NUESTRA RESPUESTA

AL CAMARADA ARNALDO MATOS

(Nota de Luminoso FuturoGratamente impactados al recibir, vía correo electrónico, sentida nota en nombre propio y del Comité Central del Partido Comunista de los Trabajadores de Portugal el cual tan firme y correctamente dirige y orienta en la trazada línea del Marxismo Leninismo, camarada Arnaldo Matos, que aquí abajo publicamos con placer.

Nota que arriba a nosotros comunistas (marxistas-leninistas) de Panamá en momentos que desde el seno del Nuevo Movimiento Comunista Internacional, en búsqueda de renovar malignamente nuestro relativo aislamiento internacional y pretendidamente radiarnos del mismo,  ataques desenfrenados e insinuaciones malévolas, forrados como “crítica fraternal”, por no habernos cuadrado con una determinada escuela de interpretación y aplicación del marxismo-leninismo, y; lo más grave para esos señores el habernos identificado y solidarizado con el fraternal Partido Marxista Leninista Italiano (PMLI) en su toma de posición favorable a la guerra de resistencia nacional de los Pueblos árabes a la criminal agresión armada de la Santa Alianza de las Superpotencias imperialistas –USA, Rusia y China) y de las potencias imperialistas Europeo Occidentales en su daño, como demás pueblos y naciones oprimidas del mundo. Por ende, reconociendo en sus luchas de liberación y de defensa de la propia independencia nacional justa guerras antiimperialistas y brindando apoyo político y moral a los Movimiento árabes antiimperialistas, en general, al Estado Islámico de Irak y Siria en particular.

Al asumir una tal actitud  solidaria e internacionalista proletaria marxista-leninista-Pensamiento de Mao Tse-tung, conscientes éramos que contra nuestro partido, el Partido Comunista (Marxista-Leninistas) de Panamá, se levantarían escudos y espadas. Y así ha sido: “trotzkystas”, “falsos comunistas”, “agentes de la CIA”, “lacayos del imperialismo yanqui” y por allí hacia abajo. Artículos difamatorios y tergiversadores de nuestra posición, debates recriminatorios y en la que se oculta nuestra real posición, todo con la mira de que superásemos lo incorrecto de la misma. En fin, veladas amenazas de radiación y ruptura de contactos. Todo ello de nada les ha servido ni les servirá. Nosotros, una vez más, hemos levantado la bandera de “marchar a contra corriente”, con la convicción de no temer ser minoría. El auténtico Marxismo-Leninismo se levantará y la verdad revolucionaria resplandecerá.

Compartimos y nos identificamos cabalmente todos y cada uno de los puntos, sobre la actual situación de guerra internacional y respecto de transformar las criminales y recolonizadoras guerras imperialistas en justas guerras populares de liberación nacional antiimperialistas y en condiciones dadas la urgencia de convertirlas en guerras civiles por el socialismo.

Camaradas trabajadores comunistas portugueses, en primer lugar nuestro camarada Arnaldo Matos y todo el Comité Central del PCTP/MRPP, muy agradecidos les quedamos por hacernos llegar su voz de aliento y encorajamiento. Ello es demostración que los auténticos comunistas son como la sangre, acuden prontamente a restañar las heridas.

Sincera y honestamente confiamos y esperamos ampliar, profundizar y oficializar la naciente unidad de clase revolucionaria proletaria, sobre la base del Marxismo-Leninismo y de lucha contra las superpotencias imperialistas, la naciente unidad de combate del Partido Comunista de los Trabajadores Portugueses y del Partido Comunista (Marxista-Leninista) de Panamá.

¡Viva la unidad del Movimiento Comunista Internacional (Marxista-Leninista)!

¡Por la constitución del más amplio Frente Internacional de Lucha contra el Imperialismo!

¡Viva el Partido Comunista de los Trabajadores Portugueses! 

¡Luchar juntos por el desenmascaramiento de los falsos antiimperialistas!

 

Por el Comité Central
del Partido Comunista (Marxista-Leninista)
de Panamá

Almilkar Villarreal
 P.
Por Luminoso Futuro

Quibian Gaytan

 


 

AL Partido Comunista

Marxista-Leninista de Panamá

Estimados compañeros,

Estimado camarada Quibian Gaytan,

Fue para nosotros un gran placer de haber establecido contacto con usted a través de nuestras respectivas páginas en la web.

El Partido Comunista de los Trabajadores Portugueses (PCTP / MRPP) se constituyó en su primer Congreso, celebrado el 26 de diciembre de 1976 y procedía de un movimiento comunista marxista-leninista-maoísta, fundada el 18 de septiembre de 1970. La sigla PCTP / MRPP sintetiza esta ya larga a pie de nuestro partido, que lleva 45 años de lucha.

En la actualidad, la PCTP / MRPP después de la tutela del Comité Central una camarilla de los liquidadores contra el partido, primaria anticomunista y analfabeta y antimarxista, se dedica a la recuperación teórica, ideológica, política y organizativa del partido comunista del proletariado portugués, lanzando al mismo tiempo un estudio del movimiento del marxismo-leninismo y la experiencia de las revoluciones proletarias y una mayor circulación de las luchas de las masas proletarias y otras clases de trabajo.

La camarilla antipartido fue al lado del imperialismo americano y europeo y ahora está apoyando la política reaccionaria del gobierno portugués, consistente en el envío de tropas portuguesas a las antiguas colonias francesas de África central y oriental y Oriente Medio.

La globalización es la guerra imperialista. Todas las guerras son impulsados por hoy globalizáveis y mundializáveis imperialismo. La guerra desatada por el imperialismo norteamericano y sus lacayos europeos en agosto de 1990 en Irak, no sólo no ha terminado todavía, como se extendieron a las ciudades propios capitalistas de América y Europa, hacia el norte, centro y este de África, los Balcanes y Ucrania, Siria, Libia, Yemen y Afganistán, a Asia central.

El proletariado revolucionario y su Partido Comunista deben estar preparados para transformar las guerras imperialistas, cada vez mundializáveis en la guerra civil revolucionaria, con miras a la liquidación del capitalismo y el imperialismo y el establecimiento de la dictadura del proletariado, la sociedad socialista y el comunismo es decir, la sociedad sin clases.

¡Proletarios de todos los países deben unirse para juntos con todos los pueblos y naciones oprimidos del mundo, derrotar a los imperialistas y instaurarem la nueva sociedad sin explotadores ni explotados, sin opresores y sin oprimidos.

Los comunistas marxistas-leninistas de todos los países deben cumplir en Europa, Asia, África o América Latina para discutir y adoptar un programa común de lucha contra el imperialismo y en defensa de la revolución proletaria, respetando la independencia de todos los partidos basados en el marxismo-leninismo y las lecciones aprendidas a partir de múltiples revoluciones proletarias.

Necesitamos una nueva Internacional Comunista, con respeto a la independencia y autonomía de todos los partidos comunistas proletarios, pero con un programa básico con general común.

Estamos a la espera de la opinión de todos los partidos comunistas marxistas-leninistas del mundo. El tiempo es corto. Ya hay países como Francia y Bélgica, donde los aspirantes a los partidos marxistas han abandonado la revolución proletaria mundial y se colocan como la camarilla antipartido expulsado de PCTP / MRPP junto a las guerras imperialistas interpuestos contra los pueblos y naciones oprimidos del mundo.

¡Proletarios de todos los países, uníos!

¡Viva el PCM-L Panamá! ¡Viva el PCTP / MRPP!

 05/17/2016

Arnaldo Matos

En nombre propio y del Comité Central 
del PCTP/MRPP

Pode encontrar esta e outras referências a este ou outros artigos,
clicando aqui


Ler Mais...


 


Ao Partido Comunista 

Marxista-Leninista do Panamá

Caros Camaradas,

Caro Camarada Quibian Gaytan,

Foi para nós um grande prazer termos estabelecido contacto convosco através das nossas respectivas páginas na Web.

O Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP) constituiu-se no seu I Congresso, realizado em 26 de Dezembro de 1976, e proveio de um movimento comunista marxista-leninista-maoista, fundado em 18 de Setembro de 1970. A sigla PCTP/MRPP sintetiza essa já longa caminhada do nosso partido, que leva 45 anos de luta.

No momento presente, o PCTP/MRPP, depois de afastar do comité-central um grupelho liquidacionista antipartido, anticomunista primário e analfabeto anti-marxista, está empenhado na recuperação teórica, ideológica, política e organizativa do partido comunista do proletariado português, lançando em simultâneo um movimento de estudo do marxismo-leninismo e da experiência das revoluções proletárias e um movimento de reforço das lutas de massas do proletariado e de outras camadas trabalhadoras.

O grupelho antipartido passou-se para o lado do imperialismo americano e europeu, estando agora a apoiar a política do governo reaccionário português, consistente no envio de tropas portuguesas para as ex-colónias francesas do centro e leste de África e para o Médio Oriente.

A globalização é a guerra imperialista. Todas as guerras movidas pelo imperialismo são hoje globalizáveis e mundializáveis. A guerra desencadeada pelo imperialismo americano e seus lacaios europeus em Agosto de 1990, no Iraque, não só não terminou ainda, como se estendeu às próprias cidades capitalistas da América e da Europa, ao norte, ao centro e ao leste de África, aos Balcãs e à Ucrânia, à Síria, à Líbia, ao Iémene e ao Afeganistão, até à Ásia Central.

O proletariado revolucionário e o seu partido comunista devem estar preparados para transformar as guerras imperialistas, cada vez mais mundializáveis, em guerras civis revolucionárias, com vista à liquidação do capitalismo e do imperialismo e à instauração da ditadura do proletariado, da sociedade socialista e do comunismo, isto é, da sociedade sem classes.

Os proletários de todos os países devem unir-se para, em conjunto com todos os povos e nações oprimidas do mundo, derrotarem os imperialistas e instaurarem a nova sociedade sem exploradores nem explorados, sem opressores e sem oprimidos.

Os comunistas marxistas-leninistas de todos os países devem encontrar-se, na Europa, na Ásia, na África ou na América Latina para discutirem e aprovarem um programa comum de luta contra o imperialismo e em defesa da revolução proletária, respeitando a independência de todos os partidos, com base no marxismo-leninismo e nas lições extraídas das múltiplas revoluções proletárias.

Impõe-se uma nova Internacional Comunista, com respeito pela independência e autonomia de todos os partidos comunistas proletários, mas com um programa básico com linhas gerais comuns.

Aguardamos a opinião de todos os partidos comunistas marxistas-leninistas do mundo. O tempo urge. Já há países, como a França e a Bélgica, onde pretensos partidos marxistas já abandonaram a revolução proletária mundial e se colocaram, como o grupelho antipartido expulso do PCTP/MRPP, ao lado das guerras imperialistas movidas contra os povos e nações oprimidas do mundo.

Proletários de todos os Países, uni-vos!

Viva o PCM-L do Panamá! Viva o PCTP/MRPP!

17.05.2016

Arnaldo Matos
Em nome próprio e do
Comité Central do PCTP/MRPP

Para encontrarem outras referências ao PCTP/MRPP no blog do Partido Comunista Marxista-Leninista do Panamá,clique aqui

Ler Mais 


Blogue Luminoso Futuro
do Partido Comunista M-L do Panamá
 
Do camarada Quibian Gaytan, responsável pelo blogue Luminoso Futuro do PCML do Panamá, reproduzimos a nota com que nos lembra ter sido publicado naquele blogue, em 20 de Fevereiro de 2016, o estudo do camarada Arnaldo Matos desmascarando os auto- -proclamados marxistas-leninistas-maoistas franceses e belgas.
Com votos de amizade e camaradagem comunista, o director
 
20.05.2016
Rogério
Saludos comunistas,

Tengo a bien informarles que, en entrada del blog Luminoso Futuro del 20 de febrero de 2016, hemos publicado bajo el rubro Partido Comunista de los Trabajadores Portugueses: MENSAJE DEL CAMARADA ARNALDO MATOS AL CAMARADA LÚCIO su desenmascaramiento de los reclamados Marxistas-Leninistas-Maoístas franceses y belgas.
 
 
# Quibian Gaytan 20-05-2016 06:34


Garcia Pereira: o traidor que tentou vender o proletariado por um par de sapatos…

A justa e corajosa denúncia de Sandra sobre a traição de Garcia Pereira em Felgueiras tornou-se incendiária na internete, precisamente o lugar onde o grupelho reaccionário antipartido daquele anticomunista primário desfere os seus ataques contra o PCTP/MRPP e contra a classe operária.

Na realidade, é inconcebível que um dirigente de um partido comunista operário revolucionário aceite deixar-se corromper e humilhar por um patrão à frente de 137 trabalhadores no próprio local de exploração, coisa que os operários ainda hoje não querem acreditar que tivessem visto, mas viram.

É a pura verdade.

A visita de Garcia Pereira à fábrica de calçado Jóia no dia 20 de Maio de 2011 foi gravada pelo Partido num pequeno vídeo de um minuto e trinta e nove segundos, que, depois de censurado da cena de traição e humilhação da aceitação do par de sapatos, foi colocado no YouTube, mas ainda pode ser visto hoje.

Pois se o visionarem, verão:

1.º - que Garcia Pereira, na visita à fábrica, só fala com o patrão da Jóia – Calçado, SA e nunca dirige uma única palavra a nenhum dos 137 operários da fábrica, designadamente à Sandra, ao lado da qual parou e passou sem bom dia nem boa tarde;

2.º - e que o único discurso que faz é fora da fábrica, com destino ao tempo de antena do Partido na campanha eleitoral então em curso, e que passou na televisão.

Se Garcia Pereira tivesse falado com os operários, decerto esse encontro teria sido filmado pois era da máxima importância para a campanha eleitoral de um partido comunista. Não foi filmado, porque o Judas também não falou com ninguém no acto de traição.

Vamos transcrever na íntegra o discurso traidor de Garcia Pereira, que faz o elogio da fábrica que acabou de visitar e deu até a entender que os operários da Jóia – Calçado SA, ganhavam muito bem, quando a esmagadora maioria dos operários ganhava aí o salário mínimo nacional, que na altura era de 485 euros por mês, e o par de sapatos da Jóia – Calçado SA, aceite pelo traidor Garcia Pereira, num acto de humilhação do Partido e de traição ao proletariado, foi vendido nesse ano na feira de Milão por um preço de mercado entre os 3 000 e os 4 000 euros.

Não foi uma pequena oferta aquela que o traidor ocultou; era uma grande e significativa oferta, uma oferta corruptora, suficiente para comprar a traição de um traidor como Garcia Pereira.

Vejam pois o ultra-reaccionário discurso de Garcia Pereira, que nem o secretário--geral da UGT Torres Couto teria lata de o ter feito:

“A razão de ser desta visita do PCTP/MRPP a esta fábrica de calçado visou comprovar aquilo que a nossa candidatura tem sempre afirmado: é que a competitividade das empresas deve ser alcançada através da mecanização, da robotização e da incorporação tecnológica, da qualificação do trabalho, da inovação, e não através do esquema normal e do modelo tradicional dos salário baixos, do trabalho intensivo e pouco qualificado e até da competitividade assente nas irregularidades e ilegalidades. Esse caminho, este segundo caminho, tem sido aquele que conduziu o país à situação de calamidade em que se encontra hoje. E é preciso romper com esse modelo e de facto avançar para um país progressivo, assente no desenvolvimento da economia nacional baseada de facto nesses factores de produtividade e de qualificação do trabalho e da incorporação tecnológica.”

Resumindo, o traidor pagou bem o par de sapatos e a traição, pois:

• não denunciou os salários de miséria praticados na fábrica Jóia – Calçado, SA;

não denunciou o trabalho intensivo exigido pela moderna fábrica aos operários e às operárias;

não denunciou o facto de que a fábrica produzia os mais caros sapatos do mundo, com os salários mais miseráveis da União Europeia;

e não exigiu um aumento do salário para os trabalhadores nem o aumento do salário mínimo nacional, que naquela altura – há cinco anos – o partido reivindicava dever ser de 550 euros por mês.

