Partido

A crítica, a autocrítica e o comportamento de uma clique

Para que serve a crítica, a autocrítica e a vigilância dentro de um Partido Comunista?
Todos acham que sabem responder e dirão: para reforçar o Partido, para unir os contrários, para travar a luta política.
No entanto, há uma distância muito grande entre criticar com esse objectivo e fazer críticas, sem princípios, pessoalizando e transformando as discussões em contendas para confundir, dividir e impedir que o Partido se reorganize, como é próprio de cisionistas e fraccionistas.
Os Estatutos do Partido definem que “Pode ser membro do Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses todo o operário, assalariado rural, camponês pobre, soldado, marinheiro ou qualquer outro revolucionário português, maior de 18 anos, que aceite o Programa e os Estatutos do Partido, milite activamente numa das suas organizações, aplique as resoluções do Partido, observe a sua disciplina e pague a quota estabelecida
Quem não aceita os estatutos do Partido, quem deixou deliberadamente de pagar quota, pretendendo sufocar economicamente o Partido, quem vai contra a política e os princípios de organização do Partido tem o direito de fazer críticas? Tem mesmo o estatuto de militante? Está seriamente empenhado em lutar pelo Partido e em aplicar o marxismo?
Querer fazer crer que os gravíssimos problemas ideológicos e políticos que se vive no Partido se resolvem com colectivos de militantes e simpatizantes, em detrimento dos princípios de organização definidos nos estatutos e nos documentos fundamentais do Partido, pretendendo abastardar as palavras do Camarada Arnaldo Matos, fazendo crer que ele defendia debates anárquicos e de papagaios, é querer confundir tudo! É destruir o Partido! É impedir o avançar na luta, é entregar a direcção da luta aos partidos oportunistas e revisionistas. É a linha que quer impedir a todo o custo a realização do Congresso.
Tal como o Crespo e quejandos, também a clique que desertou do Comité Central declarou que tinha todo o Partido com ela, pensando que ao abandonar o órgão lava, como pilatos, as mãos de toda a responsabilidade que teve enquanto membros do Comité Central e, então, vão tentar lançar a confusão através de facebooks, twitts e criação de grupos e grupelhos, querendo apresentar-se sempre como exemplares e dilectos seguidores do camarada, mas procedendo contra tudo o que ele sempre defendeu no que respeita à utilização dos redes sociais, por exemplo, tal como está presente em muitos dos seus textos.
O Partido tem uma experiência de 50 anos de luta, tem princípios, é uma organização não é um bando anarca de amigalhaços!
Todos os que verdadeiramente acreditam no Partido têm de lutar pela sua unidade e organização. As divergências devem servir para reforçar, não para o desorganizar na sua estrutura e princípios de organização proletária marxista-leninista, transformando-o num partido virtual, organizado no terreno das redes sociais dos face books aos twiters, considerando que já vivem em plena liberdade democrática e que já não se justifica um partido comunista proletário marxista-leninista.
Tal como o Camarada não se cansava de referir  “No interior de um partido comunista existem classes, pontos de vista de classe, contradições de classe e luta de classes. Essas contradições constituem aliás o motor do desenvolvimento do próprio partido.
A crítica e a autocrítica são o método adequado para superar essas contradições.”
Negar a organização, sabotar reuniões introduzindo extemporaneamente questões que impedem a concretização da ordem de trabalhos, e depois, querer trazer as discussões para as redes sociais e através de mails, criando grupos e grupinhos, fugindo à crítica directa e à autocrítica é uma atitude cobarde e de contornos obscuros, não merecedora de qualquer resposta. Não são estes os procedimentos e os métodos de trabalho que caracterizam os comunistas.
Aproximam-se momentos de grandes convulsões sociais e económicas, com um aumento inaudito da exploração e do desemprego, potenciando as condições objectivas da revolução. O Partido tem de estar preparado para acompanhar e conduzir esse movimento.

02Abr2020
ML
pctpmrpp
Partilhar
Está em... Home PARTIDO Liquidar o Liquidacionismo A crítica, a autocrítica e o comportamento de uma clique