qualquer caso, refira-se que a existência de um representante português na Comissão Europeia tem sido e continuará a ser absolutamente irrelevante e até por vezes ridículo, pois não lhe cabe senão desempenhar o papel decorativo de mero lacaio dos interesses dominantes e hegemónicos do imperialismo alemão. 

6. Concorda com o modelo de “Spitzenkandidaten”? Se o Conselho designar para presidente da Comissão uma figura que não tenha sido “candidato principal” de qualquer das famílias políticas, como “ameaça” fazer, deve o PE vetar?

Se bem que este problema nada tenha a ver com os interesses da classe operária dos países capitalistas organizados na União Europeia, a discussão em torno do procedimento da designação/eleição do futuro presidente da Comissão Europeia, no seguimento das presentes eleições para o Parlamento Europeu, é um debate que à partida se mostra totalmente inútil e que acaba por escamotear o fundo da questão.

Na verdade, o que está obviamente em causa não é que o novo presidente da Comissão seja o candidato proposto pelo grupo político maioritário no parlamento europeu (não deixa de ser significativo que o termo para o designar venha em alemão – spitzenkandidaten) à saída destas eleições, ou outro designado pela Comissão, ainda que sempre sujeito à aprovação do parlamento.

O resultado será sempre o mesmo – qualquer que seja o proposto, escolhido e eleito, terá sempre de ser um reaccionário da confiança dos imperialistas germânicos e dos seus lacaios menores, como Portugal, que, na actual situação de crise da União Europeia e da intensificação dos preparativos da guerra mundial imperialista, cumpra o papel de mandarete dos interesses das potências economicamente dominantes.

Não é por acaso que surge já como uma hipótese consensual a candidatura de Ângela Merkel – o seu admirador Costa, ao lado de Coelho e Portas, lá estará na primeira linha dos proponentes – para chefiar a Comissão, afinal, do seu próprio país. Isto, se a senhora não continuar como chancelerina.

Também não deixaremos seguramente de assistir a um apaixonado envolvimento por parte do PCP e do BE nesta luta em torno da escolha democrática do candidato em melhores condições para representar os interesses do imperialismo europeu. 

7. Quais pensa que devem ser as prioridades da presidência portuguesa da UE, no primeiro semestre de 2021? Concorda com António Costa em eleger como prioridade máxima as relações com África? 

É do conhecimento geral que o PCTP/MRPP é o único partido do espectro político português que defende a saída de Portugal, quer da União Europeia, quer do euro.

Neste quadro, a atribuição da presidência da UE a Portugal, constituirá, em nosso entender, mais um episódio na política de traição prosseguida por aqueles que representam os interesses de um imperialismo menor como o português e que, por isso, acolhem e apoiam a integração do país no directório imperialista europeu, sediado em Bruxelas e liderado pela Alemanha. 

O que é relevante, quanto a nós, é a saída de Portugal dessa organização imperialista e reaccionária que é a União Europeia e desse garrote para a nossa economia e independência que é o euro. 

Se António Costa defenderá, ou não, como “máxima prioridade” as relações com África, não sabemos. O que defendemos é que o povo português não se deve amedrontar com o mito “...ou é a Europa e o euro ... ou é o caos!”. Na verdade, defendemos que a saída de Portugal da UE e do euro, possibilitará ao país reabilitar e reforçar a sua vocação atlântica, ampliando e reforçando os laços políticos e económicos com países de África e da América Latina e exponenciando os acordos/memorandos que, em finais de 2018, se estabeleceram com a China no quadro da “Nova Rota da Seda”. 

8. Pensa ser importante que Mário Centeno cumpra um segundo mandato como presidente do Eurogrupo? 

O Eurogrupo representa o que há de mais reaccionário e anti-democrático na União Europeia imperialista. Para esta estrutura, nenhum elemento do povo dos diferentes países que integram a UE foi chamado a votar naqueles que a integram e dirigem e, pior do que isso, esta não pode ser alvo de escrutínio popular.

Mário Centeno foi eleito como presidente desta estrutura como prémio dos “bons serviços” que prestou ao imperialismo europeu.

Desde logo, ao assegurar que os alegados credores de uma dívida privada que foi transformada em pública, fossem generosamente “ressarcidos – quer em juros pelo “serviço da dívida, quer por amortizações da dita.

Depois, porque aceitou transformar Portugal na cobaia do mecanismo de “resolução bancária” – medida que a própria UE e os restante países que a integram agora contesta – que levou ao desastroso apoio financeiro a um banco que antes de o ser já era...falido! O Novo Banco! Prémio, ainda, pelo facto de ter caninamente aceite todos os ditames que lhe são impostos pelo directório europeu imperialista quanto aos pressupostos para a elaboração de orçamentos, onde se incluem as famigeradas cativações.

Se Roma paga aos traidores, é o que o futuro nos dirá. No que depender do PCTP/MRPP e dos operários e trabalhadores portugueses e europeus, estamos em crer que a vontade é de correr com tal personagem e impor o desmantelamento da UE e estruturas como o Eurogrupo, que existem, pura e simplesmente, para ampliar o sofrimento e a miséria a que têm sujeitado os operários e trabalhadores europeus, ao mesmo tempo que enchem os bolsos aos capitalistas e imperialistas, sobretudo o germânico. 

9. Com a saída do Reino Unido, é a favor do relançamento do processo de alargamento da UE, designadamente aos países dos Balcãs? E a Turquia? Que consequências antevê para a União Europeia e para Portugal? Concorda com a ação do Governo, designadamente com o plano de contingência para cidadãos e empresas? 

Batendo-se pela saída da UE e do euro, e pelo desmantelamento desta organização do imperialismo europeu, nunca poderia o PCTP/MRPP acolher a ideia de um qualquer alargamento. Até porque, qualquer alargamento reforçaria o risco de guerra que o imperialismo acarreta. 

Sempre defendemos que a saída de Portugal da UE e do euro abriria novas oportunidades para o país, desde que assentes na base de acordos baseados no respeito pela soberania de cada estado e na reciprocidade das vantagens. Neste quadro, seria contraditório que acolhêssemos “planos de contingência para cidadãos e empresas”, sejam do Reino Unido, sejam de outras nações com quem Portugal estabelecer relações. 

10. Deve ou não a União Europeia “legislar” em matéria de regulação da cibersegurança europeia e no combate à desinformação “on-line”? 

Tudo indica que a UE se prepara para, durante o próximo mandato do Parlamento Europeu, fazer aprovar um “pacote de reformas” que permita a adopção de medidas destinadas a desenvolver aquilo que designam por “uma cibersegurança sólida europeia”. 