E o que o traidor disse, com todas as letras, é que o modelo que queria para o país era o modelo de fábrica Jóia, não era o comunismo, não era a sociedade sem classes, sem exploração e sem opressão.  

Clica aqui para ver o vídeo


O que é que o discurso do traidor Garcia Pereira em Felgueiras, tem a ver com classe operária, com um partido comunista e com a revolução proletária?

Nada! Zero!

Sempre que o Luta Popular Online denuncia, com factos concretos e indesmentíveis em apoio, as traições do bando dos quatro Judas que foram corridos do Comité Permanente do Comité Central do PCTP/MRPP, logo aparecem uns lacaios nas redes sociais a pedir que se passe em frente, deixando de lado as questões pessoais que devem ser esquecidas.

O que se passou em Felgueiras não é uma questão pessoal, mas uma traição política ao Partido, ao proletariado e à revolução comunista que jamais será esquecida.

Questões pessoais? Será por exemplo, o facto de o traidor Garcia Pereira ter casado com a filha de um polícia, escondendo esse facto político ao Partido? Para um indivíduo que se apresenta como dirigente de um Partido Comunista, até mesmo o que é pessoal é sempre político e muito importante. Não por acaso, também escondeu de onde provinha a última mulher.

O Director

13.05.2016

Ler Mais...

 


 

Carta a António Teixeira,                         em Felgueiras

O camarada António Gomes Teixeira, de 56 anos de idade, é um operário sapateiro trabalhando ao domicílio, na freguesia de Penacova, concelho de Felgueiras, precisamente na localidade onde está situada a sede da fábrica da Jóia – Calçado SA, a empresa de produção de sapatos visitada pelo traidor Garcia Pereira, em 20 de Maio de 2011, durante a campanha eleitoral para a Assembleia da República e a que se reporta a denúncia da operária Sandra, publicada ontem neste jornal, na última coluna da primeira página, sob o título Garcia Pereira Vende-se por um Par de Sapatos…

Logo que recebemos a denúncia de Sandra sobre a conduta vil e crapulosa de Garcia Pereira, pusemo-nos em campo para confirmar a sua veracidade. E uma das pessoas com quem a confirmámos foi precisamente com o camarada António Gomes Teixeira, que comprovou, linha por linha, a denúncia, incluindo o facto de se ter dirigido ao patrão da fábrica para protestar pela oferta do par de sapatos ao traidor Garcia Pereira, dizendo-lhe, alto e bom som, que não era Garcia Pereira mas os operários quem precisava de sapatos.

Publicámos esta tarde um vídeo da visita, que em nada se opõe, antes confirma, a integridade da denúncia de Sandra, vídeo onde Teixeira aparece à esquerda do traidor Garcia Pereira…

Hoje de manhã, cerca das 06H30, recebemos na redacção um e-mail do camarada António Gomes Teixeira, que a seguir transcrevemos na íntegra:

Caros camaradas

Lamentavelmente tenho lido as noticias inclusive esta última do dia 11.05.2016.

Neste momento acredito que o PCTP/MRPP esteja a passar por dificuldades. O partido precisa é de reconquistar ex-militantes e recrutar novos militantes para as fileiras do partido e dos operários. Não é com politiquices e histórias que não são importantes para o desenvolvimento da luta dos trabalhadores. Enquanto passam o tempo a discutir problemas pessoais de cada um, o tempo passa e os nossos adversários só podem é rir-se e o objetivo a que o partido se propõe e representa pelos trabalhadores continua na gaveta.”

Como se vê, Teixeira não nega a veracidade da denúncia de Sandra, não nega que se tenha oposto publicamente, alto e bom som, contra a aceitação do par de sapatos por Garcia Pereira, nem nega que essa aceitação constituiu um acto de traição ao Partido, ao proletariado e à revolução, bem como uma humilhação para o nosso Partido e para os 137 operários na ocasião a trabalhar na fábrica Jóia – Calçado SA.

O que Teixeira acha é que tudo isto são politiquices e histórias, que não são importantes para o desenvolvimento da luta dos trabalhadores.

Mas é justamente aí que Teixeira se engana redondamente.

O que está presentemente em causa no nosso Partido é uma cerrada luta contra o liquidacionismo, corrente pequeno-burguesa reaccionária, encabeçada por anticomunistas primários e traidores como Garcia Pereira, para construir um partido comunista operário marxista-leninista.

Ora, um tal partido não se pode construir com oportunistas e traidores como Garcia Pereira, mas precisamente contra eles.

Um dirigente político do proletariado não aceita ofertas dos capitalistas, tanto mais quando sabe que são o produto da exploração dos trabalhadores e que o patrão pretende humilha-los com a oferta.

Não é por acaso que ainda hoje – e já passaram cinco anos – os operários de Felgueiras verberam o gesto traidor e cobarde do Garcia Pereira, como muito bem sabe António Teixeira e fez questão de nos alertar.

E não é também uma politiquice secundária o discurso de traição proferido pelo anticomunista primário Garcia Pereira à saída da fábrica… No fundo, Garcia Pereira defende os interesses não do proletariado português, mas do capitalismo e da burguesia compradora nacional: quanto mais intensa for a exploração do operário, mais desenvolvida será a economia do país, pensa ele e di-lo. Mas isso nada tem que ver com a teoria, a ideologia e a política dos comunistas…

Garcia Pereira foi visitar uma fábrica de calçado onde o proletariado é dos mais explorados do mundo, e declarou que era esse sistema de exploração que ele queria ver mais generalizado em todo o país…

Traidores como Garcia Pereira e cúmplices como António Teixeira é que metem os objectivos do proletariado na gaveta.

O Partido tem que limpar-se desses liquidacionistas e lutar pela edificação de um partido comunista proletário.

Teixeira sabe que o grupelho de traidores anticomunistas de Garcia Pereira tem andado, de mão dada com as secretas portuguesas e a soldo do imperialismo francês, a atacar o fundador do Partido, acusando-o injustamente de grande amigo do Daesh, mas ninguém ouviu da parte de Teixeira uma palavra de apoio ao fundador do Partido e de repúdio pelos traidores, o mesmo Teixeira que veio agora defender o traidor Garcia Pereira, minimizando a traição a que ele próprio assistiu com a provocatória oferta do par de sapatos, e a que então firmemente se opôs!

Teixeira, se não se corrige rápida e definitivamente, tornar-se-á no desgosto dos operários de Felgueiras.

O Director

13.05.2016

Ler Mais...

 


 

Atenção, Partido!

Burro é um agente das polícias secretas. Cortar toda e qualquer comunicação com o animal. Está a viver presentemente em Loures. Todas as notícias sobre a besta devem ser imediatamente comunicadas ao secretário da vossa célula.

10.05.2016

V.


Uma vez mais:

O que é o Luta Popular Online?

Agora que os comunistas portugueses estão a obter importantes sucessos na sua luta contra os liquidacionistas, com vista à refundação de um partido marxista revolucionário proletário, aumentou a colaboração dos militantes e simpatizantes do Partido para o Luta Popular Online.

Isso obriga-me a vir aqui uma vez mais explicar aos nossos leitores o que é o Luta Popular Online e qual é o tipo de colaboração que deles esperamos e desde já lhes agradecemos.

O Luta Popular Online é o jornal político de âmbito nacional do Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP). Por enquanto, sai em suporte digital, mas a intenção do Comité Central do Partido é a de editá-lo em suporte de papel, assim que se acharem reunidas as condições políticas, económicas, técnicas e organizativas para tanto.

Isto significa que as posições políticas a que o Partido se vincula e que defende em todo o país, como posições comunistas do proletariado revolucionário, são unicamente as que tiverem vindo a público no Luta Popular Online e constarem de resoluções do Congresso ou dos órgãos dirigentes do Partido.

Ninguém no Partido, nem nenhum militante fora dele, pode defender publicamente posições políticas diferentes das que aparecerem no Luta Popular Online e a partir do momento em que aí apareçam.

Claro está que qualquer militante do Partido pode suscitar na sua célula a discussão da linha política do Partido em qualquer matéria, excepto quanto às que forem aprovadas em Congresso.

Os militantes do Partido observarão os princípios do centralismo democrático, tal como constam dos Estatutos do Partido.

Durante muito tempo, o Partido não dispôs de um órgão político de âmbito nacional, de modo que a camarilha anti-comunista e liquidacionista de Conceição Franco e Garcia Pereira seguiam e impunham aos militantes do Partido a linha política que entendiam, a respeito de cada questão concreta, sem nenhuma discussão ou decisão prévias.

Apesar dos muitos esforços e empenhada dedicação do saudoso camarada Orlando Alves, que durante muitos anos arrostou sozinho com a publicação mensal do Luta Popular em suporte de papel, a camarilha franco-pereirista nunca respeitou as suas orientações políticas, quase sempre justas, ignorando a existência desse jornal político nacional.

Nos últimos cinco anos, período da existência do Luta Popular Online sob a direcção de Paisana, nunca se impôs ao Partido nem a linha política geral, nem as diversas linhas políticas específicas para cada luta ou combate políticos em concreto.

Os liquidacionistas isolaram o Partido das massas operárias e populares e seguiram a linha reaccionária que mais convinha ao capitalismo e ao imperialismo.

Em vez de apoiarem o jornal político nacional do Partido e aplicarem as suas justas políticas ao movimento das massas operárias e populares, os anti-comunistas primários franco-pereiristas tomaram as suas decisões reaccionárias nos blogues e facebuques das chamadas redes sociais, onde ainda hoje pastam como carneiros reaccionários que nunca deixaram de ser.

Notem bem os nossos leitores: para cada luta em concreto e para o movimento comunista operário no seu conjunto, tudo estará especificamente definido no Luta Popular Online. Se quiserem ver as cadelas dos liquidacionistas, e as abundâncias asquerosas das meninas de Odivelas, isso é nas redes sociais da canalha franco-pereirista, não é aqui.

Acontece todavia que, a propósito da luta dos taxistas portugueses contra a multinacional norte-americana Uber, houve dois militantes do Partido, inscritos como tal, que se adiantaram – aliás fora das suas células onde há muito não fazem nenhum trabalho político que se veja – com tomadas de posição políticas que não correspondem às posições políticas oportunamente adoptadas pelo Partido, designadamente através de comunicados.

Esses dois indivíduos foram já afastados do Partido, como liquidacionistas encapotados e sabotadores.

Ficamos pois desde já entendidos: para a linha geral da acção do Partido e para as linhas específicas concretas, tudo vem definido no Luta Popular Online, pois é o jornal político de âmbito nacional do PCTP/MRPP.

A redacção do jornal sobre questões de direcção política, teórica, ideológica ou organizativa não aceita contribuições de camaradas a quem não as haja solicitado e, por conseguinte, não se compromete a publicá-las. Esta atitude não conflitua com o direito que têm todos os militantes de se dirigirem ao Comité Central do Partido e aí levantarem os problemas que acharem dever ser suscitados.

O que a redacção do Luta Popular Online pede e desde já agradece são as correspondências das fábricas, das freguesias, regiões, concelhos, distritos e sectores de actividade, de modo a poder, com base nelas, estar em condições de denunciar tudo o que se passa no país.

Porém, mesmo quanto às correspondências, a redacção reserva-se o direito de lhes dar a forma que melhor entender.

Mas o Luta Popular Online é também o órgão central do Partido, ou seja, é também, e por isso mesmo, o propagandista, agitador e organizador colectivo do PCTP/MRPP, do partido comunista marxista-leninista proletário.

Tem sido difícil, mas podemos congratularmo-nos com o facto: o Partido está de regresso à sua organização celular e aos princípios do centralismo democrático. Estamos a pôr de pé um quartel-general revolucionário do proletariado.

Os militantes e organizações do Partido com publicações nas redes sociais – facebook, twitter, blogue, jornais online, etc. – devem estudar o assunto à luz da última resolução do Partido sobre essa matéria e aplicar sem hesitação as directivas definidas. A orientação é muito precisa: traçar uma clara linha de demarcação entre os interesses do proletariado e os interesses da burguesia no espaço web.

04.05.2016

Arnaldo Matos

Ler Mais...

 


 

No Distrito de Viseu

A Primeira Brigada Alexandrino de Sousa

35 Horas Semanais

7 Horas por Dia

5 Dias por Semana

2 Dias de Descanso Semanal (Sábado e Domingo)

25 Dias Úteis de Férias por Ano

Dirigida pela camarada Helena e composta pela camarada Ester e pelos camaradas Pedro, Manuel e David, e acompanhada pelo secretário do partido no distrito de Viseu, a Primeira Brigada Alexandrino de Sousa, do jornal Luta Popular Online, órgão central do Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP), percorreu, entre a tarde de 25 de Abril e a noite de 27 do mesmo mês, a região de Lafões, divulgando e discutindo com as operárias e os operários de todas as fábricas com mais de cem trabalhadores dos concelhos de São Pedro do Sul, Oliveira de Frades e Vouzela, a Semana das 35 Horas para todos.

A nossa campanha pela Semana das 35 Horas ganhou um entusiasmo electrizante entre centenas e centenas de mulheres e de homens que trabalham na mais ignóbil precariedade, com contratos a termo de 15 dias, trinta dias e seis meses, e ganhando unicamente o salário mínimo nacional que, no distrito de Viseu, é considerado o salário máximo nacional, sem que os sindicatos existentes, sejam da Inter ou da UGT, se ergam para denunciar estas inconcebíveis injustiças.

Na Faurecia, fábrica de assentos de automóveis de Vouzela, o entusiasmo pela Semana das 35 Horas era tão grande que, à saída, uma operária comentava: “já não se fala de outra coisa lá dentro, senão da Semana das 35 Horas”…

A Primeira Brigada Alexandrino de Sousa ficou submersa pelas centenas de operárias e operários que saíam e entravam nos respectivos turnos. Da multidão que entrava e saía da fábrica destacavam-se centenas de operárias que chegavam ou partiam para os concelhos de Castro Daire, Nelas, Santa Comba Dão, Oliveira de Frades ou Vouzela, que em turnos contínuos, desde as seis horas da manhã até às 23H30, com contratos precários vergonhosos e salários de miséria, produzem os assentos para as viaturas Renault, Peugeot e Citroen.

O entusiasmo dos trabalhadores foi contagiante e revigorante para a nossa Brigada que, durante mais de dois dias, 33 horas contínuas e 812 Kms, percorreu toda a região numa vigorosa acção de agitação, propaganda e organização da jornada da Semana das 35 Horas para todos.

Na Campoaves, do grupo Lusiaves, líder na produção do frango do campo em Portugal, situada no Lugar de Vales, em Oliveira de Frades, onde a brutalidade e a violência dos horários impostos está estampada no rosto das operárias e dos operários de uma empresa que se gaba de preservar o bem-estar animal e o ambiente, mas que impõe aos trabalhadores e trabalhadoras horários e ritmos de trabalho extenuantes, que prescreve horas rigorosas de entrada, mas não estipula horas de saída, ficando o trabalhador preso até completar as encomendas do dia, impondo-se-lhe jornadas diárias de oito, nove ou dez horas, com pagamento de horas extraordinárias ao preço das horas normais. Os operários da secção de abates, que iniciam o trabalho às quatro da manhã, só o terminam quando todas as encomendas estiverem satisfeitas. Isso por vezes implica o abate de mais de 30 000 aves por dia, com jornadas de trabalho diário de 12 horas.

Trabalhando há mais de vinte anos na empresa, como acontece com algumas das mulheres, o seu cansaço ao fim do dia é tao grande que só lhes apetece chorar e suspirar pelo dia da magra reforma. Não admira que nos tenham recebido com tanta atenção e afecto.

Na Avicasal, em São Pedro do Sul, empresa também do sector avícola, o entusiasmo das operárias e operários pela Semana das 35 Horas foi tão grande que nos sugeriram virmos organizar um plenário na empresa para discutir o assunto, o que nós evidentemente tentaremos e não será por nós que não se fará…

Na Martifer, de Oliveira de Frades, fábrica onde o PCTP/MRPP é bem conhecido dos operários porquanto denunciámos a morte do operário João Ribeiro, no passado dia 7 de Abril, morte que o patrão tentou ocultar a toda a gente, inclusive ao Ministério Público e à Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), a companha do Partido pelas 35 Horas por Semana para Todos foi muito bem recebida, mostrando os trabalhadores um grande interesse pela organização das formas de luta que deveriam seguir na fábrica.

Alguns operários tentaram que os camaradas da Brigada lhe explicassem como é que o PCTP/MRPP tinha sabido da morte do operário João Ribeiro, que o patrão, sob ameaças inúteis, tentara ocultar às autoridades.

Na zona industrial de Vilarinho, em Oliveira de Frades, os operários da fábrica Pereira & Ladeira, Lda. produtora de tampas de pedra (calcário e granito) para exportação, mostraram um enorme interesse pelo programa reivindicativo do nosso Partido para a Semana das 35 Horas para todos.

Na Portax, fábrica de móveis de cozinha e de roupeiros, assim como na Brintons, indústria de alcatifas do maior fabricante mundial de carpetes, situada no Rebordinho, freguesia de Campia, concelho de Vouzela, os operários discutiram com a Primeira Brigada Alexandrino de Sousa a questão da Semana das 35 Horas para todos, e os métodos de organização e de luta a erguer em cada fábrica, começando pela sua Comissão de Trabalhadores.

Estamos muito gratos pelos ensinamentos que recebemos das operárias e operários das grandes fábricas da região de Lafões.

A nossa luta continuará!

As operárias e os operários vencerão!

Viva a Semana das 35 Horas para todos!

02.05.2016

H/E/P/M/D/A.M.

Ler Mais...

 


O Significado de Uma Provocação
E os Meios Políticos de a Combater

Arnaldo Matos

A sede nacional do Partido na Avenida do Brasil, em Lisboa, foi esta semana atacada, na noite de terça para quarta-feira – 17 para 18 de Abril – com a inscrição a tinta preta, na vidraça principal, da expressão provocatória “Sede do Daesh”.

Tive oportunidade de explicar ao membro do Comité Central com quem imediatamente discuti o assunto, o Dr. Carlos Paisana, que se tratava de uma campanha provocatória conduzida pelo grupelho liquidacionista Franco/Pereira, agora afastado do Partido e já ligado às actividades da Nova Pide, com vista a ilegalizar o Partido dos comunistas, apresentando-o como um partido terrorista ou amigo de terroristas. E logo avisei Paisana que a campanha provocatória iria prosseguir contra a minha pessoa, e que logo na próxima noite, de quarta para quinta-feira, as frases dos provocadores apareceriam a conspurcar os muros na frente da minha porta.

E foi o que precisamente aconteceu, para espanto do único espantado que ainda circula pelo Partido. Na manhã antecipadamente prevista e inutilmente anunciada, os provocadores lá pintaram a preto aquilo que mais do que tudo no mundo gostariam que fosse verdade: “Arnaldo Matos, Grande Amigo do Daesh”.

O objectivo do grupelho provocatório, anti-comunista primário, de Conceição/Garcia, agora mancomunado com a direita neonazi e as novas polícias secretas fascistas, é ilegalizar o Partido, impedir que faça ouvir a sua voz própria revolucionária proletária, prender os seus militantes e acusá-los do crime de terrorismo, inventando-se e propondo-se que, se não são terroristas, são pelo menos amigos de terroristas, pois acham legítimo – imaginem! - que os povos agredidos pelo imperialismo ataquem os imperialistas nos próprios covis em que se acoitam: no interior das suas cidades e capitais, nos boulevards das suas próprias metrópoles.

Defendo – e continuarei a defender – abertamente esta política proletária anti-imperialista enquanto for vivo. A minha ideologia é o internacionalismo: proletários de todos os países, povos e nações oprimidas do mundo, uni-vos!

E a prova que não tenho medo, não me calarei nem ninguém há-de calar a voz da classe operária, está em que, na própria quinta-feira em que baixa e cobardemente me atacaram e atacaram o meu Partido com frases insultuosas, nessa mesma manhã eu me ergui, nos meus setenta e sete anos, para denunciar a política do Costa, do Marcelo, do Jerónimo e da Catarina Martins, que transformaram as chamadas forças armadas numa tropa de mercenários a soldo do imperialismo francês, alemão e americano, enviando-as para a República Centro-Africana, para o Mali, para o Chade, para o Kosovo, para o Iraque e para o Afeganistão oprimir, explorar e matar velhos, mulheres e crianças indefesas, em defesa dos interesses do imperialismo.

Há mais de um ano que venho a dizer alto e bom som: eu não sou Charlie!; o proletariado português não é imperialista, mas internacionalista!

Devemos persistir com firmeza nas nossas justas posições de princípio. Deve o Partido e a classe operária unir-se como uma rocha de granito à volta do marxismo- leninismo e preparar-se para transformar as próximas guerras imperialistas, que já rondam aí às nossas portas, em guerras civis revolucionárias proletárias.

Quanto ao mais – e ninguém se admirará que o saiba citar de cor – lembrem-se sempre de Mao Tsé-Tung: “É bom quando o inimigo nos ataca, e melhor ainda se nos ataca furiosamente e nos pinta com as cores mais sombrias e sem a mais pequena virtude, pois mostra que traçámos uma clara linha de demarcação entre nós e o inimigo e que obtivemos êxito no nosso trabalho político”.

Aconteça o que acontecer, os proletários do mundo vencerão!

23.04.2016

Ler Mais...

 

Na Região de Lafões

De Como se Esconde, Durante Sete Longos Anos,
Um Grave Acidente de Trabalho
Com um Pobre Deficiente Mental…

(Do nosso enviado especial a Lafões) Foi no dia 11 de Março de 2009, passaram-se agora sete anos. Alguém mandou António José Carvalho Henriques, na ocasião com 29 anos de idade, pessoa com notória deficiência psíquica, natural e residente em Mourel de Carvalhais, no concelho de São Pedro do Sul, trabalhar, a sete metros de altura, para o telhado de um armazém da empresa de rações Sojagado, Sociedade de Óleos e Rações SORGAL, S.A., no Parque Industrial de Oliveira de Frades, de onde caiu, sofrendo fracturas em várias costelas e no punho da mão direita, contusões pulmonares e uma embolia gorda após os primeiros dois dias de tratamento no Hospital de São Teotónio, em Viseu, para onde foi transportado numa ambulância dos Bombeiros Voluntários de Oliveira de Frades.

Internado no dia do acidente, o operário António José Carvalho Henriques teve alta do hospital central de Viseu no dia 6 de Maio, 57 dias depois do internamento, sem estar recuperado das lesões e traumatismos sofridos, que ainda hoje persistem, designadamente no punho da mão direita, deficiência física permanente que veio juntar-se às deficiências psíquicas graves de que já padecia.

Ninguém participou o acidente às autoridades competentes: à polícia de segurança pública, à guarda nacional republicana, à Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) ou ao Ministério Público.

Como se tratava de um pobre deficiente mental, que não sabe nem nunca soube ler nem escrever, todos esconderam cobardemente o acidente, todos se calaram até quanto à activação do seguro para a indeminização a que claramente teria direito.

Isto é o chamado Cavaquistão – perdoe-nos o nobre povo de Viseu – no seu melhor: o desprezo pelos pobres, pelos deficientes e pelos trabalhadores sem eira nem beira.

Ora, quem é a canalha que é responsável por tudo isto, sim, porque há obviamente responsáveis, ou não há?

A primeira responsável é a Associação de Solidariedade Social de Lafões (ASSOL), instituição particular de solidariedade social (IPSS), com sede em Oliveira de Frades.

Com efeito, o acidentado e deficiente psíquico António José Carvalho Henriques caíu do telhado do armazém da Sojagado, porque aí trabalhava nos termos de um protocolo celebrado entre a ASSOL e a Serralharia Pedroto, com sede no Parque Industrial de Vilarinho, no concelho de Oliveira de Frades, protocolo que estabelecia o regime de formação profissional a prestar pela ASSOL através daquela empresa e integrado no Programa Operacional Potencial Humano (POPH), suportado por fundos europeus comunitários.

Nos termos do artº segundo dos seus Estatutos, a ASSOL tem como objectivo contribuir para a formação dos deficientes dos concelhos de Oliveira de Frades, Vouzela e São Pedro do Sul, ou seja, da região de Lafões. O cidadão António José Carvalho Henriques, candidatou-se – e obteve – o apoio da ASSOL, mediante a participação no supracitado POPH, tendo passado a receber formação profissional na Serralharia Pedroto.

As responsabilidades pelas lesões sofridas no exercício dessa formação profissional são, antes de tudo e de todos, da ASSOL, a qual decerto não teria contado com o apoio e subsidiação da União Europeia, sem garantia de seguro apropriado.

A ASSOL ocultou a todas as entidades e autoridades nacionais e europeias o acidente gravíssimo de que foi vítima o seu apoiado deficiente Carvalho Henriques e não comunicou à companhia de seguros o sinistro, o que permitiria ao sinistrado uma adequada compensação pelos danos morais e materiais sofridos.

A segunda responsável é a Serralharia Pedroto, já que foi no âmbito do protocolo celebrado entre a ASSOL e aquela empresa, e no exercício de um programa de formação profissional concebido, executado e dirigido por profissionais da Serralharia Pedroto, que o acidente se verificou, bem sabendo a ASSOL e a Serralharia que o programa de formação profissional tinha por destinatários cidadãos portadores de deficiência.

Ora, a Serralharia Pedroto ocultou a todas as autoridades e entidades portuguesas a ocorrência do acidente, não mobilizando imediatamente o seguro obrigatório para reparação das lesões e danos morais e materiais dos seus formandos, entre os quais se encontrava o cidadão deficiente Carvalho Henriques.

Neste caso concreto, haverá também responsabilidades criminais das administrações da ASSOL e da Serralharia Pedroto, pois não há nada que justifique levar um deficiente mental em formação profissional para cima do telhado de um armazém com mais de sete metros de altura, sem previamente reforçar a sua segurança pessoal, nomeadamente com uma linha de vida e um arnês, que evitassem ou o sustivessem em previsíveis quedas.

A terceira responsável pela ocultação do acidente é a Sojagado, da Sociedade de Óleos e Rações, SORGAL, S.A., pois tratando-se de obra a realizar nos telhados de um armazém da empresa, o acidente de trabalho nela ocorrido devia ter sido imediatamente participado às autoridades policiais, à Autoridade para as Condições do Trabalho e ao Ministério Público.

Mas há ainda mais responsáveis: há os Bombeiros Voluntários de Oliveira de Frades, que foram às instalações da Sojagado levantar um trabalhador acidentado e o transportaram ao Hospital de São Teotónio, em Viseu; há o agente da autoridade de serviço nas urgências do hospital central de Viseu e há o director do Hospital de São Teotónio, pois que a este cabe participar ao Ministério Público todas as ocorrências hospitalares que possam ter ligação com factos delituosos, como é necessariamente o caso de um cidadão que chega ao hospital em perigo de vida iminente, e com múltiplos traumatismos e fracturas corporais.

Ora, toda esta gente ocultou um acidente de trabalho gravíssimo, não o comunicando às autoridades competentes, designadamente ao Ministério Público e à Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), a qual, quando por nós anteontem consultada em Viseu, nos declarou não ter tido conhecimento do caso, sem todavia deixar de frisar que, mesmo quando não existisse nenhum contrato de trabalho, era sempre obrigatória a participação do acidente à ACT, porquanto se tratava de acidente grave ocorrido em trabalhos nas instalações da própria empresa, qualquer que ela fosse.

Quando recorreu ao apoio da ASSOL, o cidadão António José Carvalho Henriques sofria de uma deficiência, uma notória deficiência mental; agora sofre de duas deficiências, ambas notórias, a mental e a manual.

Por via das suas deficiências, este cidadão não soube nem pôde promover a defesa dos seus direitos. Por isso não obteve da ASSOL, da Serralharia Pedroto, da Sojagado/SORGAL, S.A., ou do Hospital de São Teotónio, e das respectivas companhias seguradoras as adequadas indeminizações pelos danos e lesões materiais e morais sofridas.

O pobre e duplamente deficiente cidadão António José Carvalho Henriques vive com os pais em Mourel de Carvalhais, uma família muito pobre de que só o pai recebe uma parca pensão.

O Ministério Público em Viseu tem o estrito dever de avocar este caso do cidadão deficiente António José Carvalho Henriques e levar a julgamento os responsáveis pela miséria criada. De passagem, seria bom averiguar também como são gastos os dinheiros da ASSOL, pois neste país há cada vez mais gente que enriquece à custa dos dinheiros públicos e comunitários destinados à solidariedade social…

A Autoridade para as Condições do Trabalho não pode agora mais negar que finalmente tomou conhecimento, através do Luta Popular Online, órgão central do Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP), do gravíssimo acidente de trabalho de que foi vítima um trabalhador deficiente psíquico nas instalações da Sojagado no Parque Industrial de Oliveira de Frades, em 11 de Março de 2009.

O trabalhador sinistrado devia ser adequadamente indemnizado pelas lesões e danos materiais e morais sofridos num acidente, onde os responsáveis estão à vista de todos, apesar de terem conseguido ocultar os seus crimes durante sete longos anos.

Quanto ao Luta Popular Online, pode desde já prometer ao povo da região de Lafões que não se calará até pôr a careca dos responsáveis à mostra e chamar os bois pelos nomes.

Lafões, 22.04.2016

                                                                                          Ler Mais...

 

As provocações ao Camarada Arnaldo Matos e ao PCTP/MRPP

Tendo conhecimento das reles provocações que hoje assumem as novas roupagens do sec.XXI, feitas ao Camarada Arnaldo Matos e ao Partido, não posso deixar de manifestar a mais profunda e veemente indignação.

Estas provocações são  bem a prova de como o inimigo no seu conjunto, imperialistas, capitalistas  e todos os oportunistas e liquidacionistas incluídos, se sente acossado pela justa luta das 35 Horas, a bandeira de vanguarda de toda a classe operária e de todo o povo trabalhador  do nosso país que o nosso Partido decidiu encabeçar oportunamente, orientado pelo seu dirigente Maior, Camarada Arnaldo Matos.

No entanto não é de esquecer que ser atacado pelo inimigo é uma coisa boa!

Inimigo que se sente fortemente  acossado pela denúncia  clarividente e corajosa feita pelo mesmo Camarada sobre a verdadeira natureza terrorista do Imperialismo, a propósito dos legítimos actos de guerra que foram os ataques a Paris, de Novembro passado e demais denúncias  que nunca deixou de fazer, como a  recente participação de militares portugueses  na missão militar da UE.

Os novos provocadores merecem o mais desprezível ódio de toda a classe operária e de todo o povo que seguramente se vão levantar contra estas e demais provocações  que a contra-revolução não deixará de fazer!

Viva a  justa luta de todos os povos do mundo contra o Imperialismo!

Viva a justa luta de todo o proletariado contra a burguesia!

Viva O PCTPP/MRPP!

Viva O Camarada Arnaldo Matos!

21 de Abril de 2016

Júlia

Ler Mais...



As cobras metem de novo a cabeça de fora…

É verdade. Esses vermes rastejantes, peçonhentos e verrinosos, mais uma vez e a coberto do anonimato, perpetraram novo ataque contra o Partido e o camarada Arnaldo Matos.