Com o argumento de que o que se pretende é combater as ciberameaças, a Comissão Europeia apresentou, em Setembro de 2017, um projecto que visa implementar as medidas estabelecidas pela estratégia para a cibsersegurança – com base no seu principal pilar, a directiva SRI, relativa à segurança das redes e da informação

Como sempre que se querem esconder os reais objectivos para qualquer medida que se pretenda adoptar, a UE escuda-se por detrás da “argumentação técnica” para escamotear os fundamentos políticos. 

A este frenesim não será certamente alheia a “guerra comercial” que neste momento se trava entre os EUA e a China, com os imperialistas europeus a serem empurrados para tomar uma posição consentânea com os interesses de uma das superpotências em contenda.

É bom relembrar que esta “guerra comercial” já levou os EUA a ameaçar aumentar exponencialmente as taxas aduaneiras sobre produtos importados da China e proibiu que o gigante tecnológico HUAWEI comercializasse os seus produtos no seu território, instando os seus aliados a tomar idêntica iniciativa, alegando que aquela marca chinesa tinha desenvolvido um poderoso software que permitia uma sofisticada operação de espionagem (o sistema 5G).

Porém, com dezenas de milhares de milhões de dispositivos conectados, o que na verdade os imperialistas europeus mais temem é perder o controlo sobre os “conteúdos” e as informações que circulam – actualmente de uma forma relativamente livre – no espaço da internet.

A reforma em causa visa, sobretudo, um mais apertado controlo desses “conteúdos” e informação, habilitando o regulador europeu a bloquear todas as opiniões que coloquem em causa a sacrossanta “unidade europeia” e os relevantes “benefícios” que a sua política de “convergência” acarretou para  a Europa, especialmente para os países com economias mais frágeis, como é o caso de Portugal.

Nesta perspectiva, um deputado do parlamento europeu eleito pelo PCTP/MRPP opor-se-á resolutamente a toda e qualquer “legislação” que vise coarctar a liberdade de opinião e de expressão, de debate e livre circulação de ideias e de informação.

    

             A Candidatura do PCTP/MRPP

Em bicos dos pés

Em bicos dos pés !

O PS sempre assumiu o papel de “vendilhão do templo”! Começou por vender a ideia de que a “opção europeia” era a que melhor servia o povo português. Sem qualquer discussão ou consulta prévia ao povo, decidiu aceitar as “regras” impostas pela então CEE, que obrigaram Portugal a destruir praticamente todo o seu tecido produtivo – desde a Lisnave à Mague, passando pela Sorefame, pela agricultura e agro-pecuária até à frota pesqueira e à marinha mercante. 

Queixa-se agora da monumental abstenção que se regista para as eleições para o Parlamento Europeu. Há 5 anos foi de 66%!!! Mas, o que esperar?! Aquando da adesão à CEE e à moeda única, o PS nunca tomou qualquer iniciativa de levar à discussão pública tais decisões e, muito menos, as suas implicações. Como, amor com amor se paga, a classe operária, os trabalhadores e o povo português, retribuem...com a sua abstenção! 

Abstenção tanto maior quanto verificam que a convergência e o progresso social anunciados se traduzem na existência de 113 milhões de pobres no espaço da UE, a que se juntam 32 milhões de trabalhadores que, apesar de terem algum rendimento de trabalho, o mesmo não é suficiente para assegurar um modo de vida digno e sustentável. 

Perante a força centrífuga da União Europeia e, sobretudo do euro, quando o descalabro da austeridade começou a fazer o seu caminho, todo ele pejado de vítimas do desemprego, da precariedade, de uma cada vez mais depreciado acesso à saúde, à educação, à cultura, à assistência social, à habitação, ensaiou o discurso de que “a Europa é boa, Portugal é que se tem portado mal”, escamoteando o facto de que o descalabro que hoje se vive assenta num défice descomunal que temos com a UE. 

Tal como afirmamos no nosso Manifesto Eleitoral “... é de um oportunismo inqualificável que, para caçar votos aos trabalhadores e mantê-los num regime de tamanha exploração, se iluda que a dívida não é a causa dos nossos problemas, mas sim a consequência desses problemas financeiros e económicos...” 

Estes novos Miguéis de Vasconcelos, que por opção entregaram a soberania de Portugal a terceiros – tal como no século XVI e XVII, os conjurados fizeram em relação à Espanha dos Filipes – escamoteiam que foi precisamente a destruição do tecido produtivo que criou as condições para que, hoje, a nossa balança de bens transaccionáveis esteja recorrentemente em défice, o que leva o país a ter de importar cerca de 80% daquilo que consome e de que necessita para gerar “economia”! 

Estamos, pois, perante gente – do PS ao PSD, passando pelas muletas dos dois, o CDS e PCP/BE e Verdes – que fez pior do que os traidores que assinaram o Tratado de Tomar, em 1581. Isto é, acolheram de forma descarada uma ainda maior abdicação de soberania do que a registada no século XVI, no qual, porém, como afirmava o nosso saudoso dirigente Arnaldo Matos, “... não perdemos a moeda, o que permitiu a Portugal recuperar a sua independência...” 

Traidores sem espinha dorsal que querem fazer crer que a situação que o país, a classe operária, os trabalhadores e o povo português, atravessam, nada tem a ver com os garrotes que representam para a sua economia este desequilíbrio estrutural da nossa economia e a acção de uma moeda forte como o euro – que convém a economias fortes como a da Alemanha – sobre economias frágeis como a de Portugal. 

Traidores que escamoteiam que um país sem moeda...não é soberano! E  não pode levar a cabo uma política independente sem que possua total soberania sobre a sua política orçamental, cambial, fiscal, aduaneira, bancária e financeira, como acontece actualmente, em que se assiste ao degradante espectáculo anual da submissão da Lei Geral do Orçamento de Estado da colónia à potência colonizadora, protagonizada pela Comissão Europeia que mais não representa do que os interesses de um directório liderado pela Alemanha imperialista e seus aliados. 

Após quatro Leis do Orçamento de Estado, aprovadas com o voto sem reservas das suas muletas do PCP/BE e Verdes, o directório imperialista europeu, liderado pela Alemanha, congratulou-se, por um lado, com a “paz social” que permitiu o “equilíbrio do défice” – leia-se, o assegurar do pagamento da dívida e do “serviço da dívida” (juros) aos credores -, à custa da famigerada política de “cativações” ,que Costa e Centeno conseguiram assegurar. 

Congratulação que passa, desde a Cimeira Europeia de Sibiu, pelo insistente rumor, de que o directório imperialista europeu, protagonizado pela Alemanha, estaria a analisar a hipótese de nomear António Costa para o cargo de líder da futura Comissão Europeia. 