Essa canalha, que todos nós já conhecemos pelo bando dos quatro, a camarilha dos francos/pereiras e bulhões, a coberto da noite e num ataque traiçoeiro, próprio dos energúmenos que são, atacaram a Sede do Partido e uma parede da cidade de Lisboa, vomitando, e fazendo-se eco dos pasquins burgueses e instrumento das secretas europeias, acusam o Partido de ser a “sede do daesh” e o camarada de “grande amigo do daesh”.

Tal como todos os oportunistas burgueses e reaccionários, estes vermes, perfilam-se, tal qual os ditos marxistas-leninistas-maoistas franceses e belgas, ao lado de todos os imperialistas franceses, alemães e ianques, no ataque aos povos de todo o mundo.

Já há muito tinham enterrado o comunismo e a causa proletária e enterram hoje mais uma vez o internacionalismo proletário. Mas para quem nunca leu Marx não se espera outra coisa desta camarilha anti-Partido.

Entende esta canalha revisionista reaccionária que amedrontam o camarada Arnaldo Matos e desmobilizam o Partido que se perfila em torno da justa linha revolucionária, proletária, comunista e internacionalista.

Já deviam saber que um comunista marxista-leninista como o camarada Arnaldo Matos não se amedronta, pois ao contrário de todos vós, canalhas traidores e cobardes, ele assina por baixo tudo o que escreve. E, também, que o Partido está, mais do que nunca, unido em torno da causa proletária e da revolução.

Quanto a estes vermes rastejantes e peçonhentos, a história tratará de os enterrar no sítio que merecem, junto dos dejectos e com todos os outros traidores e reaccionários.

Mas por agora há que lhes dar uma resposta há altura das suas provocações abjectas e cobardes, fazendo-lhes o que se faz a vermes rastejantes, cobardes e peçonhentos…..

Por mim já vos disse uma vez e repito. Não se lembrem de passar pelo meu bairro  de gente trabalhadora….

Viva o Partido!

Viva o camarada Arnaldo Matos!

Lisboa, 21 de Abril de 2016 

Álvaro

Ler Mais...



Estimado Camarada Arnaldo Matos,

Desde o início da década de 80, e durante 35 anos, eu remeti-me a um estúpido isolamento que me embruteceu e impediu de desenvolver muitos dos ensinamentos que apesar de tudo conservo como sementes em vias de germinação, lançadas na minha mente pelo glorioso MRPP, sob a direcção do comunista Arnaldo Matos!

Eu sei que a limitação das capacidades do meu raciocínio me impede, muitas vezes, de ver mais além e, por isso, sou eu próprio quem lastima não estar a conseguir corresponder às tuas mui justas expectativas em relação a mim e ao meu trabalho!

Quero expressar-te aqui o meu desejo de continuar a aprender contigo a servir a Revolução; e dizer-te, que o teu Partido é o meu Partido!

Nenhuma corja de filhos da puta, sejam eles ignorantes ou reaccionários te vai conseguir aniquilar!

Sob a tua direcção,

Venceremos!

19.04.2016

Bento

Ler Mais...

As Brigadas Alexandrino de Sousa

Espártaco

O Luta Popular Online, órgão central do Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP) acaba de constituir a primeira das suas Brigadas Alexandrino de Sousa cujo objectivo é o de promover a difusão, propaganda e agitação do jornal político nacional do Partido em suporte digital e, mais tarde, em suporte de papel entre a classe operária e as massas populares.

Sobretudo nos últimos cinco anos, travou-se uma luta política de vida e de morte entre a linha comunista revolucionária proletária da fundação do Partido, por um lado, e a linha reaccionária pequeno-burguesa dos liquidacionistas, encabeçada pela dupla conforme Conceição Franco/Garcia Pereira, por outro lado, tentando esta última impedir por todos os meios ao seu alcance a edificação de um jornal político nacional que promovesse a educação teórica e ideológica do proletariado e a condução política de todas as lutas em todo o país pela classe operária organizada no seu partido comunista.

A canalha liquidacionista sabotou quanto pôde a criação e desenvolvimento do órgão central do Partido, fosse publicando nele textos reaccionários como os artigos mafiosos de Pereira sobre a TAP e os escritos de direito administrativo dos advogados do seu escritório, fosse estimulando a utilização de blogues, facebooks e twitters, onde podiam fazer passar toda a casta de ideias reaccionárias contra o proletariado e os pobres de Portugal, embrulhadas nas ternurências babadas das cadelas e dos atributos já espapassadas da eterna menina de Odivelas.

O analfabeto Conceição Franco, que em mais de trinta anos nunca escreveu uma linha em defesa da classe operária, também tinha e tem um facebook onde se carteia com outros analfabetos encartados nas redes sociais.

Ora a liquidação dos liquidacionistas – tarefa ainda em curso – permitiu pôr de pé, no meio de muitas dificuldades que ainda não foram totalmente vencidas, um órgão central do Partido, que, no caso – e insisto neste ponto – assume ainda a forma de um jornal político nacional que se propõe dirigir, em nome do proletariado revolucionário, todas as lutas em curso e, ao mesmo tempo, incentivar o estudo teórico e a formação ideológica da classe operária na senda do comunismo.

Do ponto de vista teórico e ideológico, a luta do proletariado português não se trava apenas à escala nacional, mas antes e sobretudo à escala mundial. O marxismo, que os ideólogos do imperialismo julgavam morto e enterrado com a queda do muro de Berlim, voltou reforçado e exuberante, para guiar os proletários de todos os países à vitória sobre o imperialismo e ao comunismo internacional.

Depois da denúncia dos liquidacionistas, já iniciada mas ainda longe da derrota total que lhes irá ser infligida, o jornal Luta Popular Online, ainda com muitas deficiências, tem obtido assinaláveis sucessos. Falta-nos ainda uma redacção à altura dos acontecimentos, mas que, a pouco e pouco, se está vindo a estruturar.

Temos que dedicar mais tempo ao estudo do marxismo. O marxismo desapareceu, por obra da escumalha liquidacionista, da prática da vida celular do Partido. Isto implica ter que voltar ao princípio, estudar tudo de novo, e ligar todo esse estudo à prática da luta de classes.

Não tenham medo da imensidão da tarefa. Mais cedo ou mais tarde, estaremos novamente na vanguarda da luta de classes.

Nestes seis meses em que escorraçámos o bando dos quatro do comité permanente do comité central do Partido, temos tido dificuldades em constituir uma forte e estável redacção do órgão central do Partido, o Luta Popular Online. Mas estamos a fazer reais e firmes progressos mesmo entre alguns camaradas, sobretudo operários, que só agora começaram a entender a natureza de classe reaccionária burguesa de indivíduos como Conceição Franco e o papagaio Pereira.

Ao mesmo tempo que aprofundamos a luta ideológica e teórica dentro do Partido e entre os operários, lançámos uma campanha nacional pela conquista da Semana das 35 Horas. Lançámos a campanha com a colocação de painéis em todos os distritos e regiões autónomas do País, exigindo as 35 horas semanais para todos os operários e trabalhadores dos sectores público e privado.

Não paramos, sem que o proletariado obtenha nesta luta política a vitória que noutros tempos soube obter com a jornada das 8 horas e com a semana das 40 horas.

Começámos a propaganda e agitação da campanha das

35 Horas Semanais

7 Horas por Dia

5 Dias por Semana

2 Dias de Descanso Semanal (Sábado e Domingo)

25 Dias Úteis de Férias por Ano

para todos os operários e trabalhadores portugueses sem desconto no salário, no distrito de Castelo Branco, passámos ao distrito da Guarda e avançaremos para o distrito de Viseu, três distritos onde Conceição Franco, Garcia Pereira, Leopoldo Mesquita e Domingos Bulhão haviam liquidado totalmente a organização do Partido.

Por uma questão de estratégia, a campanha de propaganda e agitação da semana das 35 horas escolheu visitar Castelo Branco, para mobilizar os operários das fábricas com mais de 100 trabalhadores e trabalhadoras nesse distrito.

Foi aqui que nasceu, na prática, a primeira Brigada Alexandrino de Sousa, ainda então sem esse nome: em três dias e três noites no distrito de Castelo Branco, de Vila Velha de Ródão a Belmonte e de Unhais da Serra a Penamacor, no meio das serras da Estrela, da Gardunha, do Moradal e da Malcata, com neve e temperaturas glaciais, a brigada do Luta Popular Online estava e esteve à entrada de todas as fábricas com mais de cem operários a promover a propaganda, a agitação e organização da luta pela semana das 35 horas.

Com a brigada do Luta Popular participaram camaradas do distrito de Castelo Branco que aliás mostraram ter uma grande ligação aos operários das fábricas, sobretudo o camarada Arsénio, secretário do Partido no distrito.

A mesma brigada, mas refrescada com mais elementos do Luta Popular Online e mais cinco camaradas do distrito da Guarda, percorreu em três noites e dois dias todas as fábricas com mais de cem operários ou operárias deste distrito.

A brigada do Luta Popular Online e os camaradas da Guarda, acompanhados do secretário regional do Maciço Central, camarada Bento, trabalharam nos turnos de dia e nos turnos da noite debaixo de uma chuva diluviana e contínua e nunca desistiram do seu trabalho!...

É por isso que lhes conferi o título de Brigada Alexandrino de Sousa.

Peço aos camaradas que já estejam inscritos no Partido que se ofereçam para fazermos novas brigadas Alexandrino de Sousa, para se poder fazer em todo o país uma poderosa e entusiástica campanha de promoção e organização da luta nacional pela semana das 35 horas.

Os camaradas que se oferecerem para as Brigadas Alexandrino de Sousa devem comparecer na sede do Partido na Avenida do Brasil, serão submetidos a um tempo de ensaio com os camaradas da Primeira Brigada Alexandrino de Sousa, terça-feira regressada da Guarda.

O Partido precisa de vós. E é para uma luta conta os liquidacionistas. O próximo distrito será o de Viseu.

Viva a semana das 35 horas!

Vivam as Brigadas Alexandrino de Sousa!

11.04.2016
 

 

A Semana das 35 Horas

no Distrito da Guarda

7 Horas por Dia

5 Dias por Semana

2 Dias de Descanso Semanal (Sábado e Domingo)

25 Dias Úteis de Férias por Ano

Esta é a nova palavra de ordem que ecoa das gargantas dos operários e trabalhadores da Guarda e Seia, e não tardará outros operários e trabalhadores seguirão o exemplo dos seus camaradas explorados e oprimidos do Maciço Central.

E a campanha nacional encetada pelo PCTP/MRPP, com o objectivo político da unidade e organização da classe operária que é a luta pela Semana das 35 Horas, continua por todo o País.

Desta uma vez uma das brigadas do Luta Popular Online, Jornal e órgão central e ideológico do nosso Partido, nos dias 3, 4 e 5 de Abril, uniu forças com os camaradas da Guarda, Seia e Gouveia e numa campanha vitoriosa encontrou-se com os operários e trabalhadores das várias fábricas e empresas da Região, distribuindo o jornal do nosso partido com o comunicado e chamando os operários à luta pela Semana das 35 Horas.

Fosse à saída da COFICAB – empresa de cabos eléctricos, na Guarda, às 23H30 do primeiro dia, ou com as operárias da SODÉCIA – componentes auto e moto, já madrugada, pelas 06H30 do dia seguinte, ou depois na DURA, às 15h00, também na Guarda, os operários e operárias saudavam os militantes do Partido e participaram em animados debates sobre a Semana das 35 Horas, e o que ela representa para o movimento operário, e a necessidade da luta pela unidade e organização de toda a classe operária por este objectivo político de luta contra a exploração.

No dia seguinte, e noite dentro, a brigada do Luta Popular, presente na fábrica de fiação Têxtil José Luís Tavares, na Guarda, à saída das operárias, já perto da meia-noite, testemunhou o ânimo daquelas mulheres, extenuadas por turnos de laboração que as esgotam e quase derrotam, e de como encontravam forças para saudar os camaradas do Partido, e levantavam a sua voz contra a exploração a que os operários estão sujeitos, em particular contra os turnos, e declararam-se prontas e determinadas em lutar, como o já fizeram muitas outras vezes, desta vez por uma causa mais do que justa, como é a SEMANA DAS 35 HORAS PARA TODOS OS OPERÁRIOS E TRABALHADORES PORTUGUESES DO SECTOR PÚBLICO E DO PRIVADO.

O Partido esteve logo pelas 06H00 do dia seguinte com os operários e trabalhadores da ARA – fábrica de sapatos e, mais tarde, já perto das 07H00, com as operárias da LUSOLÃ, valorosas lutadoras que recordaram a intensa e dura luta travada pela semana das 40 horas, onde também elas participaram e venceram e da sua disposição em abraçarem esta luta pela sua emancipação e contra a exploração de que são alvo diariamente, sujeitas a turnos de 8 e mais horas, que as afastam dos seus lares e das suas famílias logo pelas 06H00 e mesmo antes, para quem se desloca de mais longe, e terminam já noite dentro pelas 23H30.

No final desta acção da Campanha Nacional pela Semana das 35 Horas, começada e dirigida pelo único partido que nunca traiu nem trairá a classe operária, o Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP), junto dos trabalhadores do Contact Center da EDP em Seia, foram muitos aqueles, que recebendo o comunicado do Partido sobre a SEMANA DAS 35 HORAS assentavam com prontidão da justeza desta reivindicação para todos os operários e trabalhadores portugueses, afirmando com clareza que esta é uma luta que todos os trabalhadores, por todo o País e em todas as fábricas e empresas, têm de tomar nas suas mãos, e, dirigidos pelo nosso Partido e pela classe operária, derrotarem todos os traidores e oportunistas que enxameiam as suas organizações de classe.

Como nos dizia esclarecidamente um dos trabalhadores, “não se trata de uma luta económica por um aumentozinho de salário, que não bastas vezes só serve para dividir os trabalhadores, nem uma luta dos privados contra os do público, como muitas vezes os traidores e oportunistas no seio da classe operária e dos trabalhadores acabam por conduzir as lutas, mas de uma LUTA PELA UNIDADE POLÍTICA E PELA ORGANIZAÇÃO DE TODA A CLASSE OPERÁRIA E TODOS OS TRABALHADORES EM TORNO DE UMA BANDEIRA COMUM QUE É A SEMANA DAS 35 HORAS PARA TODOS OS OPERÁRIOS E TRABALHADORES PORTUGUESES!”

VIVA A SEMANA DAS 35 HORAS!

VIVA O SETE, CINCO, TRINTA E CINCO, VINTE E CINCO!

A Brigada do Luta Popular

Ler Mais...

 


 

 

 

Para Todos os Operários e Trabalhadores Portugueses 

A Semana das 35 Horas!

Começaram a ser afixados em todo o país, na passada quinta-feira, dia 24 de Março, os painéis do Partido a assinalar o lançamento nacional da campanha de luta pela Semana das 35 Horas de trabalho para todos os operários e trabalhadores portugueses do sector público e do sector privado.

Pela primeira vez na história da luta de classes em Portugal, todos os trabalhadores – operários, assalariados rurais, funcionários públicos e administrativos, trabalhadores dos serviços, sectores públicos e privados, pescadores – são chamados a mobilizar-se e a organizar-se numa luta política única e conjunta por uma só jornada de trabalho, a semana das 35 horas, igual para todos:

35 Horas Semanais

7 Horas por Dia

5 Dias por Semana

2 Dias de Descanso Semanal (Sábado e Domingo)

25 Dias Úteis de Férias por Ano

tudo sem abaixamento, redução ou desconto nos salários.

O período normal de trabalho não pode exceder sete horas por dia e trinta e cinco horas por semana.

Os limites máximos do período normal de trabalho podem ser reduzidos por instrumentos de regulamentação colectiva de trabalho, não podendo daí resultar diminuição da retribuição dos trabalhadores.

Os operários e demais trabalhadores de todos os sectores públicos e privados têm direito a dois dias de descanso semanal, que devem coincidir com os sábados e domingos. Os dois dias de descanso semanal, aos sábados e domingos, constituem um direito fundamental dos trabalhadores, destinado à recuperação da saúde e da sua força de trabalho, mas também e sobretudo ao desenvolvimento intelectual, cultural e físico dos trabalhadores e à unidade e progresso das suas famílias.

Todos os trabalhadores devem também ter direito a um período de 25 dias úteis de férias anuais.

Na União Europeia, Portugal é o quarto país com mais horas de trabalho por ano, depois da Grécia, da Polónia e da Hungria. Em Portugal, cada português trabalha, em média e por ano, 1958 horas, quando a média, na União Europeia, é de 1669 horas por ano. Ou seja, cada trabalhador português trabalha, em média e por ano, mais 298 horas do que cada um de todos os outros trabalhadores de todos os outros países da União.

Com o período de trabalho reduzido às 35 horas semanais, nossa reivindicação actual, o trabalhador português continuará, mesmo assim, a trabalhar, em média e por ano, mais 63 horas – quase mais duas semanas de 35 horas – do que a média dos trabalhadores da União. E continuaremos a trabalhar, com a semana de 35 horas, mais 305 horas por ano do que um trabalhador alemão.

Os trabalhadores portugueses, com os aumentos introduzidos na jornada de trabalho pelo governo de traição nacional Coelho/Portas, estão reduzidos à situação de escravos da classe burguesa e do sistema capitalista e imperialista da Europa.

A semana das 35 horas de trabalho, porém, contribuirá poderosamente para a redução do desemprego em Portugal e estimulará o progresso e desenvolvimento tecnológico do sistema produtivo português.

O que é todavia mais importante é que a luta pela semana das 35 horas de trabalho é uma luta que contribuirá para a unidade política do proletariado e de todas as classes e camadas de classe trabalhadoras portuguesas.

A luta pelas 35 horas semanais de trabalho irá traçar uma clara linha de demarcação entre o proletariado e as massas trabalhadoras populares, por um lado, e a burguesia capitalista, exploradora e opressora e todos os seus lacaios, por outro.

Servirá para traçar uma clara linha de demarcação entre os verdadeiros revolucionários, de uma banda, e os oportunistas e contra-revolucionários como o PCP, o BE, a UGT e a Intersindical, por outro.

A partir de agora é fácil saber quem está do lado da revolução, do proletariado e dos trabalhadores explorados e oprimidos, e quem está do lado da contra-revolução, da exploração e da opressão: basta perguntar e saber quem está do lado da semana das 35 horas e quem estará contra; quem está do lado do sete, cinco, trinta e cinco, vinte e cinco, e quem estará do lado da jornada de trabalho actualmente em vigor, que chega a atingir 50 horas por semana com o salário mínimo como única retribuição.

Viva a Semana das 35 Horas! Viva o Sete, Cinco, Trinta e Cinco, Vinte e Cinco!

29.03.2016

Luta Popular Online

Ler Mais...




Semana das 35 Horas! 

35 Horas Semanais 

Horas por Dia 

Dias por Semana 

Dias de Descanso Semanal (Sábado e Domingo) 

25 Dias Úteis de Férias por Ano

O horário de trabalho de 35 horas semanais e 7 horas diárias, o descanso semanal de dois dias ao sábado e ao domingo, os 25 dias úteis de férias anuais e as majorações em função da idade e da antiguidade são direitos das trabalhadoras e dos trabalhadores da administração pública do Estado, das Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores e das Autarquias Locais.

Estes direitos, que impunham dois dias de descanso semanal, em regra ao sábado e domingo, foram conquistados e impostos pelas trabalhadoras e pelos trabalhadores da função pública nos seus próprios locais de trabalho, impondo-os pela força, obtida com a unidade de classe contra o governo e os seus órgãos centrais, regionais e locais.

O governo de traição nacional de Passos Coelho com Paulo Portas, em cumprimento das exigências da Tróica e dos credores estrangeiros, por meio de um autêntico golpe-de-estado apadrinhado por Cavaco Silva, tentaram liquidar definitivamente esses direitos, conquistados pelas trabalhadoras e trabalhadores da administração pública, impondo-lhes durante três anos uma semana de quarenta horas de trabalho, com oito horas por dia, e o roubo de três dias de férias, de quatro dias feriados por ano e de um dia de fim de semana.

Trabalhadores e trabalhadoras da administração pública foram roubados, entre aumento da jornada de trabalho não paga e aumentos de impostos, em cerca de 30% dos seus rendimentos efectivos.

     Ler Mais...  


 

Manifesto do Partido Comunista 

Notas de Estudo

XIX

Carta ao Camarada Arnaldo Matos

Caro camarada,

Serve este e-mail para lhe agradecer o seu nobre gesto e a sua grande amabilidade por nos ter enviado e oferecido o livro... desde já o nosso mais sincero obrigado. Já lemos grande parte deste, e deixe-me que lhe diga, que é um livro simplesmente inebriante.

Um bem-haja.
Cumprimentos,
Sónia e Ludovina
(Ilha Terceira, Açores)

__ * __

Resposta do Camarada Arnaldo Matos

“Caras Camaradas Sónia e Ludovina Gomes,

na Ilha Terceira dos Açores

Não seria preciso agradecerem-me o livro que, com muito prazer meu, vos ofereci a semana passada. Se tiverem dificuldade em compreender alguma coisa, façam o favor de mo dizerem, que eu, dentro do possível, tentarei esclarecer-vos.

O Manifesto do Partido Comunista, publicado em Fevereiro de 1848, foi escrito por Carlos Marx e Frederico Engels, dois teóricos alemães da classe operária que fundaram o marxismo e o comunismo científico. O livro explica que desde o aparecimento do Homem na Terra, há cerca de um milhão de anos, as sociedades humanas se organizaram à volta do homem, entendido este como o ser que trabalha e se produz a si mesmo, dominando a natureza com os instrumentos que ele próprio fabrica para o efeito. As relações do homem com a natureza através dos instrumentos que ele próprio fabrica constituem a base material das sociedades humanas, ou seja, o materialismo histórico.

No princípio, muito antes da invenção da escrita, os homens começaram por constituir uma sociedade sem classes, a comunidade rural primitiva. O excedente da produção não consumido imediatamente nessa sociedade foi sendo apropriado pelos que mais produziam ou melhores instrumentos de trabalho possuíam, criando-se assim relações de produção que deram origem à família monogâmica, à propriedade privada, ao Estado e à guerra.

Surgiram assim as classes e as lutas de classes, com exploradores e explorados, opressores e oprimidos, das quais muitas foram entretanto minuciosamente estudadas: a sociedade esclavagista (dos escravos) primitiva, a sociedade antiga grega e romana, a sociedade feudal e a actual sociedade capitalista.

A sociedade capitalista é constituída cada vez mais por duas únicas classes antagónicas: a burguesia capitalista moderna e o proletariado revolucionário moderno, em luta contínua.

Esta sociedade desenvolver-se-á cada vez mais, e há-de chegar a um ponto tal, no seu desenvolvimento, que poderá alimentar, instruir e educar toda a gente, tornando desnecessária a existência de uma classe a explorar e oprimir a classe dos que trabalham e tudo produzem. O proletariado revolucionário, dirigindo todas as massas trabalhadoras exploradas e oprimidas, derrubará então a burguesia capitalista e instaurará, pela força, a ditadura do proletariado e o comunismo.

Chegar-se-á a uma sociedade comunista, sem classes, e também sem exploração e opressão do homem pelo homem, sem Estado, sem polícia, sem exército e sem guerras. Cada homem e cada mulher trabalharão segundo as suas possibilidades e consumirão segundo as suas necessidades. A esta distância, não é possível saber se haverá, depois da sociedade comunista, uma outra sociedade e de que tipo.

Procurei resumir o livro que vos ofereci. Vejam se o meu resumo – que é apenas um roteiro para a leitura – vos parece correcto, mas só depois de lerem o livro, que não é um livro de fácil leitura. É, no entanto, um dos mais notáveis livros escritos até hoje.

Com amizade,

      15.04.2016

 

Sete, Cinco, Trinta e Cinco, Vinte  e Cinco!

Começou a Campanha Nacional da Semana das 35 Horas
E Começou no Distrito de Castelo Branco
 
 

35 Horas Semanais

Horas por Dia

Dias por Semana

Dias de Descanso Semanal (Sábado e Domingo)

25 Dias Úteis de Férias por Ano 

Começou no distrito de Castelo Branco a campanha nacional do Partido pela Semana das 35 Horas. E começou nos dias 22 e 23 de Fevereiro, antecipando a reunião do comité regional do maciço central do Partido, que se realizou na cidade de Castelo Branco, no sábado, 27 de Fevereiro.

Uma brigada do órgão central do Partido – O Luta Popular Online -, composta pelos camaradas Gabriela, Rogério, Simão, Paulo e Arsénio, este secretário do comité distrital de Castelo Branco e membro do comité regional do maciço central, percorreu todo o distrito durante dois dias, noite e dia, numa vasta e intensa acção de agitação e propaganda, divulgando a proclamação do Comité Central do PCTP/MRPP sobre a luta pela Semana das 35 Horas às operárias e aos operários das maiores fábricas do distrito, cada uma delas com mais de cem trabalhadores, e ainda junto dos 1 200 trabalhadores e trabalhadoras do serviço nacional de saúde local.

De Vila Velha de Ródão a Belmonte, passando por Castelo Branco cidade, Fundão, Covilhã, Unhais da Serra, Tortosendo e Minas da Panasqueira, o Partido e a sua brigada foram afectuosamente recebidos por centenas de operários e operárias dos sectores produtivos da celulose, fiação, têxtil, confecções, concentrados de fruta, metalurgia e minas, com os quais debateram a importância, para a unidade da classe operária e do movimento revolucionário no nosso país, da reivindicação política da semana das 35 horas e exigências associadas: 5 dias de trabalho por semana, 7 horas de trabalho por dia, descanso semanal aos sábados e domingos e o retorno dos vinte e cinco dias úteis de férias por ano, e isto para todos os trabalhadores do sector público e do sector privado.

Das 06H00 à meia-noite, à saída e à entrada dos diversos turnos e às horas de almoço, nas celuloses da Celtejo e da Portucel, nas fábricas de fiação, têxteis e confecções da Penteadora, Paulo Oliveira, Tessimax Torre, na Frulact, na Centauro, na J3LP, nas Minas da Panasqueira e na Unidade Local de Saúde de Castelo Branco, os militantes comunistas da brigada do nosso Partido foram calorosamente recebidos e discutiram com os trabalhadores o significado da luta em curso e a sua situação nas respectivas empresas.

Ler Mais...   


 

 

painelinscreve 01

_


Altos Figurões do PS Mamam no Santander
    E o Santander Mama nos Portugueses…


Arnaldo Matos

Todos os leitores estão lembrados da resolução do Banif, em Dezembro passado: como a maior parte dos bancos portugueses, o Banif estava falido desde 2011; recebeu em 2012 um empréstimo do Estado no montante de 1 400 milhões de euros e estava ainda mais falido em fins de 2015; com o apoio disfarçado do PCP de Jerónimo e do Bloco de Catarina, o governo de António Costa aceitou a resolução do Banif, ficando o erário público com as dívidas do banco, e o banco, limpinho limpinho, foi mandado entregar pela Comissão Europeia e pelo Banco Central Europeu ao Santander, o banco espanhol que, depois da Caixa Geral de Depósitos, é já o maior banco a actuar em Portugal.

Ao fechar as suas contas de 2015, o Santander, com o oferecimento do Banif, havia aumentado os seus lucros em mil milhões de euros, e Portugal está agora em vias de ser submetido a um processo por défice excessivo em 2015, pelo qual poderá ter de pagar multas à Comissão Europeia e ao Banco Central Europeu superiores a mil milhões de euros.

Os portugueses, sob o governo de António Costa, ajudado pelo PCP e BE, vão ficar sem um banco – o Banif – e sem três mil milhões de euros, e o Santander ficou com mais um banco português – o primeiro foi o Totta – e arrecadou com a operação um lucro superior a mil milhões de euros.

O Santander mamou e mamou bem nos portugueses; os portugueses vão trabalhar dezenas de anos para engordar o Santander.

O escândalo é tão grande que brada aos céus na Europa inteira, e no mundo dos economistas e das praças financeiras internacionais toda a gente se ri de Portugal e dos palonsos e vende-pátrias que governam o nosso país.

Passados cinco meses sobre o assalto ao Banif, e imediatamente a seguir à distribuição dos chamados lucros do Santander mamados em Portugal, o banco espanhol anuncia que os ex-ministros e altos dirigentes do PS António Vitorino e Campos e Cunha vão entrar para o conselho de administração do Santander Totta, conforme proposta que será votada na assembleia-geral anual do banco.

Dois altos figurões do PS vão ser postos a mamar chorudos capitais no banco espanhol que acaba de mamar um banco aos portugueses, embolsando na operação mais de mil milhões de euros…

Qualquer cidadão digno do nome de português rejeitaria a oferta com que o Santander procura comprar os traidores ditos socialistas.

Mas António Vitorino e Campos e Cunha não são nem socialistas nem portugueses. Eles fazem parte daquele grupo de traidores que estão a vender Portugal por um prato de lentilhas, ou por um par de sapatos, como também acontece…

António Vitorino, Campos e Cunha, Maria Luís Albuquerque, Victor Gaspar e umas centenas de outros mais, todos dos partidos do arco do tacho e do arco da mama, são criminosos que vendem o nosso país e não lhes acontece nada. Comparado com esta canalha, Sócrates é um anjinho. Mas a verdade é que não lhes acontece nada.

Se António Vitorino e Campos e Cunha tivessem o mínimo de vergonha na cara, haveriam rejeitado imediatamente o convite do Santander. É que o convite do Santander é altamente humilhante até para os próprios traidores mamadores, mesmo sem cara e sem vergonha.

Com efeito, a proposta de eleição dos órgãos sociais do Santander para o triénio de 2016/2018, apresentada para votação na assembleia-geral do próximo dia 31 de Maio, na qual proposta estão incluídos os nomes de António Vitorino e Campos e Cunha, está condicionada, como se colhe da leitura da própria proposta, à verificação prévia dos seguintes requisitos:

“1. Não oposição pelo Banco de Portugal às alterações do contrato de sociedade de que foi notificado em 27 de Abril de 2016;

2. A autorização para o exercício de funções dos membros do órgão de administração e fiscalização pelas entidades de supervisão competentes é condição necessária para o exercício das respectivas funções.”

A coisa é simples de entender: o António Vitorino e o Campos e Cunha, figurões do partido que está no poder – governo de António Costa, com o PCP e Bloco de muletas – podem entrar para a leitaria do Santander e poderão mamar à vontade, mas, para tanto, é preciso:

• Que o Banco de Portugal aprove as alterações do contrato de sociedade que o Santander apresentou ao BdP em 27 de Abril de 2016.

• Que as entidades de supervisão competentes autorizem todos os membros das listas dos órgãos sociais, apresentados pelo conselho de administração do Santander à assembleia-geral de 31 de Maio de 2016, a exercer as suas funções de membros dos órgãos dirigentes.

Mamar, sim, podem! Mas devagar… Só mamarão se persuadirem o Banco de Portugal e as entidades de supervisão a aprovar o que o Santander quer… Então podem mamar à vontade!

Onde é que já se viu disto?! Isto não é um país: isto é uma república das bananas. A própria corrupção – e a traição – são negociadas em público! E ninguém vai preso…

Operários portugueses: é preciso correr com esta quadrilha de gatunos.