Um prémio à traição aos interesses independentes e soberanos de Portugal, da sua classe operária, dos seus trabalhadores, do seu povo. Um prémio que vem no seguimento de outro que já havia sido conferido a Centeno, pela “excelência” de uma política económica, não ao serviço de Portugal, mas dos credores imperialistas. Uma política de submissão total aos interesses e regras que melhor servem a Alemanha e seus aliados. 

A classe operária, os trabalhadores e o povo português têm, nestas eleições para o Parlamento Europeu, a oportunidade de impor aquilo que o segundo candidato da Lista do PCTP/MRPP, o Dr. José Preto, advoga. Opor-se à Europa alemã que tem como propósito estender o seu domínio até aos Urais, como pretendia Hitler.


20Mai19                                                                                                            LJ

Brexit – o exagero de uma morte anunciada!

Brexit – o exagero de uma morte anunciada!

No debate promovido pela RTP e pela RTP 3,  no passado dia 13 de Maio, à noite, o cabeça de lista às eleições para o Parlamento Europeu do PCTP/MRPP, Luis Júdice, afirmou que o Brexit só poderia ser entendido no quadro da guerra inter- imperialista que, apesar de ainda se encontrar em fase larvar, já está em curso.

 

commonwealthNa altura, Luis Júdice assinalou que não era por acaso que o processo da saída do Reino Unido da UE estava a ser liderado por várias forças da direita e da extrema-direita daquele país, pois são as forças que melhor representam os interesses dos grandes monopólios e do imperialismo britânico, apostados em fazer vingar a sua posição na mesa da divisão dos despojos dessa guerra imperialista em preparação.

 

O candidato do PCTP/MRPP demonstrou que tal processo nada tinha a ver com a exigência que o PCTP/MRPP faz de que Portugal saia da UE e do euro - Quer quanto à natureza de classe, quer quanto aos objectivos que cada realidade política apresenta. Enquanto nós defendemos que a saída de Portugal da UE e do euro, ademais, nos retira do cenário de guerra inter-imperialista a que o directório alemão quer associar o nosso país, o Reino Unido, com o Brexit, pretende precisamente o contrário. Reorganizar as suas forças, de forma autónoma, a fim de estar em melhores condições no eventual processo de partilha de despojos do pós-guerra.

 

Luis Júdice fez questão em  demonstrar que com o Brexit, o Reino Unido deixou claro que  não está mais interessado em partilhar o poder e as decisões quanto à geoestratégia mundial  a prosseguir, sobretudo com o chamado eixo franco-alemão que nunca deixou de ser um dos seus principais concorrentes no teatro mundial.

 

O nosso cabeça de lista explicitou, ainda, numa das suas intervenções nesse debate, que o Reino Unido imperialista tinha um trunfo que não estava disposto a partilhar com quem domina a UE. Um trunfo que se chama Commonwealth, um mercado ao qual se associaram 53 países, num total de 2,4 mil milhões de habitantes, com um Produto Interno Bruto de 10 mil milhões de dólares. Neste grande mercado pontificam, para além do próprio Reino Unido– que o lidera através da sua casa real – países como a Índia, a Austrália, o Canadá e a África do Sul, entre muitos outros (ver quadro anexo).

 

Como não houve oportunidade, no supracitado debate, para explanar mais números que nos façam perceber melhor o que está em causa, e com o propósito de fazer gelar o riso de alguns palhaços que fizeram esgares de reprovação às afirmações produzidas pelo nosso camarada Luis Júdice, avançamos com alguns números, bastante significativos e paradigmáticos, relativos ao PIB de 2018:

 

  1. O PIB da UE a 28 (que inclui, ainda, o Reino Unido) foi de 15.300 mil milhões de euros
  2. O PIB da UE a 27 (o que exclui o Reino Unido) foi de 12.678 mil milhões de euros (o valor do RU no PIB da UE a 28, foi de mais de 17%)
  3. O PIB do mercado da Commonwealth, liderado pelo Reino Unido foi de 10.000 mil milhões de dólares
  4. O PIB dos EUA foi de 17.700 mil milhões de dolares
  5. O PIB da China foi de 11.360 mil milhões de dólares

 

Anunciar a morte, política, económica, financeira e social do Reino Unido é, pois, exagerada! E comparar os objectivos da direita conservadora britânica com os da exigência da saída da UE e do euro protagonizada pelo PCTP/MRPP – único partido, em Portugal, a defendê-lo sem papas na língua – é uma manobra imbecil de induzir o medo, manobra que não terá qualquer sucesso! 

O Camarada José Lourdes na RTP- Açores

O Camarada José Lourdes na RTP- Açores

O camarada José Afonso Lourdes, candidato do Partido às eleições ao Parlamento Europeu 2019, vai estar, hoje, dia 14 de Maio, na RTP-Açores para uma entrevista, transmitida em directo, a seguir ao telejornal das 20H00, (hora dos Açores), na qual apresentará a posição do Partido, o único que defende uma solução operária e comunista como forma de resgatar a soberania e independência do nosso País, terminando com os efeitos da política de sujeição aos interesses dos países imperialistas europeus, do pagamento da dívida e da imposição do défice zero. 

Pela Saída do Euro e da União Europeia!

Por uma Solução Operária e Comunista!

Pela Soberania Nacional!

O Imperialismo Europeu é a Guerra!

Intervenção do nosso primeiro candidato às Eleições para o Parlamento Europeu

 

Camaradas,

Vamos todos acompanhar a intervenção do nosso primeiro candidato às Eleições para o Parlamento Europeu, Luis Júdice, hoje, 13 de Maio 2019, na RTP1 e RTP3, a partir das 21H00.

Pela Saída do Euro e da União Europeia!
Por uma Solução Operária e Comunista!
Pela Soberania Nacional!
O Imperialismo Europeu é a Guerra!

 

Europa – Um sonho a cores que se transformou em pesadelo!

Europa – Um sonho a cores que se transformou em pesadelo!

O discurso que a classe dominante tem utilizado até agora tem sido o de que a Europa é boa, Portugal é que se tem portado mal. Como tal discurso é desmascarado e contestado pela realidade de Portugal registar, em 2000, data da adesão ao euro, uma dívida pública de 48,6% do PIB – inferior aos critérios de Maastricht que impõem 60% - que, em finais de 2018, quase triplicou – situando-se nos 121,5% do PIB -, agora ensaia-se outro tipo de discurso, para complementarizar este.

O discurso que Carlos Moedas, o comissário europeu português, ensaia num artigo que agora publicou na edição do jornal Expresso do passado dia 11.05.2019 e onde afirma ser necessário que os europeus se empenhem em 3 frentes de acção política: identidade, desigualdade e governança que, ademais e segundo ele, estarão interligadas.