18.05.2016

 Ler Mais...

João Morais 21-05-2016 01:41

É uma vergonha. E não acontece nada. Algo tem de ser feito! Rua com toda a Canalha usurpadora.

 


CIFIAL:

A ACT de Viseu Protege o Patrão…

(Do nosso correspondente em Santa Comba Dão) A Autoridade local de Viseu para as Condições do Trabalho (ACT) abandonou a sua competência em matéria de fiscalização do cumprimento das normas laborais por parte das entidades patronais da Cifial – Empresa Cerâmica SA., de Santa Comba Dão, deixando os mais de 70 operários da empresa à sua sorte.

Muitos trabalhadores da empresa têm-se deslocado, individual ou colectivamente, à ACT de Viseu, para protestarem contra as ilegalidades cometidas pela administração, tanto nas questões salariais como nas questões de segurança, saúde e higiene no trabalho.

Alguns desses trabalhadores, assim que identificam a empresa onde tal acontece, e se diz que é a Cifial, logo veêm a directora da ACT mudar de opinião e não dar respostas claras ou não tomar qualquer posição.

A verdade, porém, é que são extremamente graves as situações em que vivem e trabalham os operários na Cifial de Santa Comba Dão.

Ao salário mínimo que recebem, é-lhes logo retirado o subsídio de almoço, quer almocem ou não na fábrica, operação que é totalmente proibida desde os tempos do acto colonial em África. Com este roubo praticado à boca do pagamento, o operário leva para casa quatrocentos e poucos euros.

Depois da passagem da brigada do Luta Popular Online, jornal do Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP), pela fábrica, apelando à justa luta de todos os operários portugueses pela jornada das 35 horas semanais – o que aconteceu no passado dia 6 de Maio –, mandou o patronato afixar na fábrica uma informação referente à actualização de categorias e salários, a partir de final do mês de Maio, o que causou uma certa agitação entre os operários, pois alguns deles estão há doze e quinze anos na mesma categoria…

Tudo aponta para que a administração se prepara para chamar os operários um a um, tentando impor a cada um deles uma espécie de contrato individual com salários de miséria. Entretanto, deixou logo de haver horas extras.

Nós, operários, devemos escolher a nossa Comissão de Trabalhadores para representar todos os operários da fábrica nesta luta, onde a família Ludgero Marques e o Fundo Português de Recuperação de Empresas tentarão uma vez mais ludibriar os 70 trabalhadores da Cifial.

A nossa nova Comissão de Trabalhadores deve exigir da Autoridade local de Viseu para as Condições do Trabalho que obrigue os seus agentes a deslocarem-se a Santa Comba Dão para verificarem as condições de insegurança, trabalho e higiene dos operários, sujeitos a poeiras, ruídos ilegais, calor intenso, deslocação de pesos excessivos e repetitividade da actividade com consequências sérias para a saúde.

É preciso distribuir imediatamente equipamentos de protecção individual, como auriculares para protecção auditiva, luvas, óculos/viseiras, botas de biqueira de aço que evitem as consequências da queda de uma caixa de sanita ou de bidé, e mesmo as máscaras descartáveis, que devem ser substituídas com regularidade e não utilizadas por quatro e mais dias sucessivos.

Há dezenas e dezenas de operários a trabalhar sem a formação devida, assim como há dezenas e dezenas de operários que estão colocados em sectores para os quais não receberam a formação adequada. Há operários contratados como aprendizes de ajudante de oleiro, quando essa categoria de profissional, abaixo de aprendiz, não existe e é apenas uma maneira da família Ludgero Marques roubar dinheiro aos trabalhadores.

Sem a formação devida, há operários que utilizam empilhadores e até a telescópica (também um empilhador), sujeitando-se a acidentes de trabalho gravíssimos e mesmo mortais.

As instalações da fábrica são deficientes e têm falta de limpeza, visto que a limpeza é feita apenas por três funcionários da fábrica, que recebem unicamente duas horas extras, pagas como ajudas de custo…

As reparações dos balneários, desentupimentos de fossas e colocação de chapas nas vigas, são feitas pelos operários da fábrica, que não têm nenhuma formação para o efeito.

O telhado está em risco permanente de queda.

As instalações sanitárias têm falta de limpeza e devem ser totalmente substituídas. Os Polibans estão partidos e não escoam convenientemente as águas, de tal modo que muitos operários só tomam banho quando chegam às suas próprias casas.

Ora, a Autoridade para as Condições do Trabalho de Viseu está a par destas queixas dos operários, mas nunca fez nada para impor à família Ludgero Marques e ao Fundo Português de Recuperação de Empresas as alterações urgentes destas indevidas, perigosas e insalubres condições de trabalho.

Operários da Cifial de Santa Comba Dão, uni-vos! Nós, em Vosso nome, vamos exigir à ACT de Viseu que inspecione imediatamente a vossa fábrica e obrigue os patrões a tomar as medidas e a acatar o respeito que se impõe relativamente aos direitos dos trabalhadores.

Qualquer acidente que possa ocorrer na vossa fábrica é da responsabilidade exclusiva da família Ludgero Marques, do Fundo Português para a Recuperação de Empresas e da ACT de Viseu, que aliás agora, depois da publicação desta denúncia, não poderão mais dizer que não estavam alertados para os perigos e ilegalidades da família Ludgero.

Viva a semana das 35 horas:

35 Horas Semanais

7 Horas por Dia

5 Dias por Semana

2 Dias de Descanso Semanal (Sábado e Domingo)

25 Dias Úteis de Férias por Ano

Viva a unidade dos operários da Cifial!

Santa Comba Dão 19.05.2016

Ler Mais...


 

CIFIAL, em Santa Comba Dão:

Não há Respeito pela Dignidade dos Operários

 (Do nosso correspondente em Santa Comba Dão) Criado no início do século passado, o grupo Cifial tem dois polos industriais, um em Santa Maria da Feira, onde produz torneiras e acessórios de casa- de- banho, ferragens, fechaduras e controlo de acessos; e outro em Santa Comba Dão, no distrito de Viseu, onde produz louça cerâmica sanitária.

A Cifial, antiga propriedade de Ludgero Marques –  ex-presidente da Associação Empresarial de Portugal (AEP), é presentemente detida (na sua maior percentagem...) pelo maior Fundo português de recuperação de empresas, gerido pela ECS Capital – uma Sociedade gestora de fundos de capital de risco.

Pois bem, é em Santa Comba Dão, onde perto de uma centena de operárias e operários vendem a sua força de trabalho em condições de miserável degradação que a revolta está instalada!...

Revolta contra as promessas nunca cumpridas pelo director geral de produção, Engenheiro António Ramos, em particular no que respeita à progressão nas categorias profissionais e respectiva actualização de ordenados;

Revolta contra as aldrabices nos pagamentos das horas extras;

Revolta contra a falta de protecção e segurança no trabalho (seja as luvas de protecção às mãos, que não há, as máscaras descartáveis a ter que durar para uma semana, ou o calçado com biqueira de aço para protecção que não existe);

Revolta pela falta de condições de higiene adequadas (charcos provocados por urinóis degradados);

Revolta pelo risco permanente do tecto da fábrica, remendado com placas de lusalite, um dia poder desabar em cima da cabeça dos operários;

Revolta enfim, por ver usurpados pelos traficantes de Fundos os frutos de tanto trabalho esforçado e mal pago!

E, perante esta situação, o que é que tem feito a “Comissão de Chefes” dita Comissão de Trabalhadores? Tem colaborado com a Direcção da fábrica, contra os trabalhadores!... Por isso deve ser demitida e, no seu lugar, deve ser eleita uma nova comissão que represente e defenda verdadeiramente os interesses de todos os trabalhadores!

E, perante as queixas apresentadas, o que é que tem feito a Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT)? Tem colaborado com o Fundo de Recuperação de Empresas, ignorando as queixas dos trabalhadores, permitindo assim que tanta irregularidade ponha em risco a saúde e a própria vida de dezenas de trabalhadores!...

Operários da Cifial!

A justeza da vossa revolta, não pode continuar a ser ignorada, nem calada pelas influências corruptas dos grandes senhores gestores dos Fundos sem fundo e seus colaboradores!

O PCTP/MRPP, exige que seja ordenada uma investigação séria, pela Autoridade para as Condições no Trabalho, e que sejam verificadas as condições de higiene e segurança de forma que seja posto fim ao rol de irregularidades nesta empresa!

Viva a Classe Operária!

16.05.2016

Ler Mais...


POEMAS DE ALÉM-TEJO

3    

Grávida, grávida a terra,

Orgia de sementes, sonhos

Espalhados ao vento;

Uma espera de sóis e luas

Contada pelos dedos

Ao despertar da terra adormecida.

Sonhos verdes,

Rebentos de esperança

Que quem semeia

Sempre alcança. 

 ALONSO JÓNATAS

20.05.2016

Ler Mais...

 


 RESOLUÇÃO DO COMITÉ CENTRAL
SOBRE A LUTA CONTRA O IMPERIALISMO

Considerando os recentes ataques cobardemente levados a cabo pelos liquidacionistas da clique de Garcia Pereira/Conceição Franco, mancomunados com as secretas, contra o Partido e o seu fundador nos passados dias 18 e 19 de Abril;

Considerando que esses ataques se inserem numa campanha que visa calar a voz revolucionária proletária do Partido em defesa da luta dos povos agredidos pelo imperialismo e o seu direito a combater os agressores onde quer que eles se acoitem;

Considerando o profundo e firme repúdio que aquele provocatório ataque mereceu por parte dos operários e trabalhadores e de todos os que dele tiveram conhecimento;

O Comité Central, reunido no dia 24 de Abril de 2016, decidiu:

  1. Editar uma brochura com todos os artigos da autoria do camarada Arnaldo Matos sobre os ataques de Paris e a denúncia da posição dos marxistas-leninistas-maoistas franceses e belgas, bem como sobre as recentes decisões do Conselho Superior de Defesa Nacional de envio de tropas para a República Centro-Africana e o Mali:
  2. Promover um sério e amplo estudo destes documentos pelo Partido;
  3. Divulgar e debater amplamente a referida brochura junto dos operários e trabalhadores e mobilizá-los para a adopção da politica defendida pelo Partido, exigindo o regresso imediato de todas as tropas portuguesas colocadas ao serviço do imperialismo;
  4. Chamar a atenção para o facto de que cabe à classe operária transformar as guerras imperialistas em guerras de libertação.

Lisboa, 24 de Abril de 2016

Aprovada por unanimidade

Ler Mais...


Os Marxistas-Leninistas-Maoistas

da França e da Bélgica

E os Ataques dos Jiadistas Franceses

e Belgas a Paris


De Arnaldo Matos

Para o Camarada Lúcio

Quatro dias depois dos ataques dos jiadistas franceses a Paris, o Partido Comunista de França (marxista-leninista-maoista) e o Centro Marxista-Leninista-Maoista da Bélgica publicaram uma Declaração Conjunta sobre aqueles acontecimentos, declaração que não pode deixar de merecer dos comunistas portugueses o mais vivo e profundo repúdio.

Voltamos a este assunto por duas ordens de razões: primeira, porque a declaração conjunta de 17 de Novembro de 2015 dos marxistas-leninistas-maoistas franceses e belgas os coloca totalmente fora do movimento operário comunista internacional e faz deles um bando de lacaios do imperialismo, em particular do imperialismo americano e francês; e, depois, porque Paris é a segunda maior cidade portuguesa, digamos assim, considerando a vasta emigração de trabalhadores portugueses desde os anos sessenta do século passado e as três gerações de luso-descendentes com dupla nacionalidade, existentes actualmente em França. Os ataques dos jiadistas franceses a Paris na sexta-feira, 13 de Novembro de 2015, acabaram por matar três emigrantes portugueses, e colocaram alguns antigos comunistas marxistas-leninistas da emigração lusa do lado do imperialismo francês e da sua política terrorista em África e no Oriente Médio.

Ler mais...

COMENTÁRIOS 

 # Quibian Gaytan 20-05-2016 06:34

Saludos comunistas,
Tengo a bien informarles que, en entrada del blog Luminoso Futuro del 20 de febrero de 2016, hemos publicado bajo el rubro Partido Comunista de los Trabajadores Portugueses: MENSAJE DEL CAMARADA ARNALDO MATOS AL CAMARADA LÚCIO su desenmascaramie nto de los reclamados Marxistas-Leninistas-Maoístas franceses y belgas. De seguido el enlace: https://drive.google.com/file/d/0Bwo68T7ecF55NzhsRTRCaU9jYkk/view?usp=sharing

 


A Terceira Mentira

No programa de governo que apresentou na Assembleia da República no passado dia 27 de Novembro e que está presentemente em vigor, António Costa comprometeu-se a regressar à semana das 35 horas para os funcionários públicos.

Essa promessa manteve-se no acordo de incidência parlamentar celebrado entre o partido dito socialista por um lado, e o partido dito comunista, o bloco dito de esquerda e o partido dito ecológico, por outro.

O diploma do regresso às 35 horas de trabalho semanal para a função pública foi aprovado na generalidade no dia 15 de Janeiro último.

Na véspera – dia 14.01.2016 – escrevi neste jornal um artigo intitulado A semana das 35 horas, no qual chamava a tenção dos meus dilectos leitores para a realidade:essa semana de 35 horas, pela mão de António Costa, nunca mais voltaria. E disse, nomeadamente: “Com efeito, proclamar que está disposto a voltar das 40 horas semanais de Passos Coelho às 35 horas semanais anterioressem custos para a administração pública é o mesmo que pretender obter a quadratura do círculo.

Ler Mais..                                                                                                                                                                                                                                                                                         05.02.2016

 


 A Segunda Mentira

E as mentiras continuam...

No programa político de governo do PS aprovado no parlamento e nos acordos celebrados com as suas muletas PCP, BE e PEV, constava expressa e inequivocamente a seguinte promessa, que já vinha aliás do tempo do PS de Seguro: redução do IVA da restauração para os 13%.

Pois bem, menos de dois meses depois da promessa, Costa decidiu agora, no orçamento para 2016, aplicar essa medida apenas à alimentação, excluindo dos produtos fornecidos pela restauração precisamente as bebidas mais caras e os sumos normalmente consumidos pelas crianças.

Mais uma mentira, a que outras se seguirão...

Sobre o assunto, cabe referir que, sem prejuízo desta redução do IVA se tratar de uma medida dirigida à classe média, ela teve contudo alegadamente como fundamento o combate ao desemprego neste sector.

Ora, se é esse o seu objectivo, deveria então a concessão desse benefício ficar dependente da prova pelos patrões de que contrataram mais trabalhadores, aspecto com que as muletas ditas de esquerda pouco se incomodam.

                                                                                                                                            Paulo

 


Apoiemos a Justa Luta dos Taxistas Portugueses!

Convocada pela Associação Nacional dos Transportes Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL) e pela Federação Portuguesa de Táxis (FPT), começou hoje, sexta-feira, dia 29 de Abril, às 08H00, no Campo da Justiça, em Lisboa, a manifestação com marcha lenta dos taxistas portugueses contra a multinacional norte-americana Uber, com sede na Califórnia, e contra a inacção, a incompetência e a inépcia do governo de António Costa e sobretudo do seu reaccionário ministro do ambiente, João Pedro Matos Fernandes, que tutela o sector dos transportes por táxi e se tem revelado totalmente incapaz de resolver os problemas criados por aquela multinacional.

A manifestação dos taxistas foi também marcada para o Porto, com saída do Castelo do Queijo, e para Faro, com saída do Estádio do Algarve.

Segundo estimativas dos organizadores da grande jornada de luta – a ANTRAL e a FPT –, em Lisboa desfilaram quatro mil táxis, no Porto dois mil e em Faro quinhentos, envolvendo directamente mais de dez mil trabalhadores e pequenos proprietários de táxis em todo o país.

O que é que está em causa?

Está em causa a Uber, a ilegalidade dos seus serviços, a subsistência do serviço nacional de transporte rodoviário por táxi, a sobrevivência de mais de vinte mil famílias de taxistas e de pequenos proprietários de táxis e um governo de lacaios do imperialismo que envergonha os portugueses que vivem do seu trabalho.

O que é a Uber?

A Uber é uma empresa que nasceu em 2009, nos Estados Unidos, inicialmente como um serviço de táxis de luxo e, com o andar dos tempos, como uma empresa de serviço de táxis simples.

A Uber não é uma transportadora, mas uma plataforma informática aplicável a telemóveis, que une motoristas independentes. Por um clique na aplicação informática ligada ao telemóvel, o utilizador chama o carro e obtém dele uma estimativa do preço do serviço desejado e da demora da viagem, que paga por catão de crédito ligado à aplicação informática e de que recebe a factura por e-mail.

Este serviço é actualmente ilegal, pois não leva em conta as exigências do transporte rodoviário de automóveis ligeiros por táxi, tal como o governo o pretende.

Não há garantia de seguros para os acidentes com o pessoal transportado, não há controlo sobre a saúde e a aptidão física dos condutores, não há preparação adequada do condutor para o desempenho da tarefa específica da condução por táxi na área licenciada, não há fiscalização do automóvel nos períodos mais curtos exigidos para a fiscalização dos táxis, não há tarifas estabelecidas, pelo que os preços sobem exorbitantemente em caso de greves dos outros meios de transporte, em certos período da noite ou do dia, em caso de acidentes urbanos, em horas de ponta ou de espectáculos culturais e desportivos. Os carros da Uber não pagam nem os impostos, nem as taxas nem as actualizações a que estão sujeitos os táxis, os seus donos e os seus trabalhadores.

Como a plataforma Uber em Portugal tem sede na Holanda, os lucros dos proprietários dos carros em causa não são pagos em Portugal, e os da empresa Uber também não.

Servo dos imperialistas, o governo de António Costa, como aliás o governo anterior de traição nacional Coelho/Portas, ficou atacado de paralisia física e mental perante o assalto da Uber e não se revela capaz de nenhuma medida política que salvaguarde o serviço público do transporte rodoviário em automóveis ligeiros, isto é, por táxi.

No ano passado, o Tribunal de Lisboa aceitou a providência cautelar interposta pela ANTRAL e determinou a imediata proibição da actividade da Uber em Portugal e o encerramento da sua página web. Mas, violando as decisões dos tribunais portugueses, a Uber continua a aparecer no território nacional, acumulando lucros fabulosos e arruinando o serviço público de táxis e os seus trabalhadores.

O povo português deve apoiar firmemente a luta dos taxistas nacionais e exigir do governo de António Costa que resolva imediatamente o problema criado pela multinacional norte-americana.

Fora com a Uber! Modernizemos a tecnologia, a limpeza, a segurança e a comodidade do serviço nacional de táxis! Criemos uma plataforma informática para os táxis portugueses!

Os taxistas portugueses vencerão!

29.04.2016

Arnaldo Matos

Ler Mais...



Ó Minha Pátria Amada, Onde Nós Chegámos!...

Arnaldo Matos

O grito patriótico desesperado é do Pacheco Pereira, a encimar o texto das suas duas páginas semanais na revista Sábado, do grupo Cofina.

Saído da garganta do descendente de um dos assassinos de Inês de Castro, creio que ninguém poderá pôr em dúvida nem a seriedade do seu patriotismo nem as lágrimas do seu desespero.

O ponto aonde nós chegámos – Ó pátria amada! – é aquele em que estamos hoje: sem independência, sem soberania e sem liberdade, sem que a Europa alemã nos respeite sequer o direito de elaborar e aprovar o nosso orçamento de Estado, a possibilidade de aumentar meio por cento, uma unha negra, no nosso défice, ou seja, a mera intenção de reduzir 0,5% no plano ditatorial de Schäuble ou de Merkl para a nossa austeridade.

Mas pior que tudo isso – Ó pátria amada! – é que chegámos ao dia em que à direita não sobra um único patriota, pois toda a elite dirigente se vendeu à Alemanha em troco de chorudos pratos de lentilhas, e os patriotas já só se lobrigam à esquerda.

Um homem como Pacheco Pereira deveria sentir-se avisado, desde os tempos em que frequentou a esquerda marxista-leninista, de que a União Europeia – os Estados Unidos da Europa, como Lenine dizia – ou seria impossível ou reaccionária. Agora já vê que a Europa alemã é ultra-reaccionária e que as elites dirigentes portuguesas traíram o país e venderam-no.

Ler Mais...

04.02.2016

 


NAUFRÁGIO DO OLÍVIA RIBAU
chefe do estado-maior da armada apresenta queixa crime contra o camarada arnaldo matos

UM ALMIRANTE COBARDE

Logo após o naufrágio do arrastão Olívia Ribau, ocorrido em 6 de Outubro de 2015 no porto da Figueira da Foz, o Luta Popular Online publicou sucessivamente, ao longo de um mês, seis artigos da autoria do camarada Arnaldo Matos sobre aquele trágico naufrágio, em que morreram cinco pescadores por criminosa falta de socorro.

Nesses artigos, o camarada Arnaldo Matos descreveu de forma clara, rigorosa e fundamentada, de alguém que revela conhecer profundamente o mar, a pesca e os pescadores, as condições em que se deu o naufrágio e a actuação das diversas entidades, e, em consequência disso, foi o único a denunciar, apontar e acusar os verdadeiros responsáveis pelas mortes dos pescadores: o então ministro da defesa do governo de traição nacional Aguiar Branco, o Chefe de Estado-Maior da Armada, Almirante Fragoso, e os titulares da Autoridade Marítima Nacional na capitania do porto da Figueira da Foz.

Num desses artigos, depois de demonstrar de forma incontornável a responsabilidade da Marinha e do seu chefe de estado-maior, não apenas pelo não encerramento da barra naquele dia, como pela falta de socorro que causaram a morte dos pescadores à porta de casa, o camarada Arnaldo Matos desafiou o actual Chefe de Estado-Maior da Armada, Almirante Luís Manuel Fourneaux Macieira Fragoso, a mostrar ter o gabarito moral do almirante Melo Gomes, patenteado por ocasião do naufrágio da motora Luz do Sameiro, e peça desculpas ao país pela incúria de que foram vítimas os cinco pescadores mortos no naufrágio do arrastão Olívia Ribau e a declarar-se pronto a que a Autoridade Marítima Nacional pague às famílias dos pescadores mortos por abandono as indemnizações que lhes são devidas.

Ora, em lugar de o fazer, mostrando ter perfil e carácter para o posto que detém, o Almirante Fragoso foi ao ministério público apresentar uma queixa-crime contra o camarada Arnaldo Matos e contra o director do jornal, por difamação ao queixoso e ofensa à Marinha (!!). A Marinha rir-se-á deste Almirante sem norte.

E o ministério público, que ainda não mexeu uma palha para acusar os responsáveis pelas mortes dos cinco pescadores, correu logo a dar seguimento à queixa de um almirante cobarde, deduzindo acusação contra o camarada Arnaldo Matos e o director do Luta Popular.

Para além de estarmos perante um almirante que, à boa maneira dos fascistas, se dá mal com a liberdade de expressão e de opinião, o certo é que, passados mais de seis meses sobre o naufrágio, o mesmo almirante, a marinha e a Autoridade Marítima Nacional estiveram-se nas tintas para a situação para que foram atiradas as famílias dos pescadores mortos por falta de socorro, e só se preocuparam em pedir a prisão de quem justamente denunciou a sua conduta criminosa.

Mas esta cobardia moral decorre da atitude inadmissível e repugnante que o Almirante queixoso assumira já no comunicado provocatório da Autoridade Marítima Nacional publicado três dias depois do naufrágio, em que – tal como foi desmascarado no Luta Popular Online - sem a mínima averiguação, acusava miseravelmente os pescadores mortos de serem os responsáveis pelas suas próprias mortes, por não envergarem os coletes (que não tinham que envergar) por não pearem o material (acusação absolutamente falsa) e por operarem temerariamente (falsidade absoluta, pois aguardaram mais de meia hora para entrar a barra e a barra estava aberta).

Apesar de se ter mostrado mais do que evidente – ainda mais do que sucedera com as mortes no naufrágio da motoraLuz do Sameiro,frente a Pataias, em que o chefe de estado-maior da Armada, almirante Melo Gomes, veio assumir a responsabilidade da Marinha pela falta criminosa de socorro – que a morte dos cinco pescadores da Olívia Ribau se deveu à negligência, abandono e incúria grosseira da Marinha e da Autoridade Marítima Nacional, o chefe de estado-maior da Armada almirante Fragoso não só não teve a hombridade de aceitar a responsabilidade da Marinha – desprestigiando deste modo este ramo das forças armadas -, como tenta cobardemente e em vão silenciar quem se colocou do lado dos pescadores mortos e das suas famílias e denunciou os responsáveis pelas mortes, não respondendo – porque sabe não poder fazê-lo – às justas acusações que lhe foram feitas no Luta Popular Online.

Acusações e denúncias que foram, aliás, logo feitas três dias depois do naufrágio no artigo do camarada Arnaldo Matoscom o títuloNaufrágio do Arrastão Olívia Ribau - Cinco Pescadores Mortos à Porta de Casa, por Criminosa Falta de Socorro… : “apesar das desculpas e autocríticas do antigo chefe de estado-maior da Armada, a Marinha voltou a cometer o segundo crime de abandono de náufragos, não prestando nenhum socorro aos sete pescadores do arrastão Olívia Ribau, com a matrícula A-3288-C da praça de Aveiro, que naufragou à entrada da barra da Figueira da Foz, pelas 19H10, de terça-feira, 6 de Outubro”.

Importa ainda referir que esta reacção cobarde e fascista do Almirante Fragoso de tentar silenciar o camarada Arnaldo Matos e o Luta Popular Online é ainda uma manifestação de desespero perante o enorme apoio que as denúncias dos artigos em causa obtiveram junto dos pescadores e suas famílias de Gala, Costa de Lavos, Leirosa, Buarcos, como também de Caxinas, elas próprias vítimas frequentes em naufrágios por falta de socorro mas, simultaneamente, alvo da sanha persecutória da polícia marítima.

Desiluda-se senhor almirante sem perfil! Não só não conseguirá calar nem intimidar o camarada Arnaldo Matos e o Luta Popular, como terá sempre contra si as famílias dos pescadores do Olívia Ribau, por cuja morte o chefe de estado-maior da armada foi um dos responsáveis, e de todos os pescadores que, para sobreviver, se vêem obrigados a enfrentar o mar e arriscar a vida nestas condições.

23.04.2016

Carlos Paisana

Ler Mais...


A Semana das 35 Horas

 

  Arnaldo Matos

A semana das trinta e cinco horas de trabalho (sete horas de trabalho por dia, cinco dias de trabalho por semana, com o fim-de-semana livre) representou e representa uma das mais importantes conquistas políticas dos trabalhadores portugueses da função pública.

A luta dos trabalhadores da administração central, regional e local pela semana das trinta e cinco horas começou em 1976, logo depois de que um poderoso movimento proletário revolucionário, seguindo uma palavra-de-ordem do Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP) – aplicação imediata da semana das 40 horas! – impôs ao patronato, ao governo provisório e ao MFA (Movimento das Forças Armadas), pela força e em todas as fábricas, oficinas e empresas do país, a semana das 40 horas.

A luta dos trabalhadores da função pública, aproveitando-se do apoio do movimento operário, acabou por forçar o governo a aceitar a semana das trinta e cinco horas em 1988, através da promulgação do Decreto-Lei nº 187/88, de 17 de Março.

A derrota histórica imposta pelos trabalhadores da função pública ao Estado, em todas as suas vertentes (central, regional e local), ficou sempre atravessada na garganta da classe dominante. Lambendo as botas da Tróica, o governo de traição nacional Coelho/Portas, com o apoio de Cavaco, forçou os funcionários públicos a trabalhar quarenta horas por semana, a partir do dia 28 de Setembro de 2013. Foi de imediato; foi de chofre; nem houve tempo para respirar.

Ainda assim, alguns poucos serviços do Estado e um grande número de autarquias locais, aceitando as firmes reivindicações dos seus trabalhadores, mantiveram até hoje a semana das trinta e cinco horas. Em alguns lugares, os trabalhadores da função pública derrotaram a política reaccionária do governo Coelho/Portas.

Ler mais...      


 

A Primeira Mentira

No editorial que o leitor ainda poderá ler nesta página, publicado na passada sexta-feira, dia 4 de Dezembro, com o título A Classe Operária e o Novo Governo, eu escrevi e garanti-vos, sob a forma de pergunta e resposta, o seguinte:

  A sobretaxa do IRS vai ser eliminada?
Resposta : Não; nos próximos quatro anos, não totalmente!
 

Ora, o programa político do PS, apresentado na Assembleia da República no dia 27 de Novembro e aprovado no dia 3 de Dezembro, estipulava a redução da sobretaxa de IRS para 1,75% em 2016, e a eliminação em 2017.

As muletas do PS – o partido dito comunista e o bloco dito de esquerda – exigiam a eliminação imediata da sobretaxa na sua totalidade, já no orçamento de 2016.

No meu editorial, garanti aos leitores do Luta Popular que a sobretaxa do IRS não seria eliminada, e que não seria totalmente eliminada nem sequer nos próximos quatro anos.

Não foi preciso esperar muito tempo para se ficar a saber que António Costa é um aldrabão mentiroso, igual a Passos Coelho e a Paulo Portas. Com efeito, numa entrevista que concedeu ao jornal de Belmiro de Azevedo no passado domingo, apenas três dias depois de o seu programa de governo ter passado no parlamento, Costa torna clara a mentira:

Nós, infelizmente, não temos condições financeiras para eliminar integralmente a sobretaxa

Agora esperem um pouco para ver como vão as muletas engolir a primeira mentira.

Eu não vos tinha dito que isto é tudo um putedo?!

Arnaldo Matos


_ O MACIÇO CENTRAL É VERMELHO!

O Comité Regional do Maciço Central, defendendo intransigentemente a linha vermelha do Partido Comunista Operário, saúda o esforço vigoroso com que o camarada Arnaldo Matos ergue, nas suas próprias mãos, a tocha ardente da Revolução!... E, àqueles que preconizando uma segunda via para a edificação do Partido, respondemos com as palavras de Lenine (in Que Fazer? de 1901/1902):

- «Pequeno grupo compacto, seguimos por uma via escarpada e difícil, segurando-nos fortemente pelas mãos. Estamos rodeados de inimigos por todos os lados e temos de andar quase constantemente debaixo do seu fogo. Unimo-nos em virtude de uma decisão livremente tomada, precisamente para lutar contra os inimigos e não cair no pântano vizinho, cujos habitantes, desde o início, nos censuram por termos escolhido o caminho da luta e não o da reconciliação. E eis que alguns dos nossos gritam: «Vamos para o pântano!» E quando procuramos envergonhá-los replicam: «Como sois pessoas atrasadas! Não tendes vergonha de nos negar a liberdade de vos convidar para um caminho melhor?» Oh! Sim, senhores, sois livres não só para nos convidar, mas também para ir para onde melhor vos parecer, até para o pântano; até pensamos que o vosso verdadeiro lugar é mesmo o pântano e estamos prontos, na medida das nossas forças, a ajudar-vos a transportar para lá as vossas casas. Mas então largai-nos a mão, não vos agarreis a nós e não mancheis a grande palavra liberdade, porque nós somos «livres» para ir para onde melhor nos parecer, livres para combater tanto o pântano como aqueles que para lá se dirigem!»