É óbvio que, a ser necessário este empenhamento, isso quer dizer que o projecto europeu, consubstanciado na UE, faliu. Não conseguiu a identidade que propalava, cavou ainda mais as desigualdades e agravou as condições de pobreza o que torna o projecto ingovernável e insustentável.

Daí que seja, segundo Moedas, necessária uma nova governança para uma união que, em vez de ter realizado a prometida convergência acentuou ainda mais o fosso entre nações pobres e nações ricas, e dentro delas, o desequilíbrio na distribuição dos rendimentos entre quem detém os meios de produção e de distribuição e quem trabalha.

Numa postura própria de meninos de coro, é Carlos Moedas que, no supracitado artigo publicado no jornal Expresso – e intitulado Uma Europa a Cores – nos confessa a necessidade “...de reforçar a identidade europeia que de certa forma nunca soubemos construir...”!!! O que, refere mais adiante, tem sido aproveitado pelos populistas para instilar o medo, escamoteando o facto de não ser necessário aos populistas realizarem esse trabalho, já que os europeístas o têm levado a cabo com muito maior profissionalismo e consistência.

Os números da pobreza e do risco de pobreza – que atingem cerca de um quarto da população dos países que integram a UE -, os números do desemprego e da precariedade, é que criam nos trabalhadores factores de instabilidade, frustração e luta como aqueles que se registam. E promovem a abstenção e facilitam a progressão das forças de extrema-direita.

Os europeístas, segundo Moedas, reconhecem que “ ... os desafios são globais e por isso exigem além de uma identidade nacional uma identidade supranacional ...”, tentando convencer-nos que “... ser português e ser europeu é estar mais bem preparado para combater essa retórica do medo...”, quando ao que se assiste é a uma profunda desigualdade que se gerou no seio dos países que aderiram à moeda única.

Quer a Cimeira de Sibiu, na Roménia – abordada por nós em http://www.lutapopularonline.org/index.php/europeias-2019/2502-sibiu-a-cimeira-do-desespero-do-imperialismo-europeu -, quer este artigo de Moedas, são a admissão por parte dos chamados dirigentes europeus de que o projecto da UE e do euro estão em colapso, em desagregação acelerada.

E estão à procura de uma nova tábua de salvação, tudo indicando que, tal como sucedera com Durão Barroso, o directório europeu, dominado pelo imperialismo germânico, se prepara para premiar mais um traidor, precisamente um dos seus melhores alunos, o primeiro-ministro António Costa para dirigir a nau em risco de naufragar. E sinais não faltam. Desde um artigo no Finantial Times a fazer um rasgado elogio ao primeiro-ministro português e ao seu modelo de governança em Portugal, até a declarações de Moedas, ontem difundidas em vários telejornais nacionais, passando pelos rumores que circulavam nos corredores da Cimeira de Sibiu, todos a considerar que António Costa está a desempenhar de forma excepcional o seu cargo!!!

Os europeístas tentam paralisar a oposição às suas pretensões, programas e agendas políticas, criando o mito de que os sobernistas são isolacionistas. Alguns defenderão isso. Nós, não! Nós defendemos que ser europeísta é admitir a soberania de um directório que mais não tem feito do que servir os interesses da Alemanha imperialista e, no caso de Portugal, aceitar a condição de colónia.

Ao passo que, ser soberanista, como nós defendemos, é estabelecer relações com todas as nações do mundo – incluindo as europeias -, consolidar a nossa vocação atlântica privilegiando as relações com países africanos e da América Latina, reforçar e ampliar a nossa participação no projecto da Nova Rota da Seda, sempre na base do respeito pela soberania de cada estado e na reciprocidade mútua de vantagens.

12Mai2019

LJ

Subcategorias

painelinscreve 01

 

Internacional

Um perigoso desenvolvimento esperado da guerra imperialista em curso

O “roberto” Jens Stoltenberg afirmou, quinta-feira passada, que a NATO acolheria a Suécia e a Finlândia "com os braços abertos" caso apresentassem a sua candidatura de adesão à organização, uma decisão que, segundo o que os seus manipuladores lhe mandaram dizer, dependeria só desses dois países.

Se a NATO fosse o que diz ser, o papagaio Stoltenberg tinha sido imediatamente despedido em desonra. Um seu secretário-geral não poderia nunca, em nome de uma organização que segundo os seus próprios estatutos só admite novos membros com o acordo unânime dos seus membros, dizer que acolheria novos membros “com os braços abertos” sem ter previamente esse acordo unânime. E não tinha: primeiro a Croácia e depois a Turquia atreveram-se a afirmar não estar de acordo. Portanto o normal seria: RUA!

Mas a NATO não é nada disso! E se a Stoltenbergues já ninguém ligava que não fosse como voz do dono, a afirmação só confirmou, de voz certa, o que o dono vai fazer acontecer.

Ler mais


O imperialismo ocidental, fazendo-se herdeiro dos pergaminhos nazis da psico-guerra, assaltou as redacções de toda a imprensa no Ocidente tornando-as meros executores da sua política de conquista de corações e mentes baseada nas mais asquerosas mentiras para uma guerra de rapina dos países e de opressão e agravamento da exploração do proletariado. As que não podia controlar erradicou da visão do público replicando "democraticamente" a censura das velhas tiranias. Não são só as torções mais grosseiras dos factos apresentadas como verdades e marteladas até à exaustão que fazem este aspecto da guerra, as tácticas são múltiplas e sofisticadas, mas servem todas os seus objectivos mesquinhos e criminosos. É dessa parcela da guerra sem explosivos, mas igualmente mortal, que tratamos neste artigo

 

 Crimes de guerra e psico-guerra (1)

O mote

VasilyBykovAs primeiras notícias da resposta ucraniana à invasão russa davam conta, através de uma gravação áudio, de que um grupo de 13 marinheiros ucranianos, colocados na defesa da ilha de Zmiiny, perante o ultimato russo para que se rendessem responderam "navio de guerra russo, vão-se lixar". Houve até um comentador “especialista em questões russas” e com base em “informações, obtidas de fontes locais, quase certas mas ainda não totalmente confirmadas”, a dar conta de que os russos haviam fugido com o rabo entre as pernas e que nem sequer tinham evitado o afundamento do navio, tudo isto devido à coragem e inteligência dos marinheiros ucranianos e apesar dos fraquíssimos meios de que dispunham.  Era o David a derrotar o Golias.

Ler mais


Comentário relativo à situação na Ucrânia

 O acordo em 1989 era que a NATO não se expandisse para além da Alemanha – o partido democrata americano quebrou tudo!

A "União Europeia é a guerra" já alguém dizia isso.

Eu, quando conheci Arnaldo Matos em 31 de Janeiro de 2015 na manifestação "não tap os olhos", no aeroporto, uma das coisas que comentei [a respeito da situação política mundial e na Ucrânia foi] “voltámos a 1914" para lembrar que a I Guerra Mundial começou nos Balcãs [com um acontecimento que parecia não ir desencadear uma guerra mundial].

Ler mais


O Imperialismo, a Guerra  e a Partilha do Mundo

Ler


A propósito dos acontecimentos em Cuba

Ler


OS JOVENS DESEJAM ACABAR COM O CAPITALISMO, E MUITO MAIS...   

Ler


As Represálias que se Seguem à Derrota Militar de Israel

 Ler


A crueldade é um lamentável efeito secundário

Ler


                            Mundial de 2022 - Catar                                   

 

Ler



Política geral

 Viva o 1.º de Maio!

A Luta da Classe Operária pela sua Emancipação!
O 1.º de Maio é um dia de luta, de luta dos trabalhadores

A escolha do dia 1.º de Maio como data representativa da luta dos trabalhadores contra a classe que a oprime e explora, contra a escravidão assalariada, contra o capital corresponde a uma decisão do Congresso Socialista Internacional realizado a 14 de Julho de 1889, em Paris, e comemorou-se internacionalmente, pela primeira vez, em Maio de 1890 em homenagem aos mil e quinhentos operários de Chicago, que no dia 1.º de Maio de 1886, numa movimentação mais ampla que englobou mais de 350 000, se reuniram em luta pela jornada de trabalho de 8 horas e foram massacrados, seguindo-se a prisão de um grupo de dirigentes operários, após a explosão de uma bomba lançada por um provocador da polícia durante um comício de protesto.

Nessa data, já o Manifesto do Partido Comunista tinha sido publicado (1848), apresentando o programa/estratégia dos comunistas, simultaneamente condensado na palavra de ordem “Proletários de todos os países, uni-vos”, pretendendo-se significar com essa frase que a classe operária só sairá vitoriosa dessa luta se a fizer num âmbito internacional, não nacional (não significa isto que não se faça a revolução nos países em que existam condições para tal) e se a fizer autonomamente, ou seja, lutando pelos seus objectivos próprios (a emancipação da classe operária é da própria classe operária) numa organização autónoma. Na palavra de ordem também está contida a ideia, hoje tão importante, de que os operários não têm pátria e “não têm pátria antes de fazerem a revolução. (…)”

Ler mais


Parlamento burguês, governo e presidente da República de joelhos perante o imperialismo americano

 A via nunca poderá ser apoiar um imperialismo para combater o outro!

Numa posição de completa subordinação, submissão e obediência servil, todos os órgãos do poder e seus representantes cumpriram o ritual pré-estabelecido e foram ao beija-mão virtual de Zelensky, o alter-ego de Biden, prestando, desse modo, vassalagem e todo o apoio ao imperialismo americano, à NATO, ao imperialismo europeu, concordando e assinando a vinculação nacional à terceira guerra mundial. A História por mais que a branqueiem não vai esquecer a sua responsabilidade neste acto criminoso.

Ler mais


Recebemos da Associação Portuguesa de Deficientes (APD) o, nas actuais circunstâncias de terror mediático, corajoso comunicado que abaixo transcrevemos na íntegra:

 ComunicadoAPD

SOBRE A DECISÃO DISCRIMINATÓRIA DO COMITÉ PARALÍMPICO

 O Comité Paralímpico tomou a insólita e grave decisão de banir os atletas russos e bielorussos com deficiência dos Jogos Paralímpicos Inverno Pequim 2022.

Ler mais


Um projecto de reindustrialização burguês

O thatcherismo, a partir de meados dos anos 70 do século passado, deu a estocada final na hegemonia do sindicalismo economista (em alusão à categoria leninista) europeu e marcou o início da forte desindustrialização da economia do velho continente. Os capitais europeus encontraram força de trabalho disciplinada e baixíssimos salários sobretudo na Ásia, com o contributo determinante da China denguista.

Ler Mais


A pseudo igualdade e liberdade apregoada pela democracia burguesa e os dinheiros da campanha!

As eleições provocadas de forma interesseira e consciente pelos partidos parlamentares (todos, sem excepção) e marcadas pelo presidente da República para o dia 30 de Janeiro devem merecer a nossa atenção no que toca à cada vez mais clara natureza da chamada democracia, que passa, agora, sem qualquer véu, pelo despudorado afastamento dos que se opõem ao sistema.

Ler mais


O PARLAMENTO BURGUÊS FALIU!

Ler


Costa e os ingénuos

Ler


Teatro orçamental

Ler


A OUTRA REVOLUÇÃO CULTURAL

Ler


Uma Mudança de Métodos

 Ler


Os detentores do capital representados nos tumultos da luta de classes

 Ler


 Caracterização de um presidente

Ler


 A casa da música dá música aos trabalhadores desafinados

Ler


 O que é que se comemora no dia 25 de Abril?

Ler


Operação Marquês:
a histeria histriónica invade o espaço público

Ler


 A TRANSIÇÃO DIGITAL E AS SUAS CADEIAS: PRÓDIGOS DO CAPITAL E DA SUA CLASSE

Ler


Ensaio

INFLACÇÃO:
PARA O ESTADO BURGUÊS UM IMPOSTO, A SOBREVIVÊNCIA PARA O CAPITAL!

Para os economistas burgueses a inflação tem diversas causas e diversos efeitos conforme sob que aspectos é vista: inflacção de procura, inflacção de custos, inflacção estrutural; inflacção e crescimento económico, efeitos distributivos da inflacção, efeitos da inflacção sobre as empresas e inflacção, a balança de pagamentos e a taxa de câmbio (ver AAVV, A Inflacção, Salvat Editora, 1979).

Mas cientificamente a inflacção resulta tão só duma desordem na produção em contexto de apropriação de mais-valia – e o efeito é o saque que a inflacção proporciona.

Ler mais


AS ARMAS

 São operários que fazem as armas que matam na guerra militares e civis, que destroem edifícios e viaturas, cidades e fábricas, hospitais, museus, escolas e creches, redes de água e de electricidade, árvores e flores, que contaminam solos e aquíferos e empestam o ar com a sua química mortífera.

Ler mais


A vida de um cantoneiro em Portugal!

Este artigo demorou a ser publicado, porque o capitalismo resolveu novamente fazer das suas! O nosso camarada/correspondente do Norte, e entrevistado neste artigo, esteve num total estado de estagnação, ...