 Morte aos traidores!

 Viva o Partido Comunista Operário!

 

O Comité Regional do Maciço Central

 


 

De Como os Liquidacionistas Sabotaram

o Jornal Político do Partido

 Espártaco

 Disputadas num clima de bancarrota financeira e de intervenção da Tróica na vida política interna portuguesa, as eleições legislativas de 5 de Junho de 2011 saldaram-se por uma clamorosa derrota do partido socialista, então sob a direcção de José Sócrates, e das forças democráticas em geral, e por uma vitória esmagadora da coligação da direita com a extrema direita, que levou ao poder o governo de traição nacional Coelho/Portas e a respectiva política de austeridade terrorista.

 Para o comité central do nosso Partido, o PCTP/MRPP tinha obtido uma importante vitória eleitoral, apesar de não ter alcançado nenhum dos seus objectivos políticos, nomeadamente parlamentares… A direcção bicéfala de Conceição Franco e Garcia Pereira, que presidia aos destinos do Partido, não tinha a mínima ideia da política contra-revolucionária que iria desabar sobre a classe operária e o povo trabalhador português depois daquelas eleições, e mostrou-se totalmente incapaz e incompetente para orientar o Partido e enfrentar o inimigo.

 Ler mais...

 

 

Comunicado nº 5

 O Comité Central do Partido reunido hoje em Lisboa cooptou o camarada Bento, secretário do Comité Regional do Maciço Central, para membro do Comité Central e efectuou o balanço da luta entre as duas linhas, adoptando novas medidas para escorraçar o liquidacionismo do Partido.

A preparação do Congresso do Partido foi estudada em pormenor e adoptadas as medidas necessárias para cumprir as respectivas tarefas.

Todas as decisões foram tomadas por unanimidade.

 Lisboa, 30 de janeiro de 2016

 Bento

 


 

Viva o Partido Comunista Operário Revolucionário!Ler mais...

 


 

O CASO BANIF 

 Um Parlamento de Gatas 
E Um Governo a Quatro Patas

 Arnaldo Matos

Verdade seja dita: a situação de falência total e criminosa em que se encontrava o Banco Internacional do Funchal (Banif) no dia em que o XXI governo constitucional tomou posse, a 26 de Novembro último, é da responsabilidade exclusiva de um grupo de reaccionários, incompetentes e traidores, há muito conhecido e já amplamente denunciado: Pedro Passos Coelho e Paulo Portas, chefes do governo de traição nacional PSD/CDS, Carlos Costa, governador do Banco de Portugal, escolhido por Sócrates e reconduzido pelo governo que se lhe seguiu, Maria Luís Albuquerque, ex-ministra das finanças desse mesmo governo, e Aníbal Cavaco Silva, ainda presidente da República e que deu completa cobertura ao crime, como já para todos os efeitos a havia dado – falta saber em que grau, mas isso está toda a gente à espera de ver o ministério público cuidar do assunto com aquele zelo persecutório que dedicou à operação Marquês – no caso do Banco Português de Negócios (BPN), um banco de cavaquistas cuja falência fraudulenta, ainda não submetida a julgamento, custou ao povo português uma quantia superior a seis mil milhões de euros, e no caso do Banco Espirito Santo (BES) cujo prejuízo para o erário público ninguém se atreve por enquanto a calcular.
Ler mais...

 


Movimento Grevista

TRABALHADORES DA SOARES DA COSTA EM LUTA

Contra os despedimentos e os salários em atraso!

Os patrões da Soares da Costa, para além de terem salários por pagar (aos operários de Angola, são já três meses de salário em atraso), decidiram agora despedir de uma vez 500 operários, lançando outras tantas famílias na miséria.Ler mais...

__

Actualidade

Mário Centeno:
Um Ignorante no Ministério das Finanças

 Arnaldo Matos

Em Dezembro passado, o primeiro-ministro António Costa e o ministro das finanças Mário Centeno vangloriaram-se, durante a discussão parlamentar do orçamento rectificativo para 2015 imposto pelas despesas públicas provenientes da aplicação do princípio de resolução bancária ao caso do Banif, de terem escolhido a melhor solução possível para o caso, garantindo que o aumento do défice orçamental e da dívida pública não impediriam a saída de Portugal do procedimento por défice excessivo…

Em 30 de Dezembro, logo no dia seguinte à prestação daquelas declarações incompetentes e conscientemente mentirosas de Costa e Centeno, desmascarei aqui neste mesmo jornal aqueles dois aldrabões, num artigo intitulado: O Caso Banif: Um Parlamento de Gatas e um Governo a Quatro Patas.

Opondo-me às aldrabices de Costa e Centeno, escrevi nomeadamente: “o povo trabalhador português acaba de ser roubado em 2,2 mil milhões de euros e o défice orçamental subiu para 4,5%, entrando no procedimento por défice excessivo, o que pode trazer de volta a Tróica e, em qualquer caso, trará sempre de volta a conhecida e odiada política do terrorismo austeritário.

Centeno esteve ontem em Bruxelas, em reunião com os ministros das finanças da zona euro, e, à saída da reunião, foi obrigado a confessar aos jornalistas o seguinte: “Infelizmente a situação que se pôs com o Banif e com a necessidade de intervenção no Banif colocam dificuldades na saída do país do procedimento por défice excessivo.”

Infelizmente, queixa-se o aldrabão do Centeno… Ora, desde 2013, as regras orçamentais da União Europeia deixaram muito claro que é preciso um défice orçamental abaixo de 3% para a saída de um país do PDE (procedimento por défice excessivo).

Ler mais...

 


 

MAIS CRIMES NAS URGÊNCIAS DOS HOSPITAIS PÚBLICOS

De que é que o Ministério Público Espera para Prender Paulo Macedo?

David Duarte, um jovem de 29 de anos de idade, foi mais uma vítima do ex-ministro da saúde do defunto governo de traição nacional Coelho/Portas, o criminoso e sinistro contabilista da Opus Dei Paulo Macedo.

Ler mais...

---

A Guerra do Patronato ao Aumento do Salário Mínimo

Arnaldo Matos

O salário mínimo nacional é uma conquista do movimento operário português logo nos primeiros dias posteriores ao 25 de Abril de 1974, e foi imposto através da primeira greve dos trabalhadores contra o patronato e o governo provisório, onde pontificava o traidor Barreirinhas Cunhal.

Foi o nosso Partido – então ainda com o nome MRPP – quem conduziu essa luta e impôs, contra o partido revisionista e social-fascista de Barreirinhas Cunhal e contra todo o patronato fascista a quantia de 3 300 escudos por mês.

A luta da classe operária e dos funcionários públicos e administrativos foi tão intensa que o salário mínimo nacional mensal de três mil e trezentos escudos acabou por ser legalizado por um decreto do governo Palma Carlos de 27 de Maio de 1974.

Se o montante daquele salário for convertido em euros com base no índice de preços no consumidor em 2014, o salário mínimo nacional deveria ser da quantia de 533,26 euros no dia 1 de Janeiro do ano passado.

Isto significa que os trabalhadores portugueses têm estado a ser roubados pelo patronato e pelos sucessivos governos durante quarenta e um anos, pois o salário mínimo nacional actual, no montante de 505 euros mensais, é inferior ao salário mínimo nacional, conquistado em 27 de Maio de 1974, em 28,26 euros por mês.

É uma boa maneira de medir o roubo salarial do patronato e do governo com relação aos operários e trabalhadores mais pobres. Como diria Guterres, façam as contas e verão a colossal fortuna roubada pelo patronato, ajudado pelos governos do arco do poder, aos operários e trabalhadores pobres, multiplicando aqueles 28,26 euros por 14 meses ao ano e por 40 anos.

Pois os bandidos dos patrões e seus representantes desencadearam, com o apoio escandaloso de toda a imprensa, uma guerra histérica contra a proposta do governo de António Costa para aumentar, em vinte e cinco euros por mês, o salário mínimo nacional.

Ler mais...

A Luta Contra o Liquidacionismo

 

O Liquidacionismo
é o Abandono da Teoria da Revolução

 

Espártaco

Os operários portugueses mais antigos, assim como os mais velhos militantes e simpatizantes do nosso Partido, sabem que o Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP) dedicou, desde os tempos da clandestinidade e da sua fundação em 18 de Setembro de 1970, um empenho e cuidado extremos na divulgação e no estudo do marxismo-leninismo, da teoria revolucionária do proletariado, dentro do Partido, mas também no seio do movimento operário e da juventude revolucionária.

Ler mais...


A Morte dum Camarada

 

 Arnaldo Matos

Em menos de um mês, morreram-nos dois camaradas, militantes do Partido, no Algarve: no dia 20 de Janeiro, o camarada Dâmaso, em Vila Real de Santo António, e no dia 15 de Fevereiro, o camarada Feijão, em Tavira.

O camarada Dâmaso foi operário da indústria conserveira e o camarada Feijão foi contra-mestre da marinha mercante, duas actividades económicas nacionais da máxima importância, liquidadas pelos governos de um energúmero que chegou a presidente da república e ainda de lá não saiu.

Os camaradas Dâmaso e Feijão foram militantes do Partido durante quarenta e um anos, desde o 25 de Abril de 1974 até morrerem, e qualquer deles se destacou como intrépido combatente e dirigente esclarecido do movimento comunista operário nos seus sectores de trabalho e de luta: o primeiro, nas greves das operárias e operários conserveiros, e o segundo nas lutas, incluindo greves nacionais duríssimas, dos trabalhadores e trabalhadoras da marinha de comércio.

Morreram ambos de doenças graves e prolongadas, o camarada Dâmaso sempre a trabalhar, até ao último momento, à frente de uma pequena empresa tecnologicamente inovadora no domínio das conservas, sobretudo do atum, empresa que ele próprio concebera e fundara, e o camarada Feijão, também sempre activo até ser internado no hospital onde nos deixou para sempre, em Portimão.

Ler Mais...

        17.02.2016       


 

VIVA A COMUNA!

Hoje, dia 18 de Março, completam-se 145 anos sobre o heróico levantamento dos operários de Paris contra a tentativa de roubo das suas armas de artilharia que, após a capitulação, mantiveram na sua posse por terem sido por eles fabricadas e pagas por subscrição pública durante o cerco da cidade pelas tropas prussianas.

No dia 28 de Janeiro de 1871, a cidade de Paris, cercada pelas tropas prussianas e vencida pela fome, capitulara. Mas essa capitulação revestiu-se de características pouco habituais na história das guerras. As fortificações renderam-se, as muralhas foram desarmadas, as armas das tropas de linha e da guarda móvel foram entregues e os seus homens foram considerados prisioneiros de guerra. Mas a Guarda Nacional limitou-se a assinar um armistício com os vencedores, conservando as suas armas e os seus canhões.

Nestas circunstâncias, Thiers, o novo chefe do Governo francês, cedo percebeu que o domínio das classes possuidoras por ele representadas estaria sempre ameaçado enquanto os operários de Paris tivessem as armas nas suas mãos. E foi por isso que, no dia 18 de Março (de 1871), Thiers resolveu enviar as suas tropas de linha com ordem expressa para roubarem as armas de artilharia na posse da Guarda Nacional. Esse plano provocatório, contudo, acabou por fracassar em toda a linha porque Paris, alertada a tempo, mobilizou-se e resistiu como um só homem, declarando guerra total às tropas do Governo instalado em Versalhes.

Com efeito, ao amanhecer daquele dia 18 de Março de 1871, Paris despertou entre um clamor de gritos de «Viva a Comuna!»

E, ao mesmo tempo, o Comité Central, no seu manifesto desse mesmo dia, proclamava: «Os proletários de Paris, perante os fracassos e traições das classes dominantes, deram-se conta de que chegou a hora de salvar a situação tomando em suas mãos a direcção dos assuntos públicos. Chegaram à conclusão de que é seu imperioso dever e seu direito indiscutível tornarem-se donos dos seus próprios destinos, tomando o poder».

Desde aquele heróico levantamento até que as metralhadoras das tropas versalhesas acabassem por esmagar a sua bravura, os operários parisienses foram, de facto, donos dos seus próprios destinos, rasgando caminho, a um ritmo aliás vertiginoso, através de decisões revolucionárias que atestam bem a sua bravura e a natureza de classe do primeiro poder proletário da História.

Eleita pelos operários revoltosos logo no dia 26 de Março, a Comuna de Paris foi proclamada no dia 28 do mesmo mês. Neste mesmo dia, o Comité Central da Guarda Nacional, que até então havia desempenhado as funções de governo, demitiu-se a favor da Comuna. No dia 30, a Comuna aboliu o recrutamento militar e o exército permanente, e declarou a Guarda Nacional como única força armada na qual deveriam alistar-se todos os cidadãos capazes de empunhar as armas. Declarou indevidas as rendas de habitação relativas aos meses de Outubro de 1870 até Abril de 1871 e suspendeu a venda de objectos empenhados. No mesmo dia 30, foram confirmados nos seus cargos os estrangeiros eleitos para a Comuna, uma vez que «a bandeira da Comuna é a bandeira da República mundial». Em 1 de Abril, foi deliberado que o salário máximo de qualquer funcionário ou membro da Comuna não poderia exceder 6.000 francos. No dia seguinte, a Comuna decretou a separação da Igreja e do Estado e a anulação, no orçamento do Estado, de todas as dotações para fins religiosos

Muitas mais foram as medidas adoptadas pela Comuna e muitas foram também as lições que deixou e perduram ainda hoje.

A primeira e mais importante dessas lições, na senda aliás do que já vinha sendo ensinado por Karl Marx desde quando escreveu o «18 do Brumário» (1852), é que “a revolução e a tomada do poder deverá consistir não em fazer passar a máquina burocrática militar para outras mãos, como acontecera até então, mas antes em destruí-la, sendo esta a primeira condição de qualquer revolução verdadeiramente popular”.

No lugar daquela máquina burocrática, o proletariado deve edificar o seu próprio Estado, assente no princípio da livre eleição e livre revogabilidade dos seus membros e funcionários, nenhum deles devendo ganhar mais do que o salário médio de um operário.

Pela negativa, a Comuna ensinou também que, sem a direcção de um partido comunista operário que aplique a teoria marxista-leninista em estreita ligação com as amplas massas do povo, não será possível levar por diante a revolução vitoriosa.

Marx e Engels atribuíram tão grande importância às lições transmitidas pela Comuna de Paris que entenderam dever introduzi-las como essenciais no Manifesto do Partido Comunista.

Marx que, em Setembro de 1870, chegou a qualificar a insurreição como uma loucura, quando testemunhou, em Abril de 1871, aquele imparável movimento das massas operárias, encarou-o com toda a atenção que devem merecer os grandes acontecimentos que traduzem um progresso do movimento revolucionário na história mundial, e não deixou de louvar, com entusiasmo, a destreza, a iniciativa histórica e a capacidade de sacrifício daqueles bravos Parisienses, garantindo que a história nunca tinha visto um tão grande exemplo!

A presença das tropas prussianas às portas de Paris e a ajuda que prestaram aos “canalhas burgueses de Versalhes” explicam, segundo Marx, o trágico desfecho do combate da Comuna.

Sabiam-no os bravos Parisienses muito bem, tal como o sabiam os canalhas burgueses de Versalhes.

Mas, postos perante a alternativa de aceitar a provocação versalhesa para o combate ou sucumbir sem combater, os parisienses escolheram o combate!

Graças ao combate travado pelos parisienses, a luta da classe operária contra a classe capitalista e o Estado capitalista entrou numa nova fase, como, desde então, a história se encarregou de demonstrar.

A classe operária e os povos e nações oprimidas do mundo alcançaram um novo ponto de partida, de uma importância histórica universal.

VIVA A COMUNA! VIVA A CLASSE OPERÁRIA!

Ler Mais...


 

Está em... Home