Ler mais


Partido

Afonso de Albuquerque
Uma figura marcante e interveniente na sociedade portuguesa

AfonsoAlbuquerque

Faleceu na terça-feira, 5 de Abril, Afonso Abrantes Cardoso de Albuquerque, um homem que ousou lutar contra a ditadura fascista, contra a repressão, contra a guerra colonial, tendo enfrentado por duas vezes as prisões da Polícia Internacional e de Defesa do Estado (PIDE), antes do 25 de Abril, uma delas em 1972, por ter participado na divulgação de uma lista que denunciava as torturas aplicadas pela PIDE.

A sua natureza de contestatário e lutador por uma sociedade sem exploradores, embora assumindo diversas formas, umas mais directas e interventivas, marcaram, sem dúvida, o seu percurso de vida.

Ler mais


 

Há que entender a natureza das acções e esclarecer as ocultações!

Os trânsfugas do Partido tentam sempre apresentar uma justificação para os seus ataques e deserções, mas, mais tarde ou mais cedo, as suas tentativas de ocultação e embuste vêm sempre ao de cima.

Carlos Paisana não é excepção! Passados mais de dois anos da sua deserção não podemos deixar de caracterizar a natureza da mesma.

Vem este texto a propósito do julgamento que o Partido enfrenta este mês, decorrente da má gestão e principalmente do esbanjamento dos dinheiros do Partido tão necessários à sua actividade.

Ler mais


As lições do 25 de Novembro

 O texto que a seguir se publica é o traslado da intervenção do camarada Arnaldo Matos no Encontro Nacional de Quadros e Activistas da FEM-L, na Reitoria da Cidade Universitária, a 6 de Dezembro de 1975. É um interessantíssimo e precioso testemunho dado a pouco mais de uma semana depois dos acontecimentos, muito exactamente documentados, descritos e explicados. Pelo seu elevado valor histórico e científico é muito oportuno vir de novo a público.

Ler mais


Não esqueceremos Ribeiro Santos e Alexandrino de Sousa!

  ComitesRibeiroSantosPeloPovoTudoDarPorMelhoresDiasResistenciaRSASOs camaradas José António Ribeiro Santos e José Alexandrino de Sousa foram e são dois inquestionáveis revolucionários, quadros servidores do povo oprimido e trabalhador, e sobretudo, dois comunistas marxistas de primeira água! A esmerada acção destes camaradas, em favor do Partido e da Classe Operária portuguesa reveste-se de uma considerada e singular importância!

Ler mais


Sigamos o Exemplo Revolucionário do
Camarada Alexandrino de Sousa

  AlexandrinoFuneralMartinsSoaresHá 46 anos atrás, no dia 9 de Outubro de 1975, perdia-se na luta um camarada. Alexandrino de Sousa era o seu nome, a sua luta visava a sociedade sem classes. Estudava direito na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, sendo um dos membros da Federação dos Estudantes Marxistas-Leninistas, a organização para a juventude estudantil do Partido àquela data. Foi assassinado, de forma vil e cobarde por um bando de neo-revisionistas, estes militantes de um partido traidor que mais tarde se integrou numa coisa reaccionária e contra-revolucionária designada por Bloco de “Esquerda”, o que por si só já nos dá a entender de que tipo de gente estamos a falar e quais os seus interesses de classe, obviamente distintos daqueles pelos quais este camarada ousou lutar até ao último sopro.

Ler mais


 

Cartaz18Set2021


A Luta de Classes no Partido do Proletariado

Ler


Local

 Liberdade de expressão para a burguesia é isto

Em Lisboa e Setúbal tem sido o P“C”P, no Porto o MA“S” e os fascistas, em Braga o P“S”. Desta feita, em Aveiro, o ataque à propaganda do Partido foi levado a cabo pelo PPD/PSD com proveito próprio e dos seus compagnons do P“S”, muito no espírito de bloco central defendido por aquela facção burguesa. O lugar do nosso MUPI era bom e faria “sombra” aos Outdoors deles...

MUPI123

Ler mais


 ComunicadoSinaga202110044Um ataque violento que se abate sobre o movimento operário nos Açores

 

 

ComunicadoSinaga202110043A organização do nosso Partido na Ilha de São Miguel desencadeou hoje uma acção de agitação e propaganda  junto da fábrica de açúcar - Sinaga, com a distribuição de um clarividente comunicado, onde denuncia e retrata os crimes das sucessivas administrações da Sinaga e dos Governos Regionais da burguesia contra a classe operária açoriana, a história do movimento operário nos Açores, como também em relação à memória da indústria açórica, e daqueles que laboraram durante décadas a fio numa das mais importantes unidades fabris em território regional açoriano. Terminada a distribuição às portas da Sinaga, os camaradas António Vital, José Afonso Lourdes e Pedro Leite Pacheco que compunham a brigada, continuaram a sua acção de agitação e propaganda revolucionárias nos arredores da fábrica, onde auscultaram as amplas massas populares, obtendo testemunhos de indignação em resposta ao vil ataque àquela unidade fabril e ao seu património histórico, dizendo que o Governo Regional em conluio com a administração canalha da fábrica, iniciaram a destruição de várias máquinas da Sinaga, muitas dessas com um valor considerável.

Ler mais


Porto

  Como Se Faz Vigarice Chamando-lhe Investimento

SelminhoA vigarice, a especulação imobiliária e a corrupção infestam o nosso país. A autarquia do Porto não foge à regra. O presidente da Câmara, o reizinho Rui Moreira, é arguido no "caso Selminho", que vai a julgamento a Novembro. Moreira assinou uma procuração para a Câmara negociar com a empresa de que também é sócio, num negócio em que a família do autarca ganhava sempre. Um belo exemplo de rectidão e virtude. Este senhor só merece cair, tal como os Berardos, os Vieiras, os Salgados, os banqueiros, os políticos da máfia e do sistema e todos os outros bandidos, essa corja sem nome que rouba o povo.

Ler mais


Um horizonte de luta dura para uma vitória certa!

Se há um número capaz de traduzir a situação em que se encontra o proletariado em Portugal ele é 830 320, o número de famílias, cerca de 22% do total, que o governo reconhece não terem capacidade para suportar os aumentos dos preços dos bens essenciais verificados desde finais de Fevereiro deste ano. Diga-se: que o governo reconhece… na prática são muitas mais.

Como é que se chega a uma situação em que muito mais do que um quinto da população nem sequer consegue ter recursos suficientes para se alimentar? Aumentando o saque sobre quem trabalha que é o que os governos da burguesia têm andado a fazer. De três formas: destruindo brutalmente forças produtivas, reprimindo a luta e a organização dos trabalhadores e acorrentando os trabalhadores portugueses aos interesses imperialistas.

LOGO SPFundoAmareloEm Portugal menos de 8% dos trabalhadores do sector privado são sindicalizados. A grande maioria encontra-se despojada de ferramentas organizacionais, institucionais, jurídicas, que lhe permita fazer face à exploração, à precariedade, aos baixos salários, ao assédio laboral, às más condições de trabalho. Sem estes meios, a defesa dos seus mais elementares interesses torna-se impossível e a aquisição de força capaz de impor reivindicações a nível nacional uma autêntica miragem.

Ler mais


Movimento Operário e Sindical

A PESCA E OS PESCADORES
O tempo, o preço e o capital

O tempo, o preço e o capital, são os três problemas maiores da pesca e dos pescadores.

O capital, por esmagar uns e adular e corromper outros.

O preço do peixe, pela incerteza que informa a sua venda em lota.

O tempo, ao permitir ou não permitir condições para a pesca.

Ler mais


Castro Verde – mina Neves-Corvo

“Dantes usava-se um canário numa mina,
agora usa-se um jogador de futebol”

NevesCorvoÉ este o desabafo de revolta de um operário perante a evidência do agravamento progressivo das condições de segurança que os mineiros são obrigados a suportar.

Em 26 de Junho de 2015 foi uma plataforma elevatória na lavaria de zinco que “se virou” e arrastou para a morte o Tiago Gonçalves de 27 anos e um outro camarada para o hospital, em 26 de Setembro de 2020 foi uma derrocada que levou o Sérgio Delfino de 44 anos e, ao mesmo tempo, criou 2 novos órfãos; em 30 de Março foi a vez dos gases venenosos e do Filipe Venâncio. Os bombeiros bem tentaram trazê-lo à vida, mas não conseguiram.

Ler mais


POR UMA DIRECÇÃO COMUNISTA NA LUTA DOS TRABALHADORES DA GROUNDFORCE!

GroundForceGreveOs empresários públicos e privados exigem mais-valia no negócio da compra da força de trabalho dos operadores aeroportuários impondo ressarcirem-se do investimento com o dinheiro publicamente sancionado pelo Estado burguês.

Pelo seu lado os trabalhadores aeroportuários lutam pela segurança de vida e pelo pão para a boca em troca da sua prestação profissional.

A tão falada quanto equivocada mais-valia nada mais é do que horas de trabalho não pagas pelo salário recebido pelo trabalhador em troca da sua força de trabalho alienada ao empresário.

Ler mais


Volkswagen Autoeuropa - Palmela

UM MUNDO NOVO NÓS OPOMOS AO MUNDO PARASITÁRIO!

AutoeuropaO tempo do escravo é o tempo do senhor: deve totalmente vida e morte o escravo ao senhor.

A revolução burguesa abole a propriedade privada dos produtos do trabalho pessoal e transforma a força de trabalho em mercadoria que o detentor põe à vendapara a compra do que precisa para sobreviver.

Face a face são aparentemente ambos livres, vendedor e comprador da força de trabalho – não fora este ter o monopólio dos meios de produção e aquele destituído de outros bens transaccionáveis para além da sua força de trabalho!

Ler mais


IBERODYE - Vila do Conde

52 TRABALHADORES ATIRADOS PARA O DESEMPREGO"ESPERO QUE O MINISTÉRIO PÚBLICO INVESTIGUE"

Ler mais


 Eurest

Portugal – uma terra de oportunidades para os oportunistas

Ler


LASA – Guimarães

Trabalhar na terça de Carnaval?!! Porquê?

Ler


Como se Faz a Transição Energética em Tempos de Pandemia e Confinamento

Ler


A Luta dos Mineiros da Panasqueira

Ler


 TAP: uma “reestruturação” sem surpresas!

Ler


Luta – Unidade – Vitória

Contexto económico, político e social

 Ler

Partido

De plagiador compulsivo a ladrão intelectual – eis o perfil de Luís Júdice

Como é do conhecimento recente dos nossos leitores, a redacção do Luta Popular on Line denunciou publicamente e veementemente a conduta e os abusos do seu ex-redactor-chefe, Luís Júdice, pelo facto de se apropriar de textos e partes de textos de outros autores, assinando os mesmos como da sua lavra/autoria, nomeadamente, os que estão publicados no Webmagazin "Les 7 du Québec”.

No contexto dessa honrosa tomada de posição pela redacção do nosso jornal, a agonia de Luís Júdice foi de extrema notoriedade, ao tentar desesperadamente inverter os factos, procurando encontrar justificações totalmente surreais, absurdas e ausentes de qualquer base de sustentação minimamente credível!

Ler mais


 

Pela Boca Morre o Peixe

O povo tem uma expressão “Pela boca morre o peixe” que se adequa perfeitamente à tentativa de Júdice para justificar o injustificável, ou seja, o seu  “método e arte” de produção de textos.

Na verdade, não conseguindo negar a cópia/plágios de textos (não há como fazê-lo – os textos copiados existem para o confrontar) vem agora, pelas suas próprias palavras, e numa tentativa desesperada, assumir que copiou aquele e outros textos como, por exemplo,  parte do texto: Irão: um assassinato prenunciador da guerra imperialista!, argumentando de forma ardilosa e conscientemente omissa que não assinou o texto sozinho! E aqui está mais um traço da sua  desonestidade intelectual! É ele próprio que destrói a imagem de grande intelectual e ideólogo que laboriosamente quis aparentar.

Ler mais


 

A desonestidade intelectual é um traço que define o carácter dos oportunistas

Muitos leitores nos têm questionado sobre a razão pela qual o Luta Popular deixou de publicar artigos do ex-redactor Luís Júdice.

Ler mais


Recebemos de um nosso leitor e antigo militante da RPAC quando esta organização de soldados actuou nos quartéis contra a guerra colonial-fascista, a oferta deste poema, escrito em Fevereiro de 2019:

Homenagem a Arnaldo Matos

A morte não é o fim
Não se matam pensamentos vivos
A dor fisica passa a cada vez
Numa vida longa de combate
Carregar a dor de tantos é cruel
É o caminho do marxismo
De quem não recusa dar mais
Ver os proletários no seu lugar
Que pensar é revolucionar
Ver mais longe é avançar
Que lutar é ousar
Não seria eu, não seria digno
A ver a dor e sangue ao meu lado!

Alberto de Sousa
Fevereiro/2019

Notícias da evocação do camarada Arnaldo Matos

Nos passados dias 21 e 22 deste mês, no Porto, na Gafanha da Nazaré, em Lisboa e um pouco por todo o país, os militantes e simpatizantes do Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP) evocaram  camarada Arnaldo Matos pelo estudo e pela discussão de documentos que o camarada nos deixou, especialmente o importantíssimo discurso e sequente debate no 1.º de Maio Vermelho de 2018.

20210222Porto6

Presencialmente ou por vídeo-conferência, em reuniões alargadas ou isoladamente, os camaradas pegaram em aspectos da obra do camarada, particularmente aqueles que consideraram mais pertinentes para a acção de cada organismo, que estudaram e, quando colectivamente discutiram, com o ânimo próprio de quem luta pela instauração do modo de produção comunista.

A  principal alocução proferida no Porto, nesse propósito a 21 de Fevereiro e em nome do Comité Distrital do Porto, transcrevemo-la aqui, na íntegra:

Ler mais


 

O Marxismo é a nossa Estratégia


Evocar o Camarada Arnaldo Matos

Passam, na próxima segunda-feira, dia 22 de Fevereiro, dois anos após o desaparecimento físico do camarada Arnaldo Matos.

Na impossibilidade de uma homenagem presencial, o Comité Central, conclama todos os militantes e simpatizantes para, de uma forma organizada (como já está a acontecer) ou, se tal não for possível, individualmente, estudarem e discutirem os documentos que o camarada nos deixou, com destaque para a importantíssima intervenção no 1.º de Maio de 2018, que se constitui como um verdadeiro programa para o Partido e para o movimento comunista, apontando o Marxismo como a nossa estratégia, ao mesmo tempo que releva a necessidade de se fazer uma reflexão sobre os erros cometidos durante os processos revolucionários de 1917 e 1949, como condição essencial para rejeitar de forma fundamentada e determinada a ideia da inviabilidade da sociedade comunista, provando simultaneamente que sociedade da democracia capitalista liberal não é “o estádio final do processo histórico”, como os ideólogos do capitalismo pretendem vender.

Contudo, a verdadeira homenagem, a autêntica celebração só adquire significado se se transformar em movimento, em acção, em prática.

A verdadeira evocação ao camarada é feita diariamente no trabalho e na luta pelo reforço organizativo do Partido, pelo seu alargamento, pelo contacto com as massas, pela divulgação dos estudos, análises e reflexões, objectivo que o Comité Central tomou em mãos, dando continuidade a essa divulgação no Luta Popular online e com o lançamento da colecção dos Cadernos Arnaldo Matos.

Ler mais

FOTOCamArnaldoMatosEXPRESSO3CPoema


 

O fascismo do PS de Costa não é de hoje. O camarada Arnaldo Matos já o havia denunciado mal os primeiros traços do mesmo se manifestaram da pior maneira, no governo anterior, como a sequência de tuítes, que agora republicamos no Luta Popular, demonstra.


O PS no Poder é a Reacção no Poder!

É preciso dizê-lo sem medo, com a coragem necessária e com todas as letras: o Primeiro-Ministro António Costa e o governo do PS a que preside são um coio de reaccionários fascistas, da mesma natureza de Salazar e de Caetano.

Tal como Salazar e Caetano nos seus tempos, Costa e o seu governo, enviaram na última quinta-feira, e lá a mantiveram na sexta-feira e hoje sábado, um corpo da Polícia de Choque, para pôr termo a uma greve dos estivadores precários do Porto de Setúbal.

Ler mais

Eleições Legislativas 2022

A Repetição da Votação no Círculo da Europa

A Farsa Continua

Desde o primeiro dia em que se perspectivaram as eleições antecipadas de 30 de Janeiro, que o PCTP/MRPP as considerou uma das maiores farsas eleitorais da democracia burguesa. Hoje confirma-se objectivamente esta afirmação.

A contagem dos votos dos círculos da Europa e Fora da Europa, aplicando-se critérios diferentes, que já não serão alterados, apenas rasgou, pelo descrédito, o véu do “vale tudo”.

A afirmação do camarada Arnaldo Matos, no artigo, de 2015, Os Ladrões de Quatrocentos mil Votos, “O que se está a passar não é apenas um roubo sistemático do trabalho, dos salários, das pensões, do emprego, da saúde, da educação e da cultura; é também um roubo sistemático da liberdade, da democracia, dos direitos civis, humanos e políticos.”(negrito nosso) — continua bem actual, e traduz o desprezo que o Estado tem por aqueles que obrigou a sair do país.

Ler mais


A Reconfiguração do Parlamento

Os resultados divulgados no final da votação para a Assembleia da República, no dia 30 de Janeiro vieram confirmar o que já tínhamos previsto: a necessidade de reconfiguração dos poderes legislativo e executivo, com a conivência do Presidente da República, para, assim, responderem, agora, com o argumento da “legitimidade” desses resultados, às exigências e necessidades do capital.

Recorrendo a todos os instrumentos que o poder lhes concede, seja financeiro, seja ideológico, incluindo a manipulação dos órgãos de comunicação, que também têm donos, formou-se um parlamento constituído por uma maioria do P“S”...

Ler mais


-Tempos de Antena AR2022 3TV

-Entrevista de José Marrucho pela Rádio Cova da Beira

-Entrevista de António Vital pela RTP Açores

-Entrevista de João Ponte pela Rádio Univ. de Coimbra

-Tempos de Antena AR2022 3Rádio

-Tempos de Antena AR2022 2TV

Resumo do Programa

ResumoProgramaFora

ResumoProgramaDentro

 





-Tempos de Antena AR2022 2Rádio

-Tempos de Antena AR2022 1Rádio

-Tempos de Antena AR2022 1TV

- O pescador não é escravo!

capaFrente

Tempos de Antena

TemposAntena

- Entrevista à Lusa da camarada Cidália Guerreiro


As Próximas Eleições Burguesas de dia 30 de Janeiro

 A intervenção do Partido

Terminou ontem, dia 29 de Dezembro, o prazo para admissão definitiva das candidaturas às eleições antecipadas para a Assembleia da República de 2022, a terem lugar no próximo dia 30 de Janeiro.

O Partido apresentou, e foram admitidas, candidaturas a nove círculos eleitorais: Aveiro, Beja, Castelo Branco, Coimbra, Lisboa, Portalegre, Setúbal, Açores e Europa.

Encontrando-se o Partido num momento de reorganização e reforço das suas fileiras, e com uma situação financeira bastante difícil, a decisão da apresentação de candidatura a estas eleições antecipadas não foi pacífica, pois apenas uma pequena maioria dos militantes reunidos em reunião alargada, no dia 14 de Novembro e, posteriormente, em reuniões das várias organizações se manifestou pela participação nas eleições. O prazo para a organização e preparação das candidaturas foi, portanto, bastante curto: 36 dias.

Ler mais

Está em... Home EUROPEIAS 2019