CORRESPONDÊNCIAS

Alentejo - Seca nos campos, deserto no governo

Alentejo

Seca nos Campos, Deserto no Governo

O apelo de desespero do presidente do Agrupamento de Produtores Pecuários do Campo Branco (APPCB), em Castro Verde, é revelador que a 'sabedoria' do ex-ministro Capoulas Santos não ficou gravada no ministério da agricultura de modo a servir os produtores de pecuária do Baixo Alentejo. Se a situação é insustentável é porque os animais não se encontram nas melhores condições fisiológicas e os produtores nas melhores condições económicas. Nisto o ministério da Agricultura não está isento de responsabilidades, seja por falta de apoios materiais seja pela falta de técnicos no terreno.

Recordemos as declarações do ex-ministro: "muito tem sido feito para combater a seca" e "programa nacional de barragens que eu tive a honra de lançar em 2017".

Às pastagens falta-lhes irrigação adequada e conveniente arborização. Obras importantes de hidráulica não foram feitas e na impossibilidade destas se fazerem por causa do tipo de terrenos, os agricultores/produtores têm que ter meios logísticos adequados. Os agricultores/produtores devem ter nas suas instalações capacidade para produzir as suas próprias rações para animais, capacidade de armazenamento para não dependerem de terceiros originando aumentos das despesas. Os agricultores/produtores devem receber apoios para que de uma forma natural, enriqueçam com minerais os solos das pastagens e das parcelas de terrenos destinadas à produção de rações.

Se os factores de produção aumentaram dando o exemplo do gás natural que está envolvido em mais de 50% na produção de energia eléctrica isto deve-se a uma alegada "união europeia" que em vez de negociar a paz para fazer cair os preços da energia negoceia a guerra.

Muitas barragens e pequenas reservas de água começaram a ser construídas nos anos 90 do século passado no Alentejo.

O que se assiste desde 2017 é que os terrenos no Baixo Alentejo que deveriam estar neste momento a ser utilizados para a cultura do milho, da beterraba (que tanto o gado bovino gosta), do trigo, do sorgo, da fava, da ervilha e da batata comum, estão a ser utilizados para olival intensivo.

É hora de uma vez por todas de pôr um travão na expansão do olival intensivo porque não é só o gado bovino, caprino e ovino e animais de capoeira que precisa de mais alimentos disponíveis a preços acessíveis, as pessoas também!

A herança de Capoulas Santos e o trabalho dos dois deputados eleitos pelo PS no passado “não se nota” no Campo Branco, muito pelo contrário.

Sobre deputados eleitos pelo PS, não é expectável que pessoas habituadas a estarem sentadas em gabinetes como ex-autarcas 'carreiristas' da política tenham a capacidade de dar a volta a este problema crónico e, já agora, nem o primeiro-ministro, porque por estes tempos diz que está às ordens da NATO e anda a utilizar os meios e equipamentos de defesa do Estado para fazer doações, enriquecendo o seu currículo e assim conseguir uma autopromoção no estrangeiro para quando deixar o governo ter um tacho, ou, no seu caso, uma cataplana à sua espera.

As associações de produtores de gado também precisam de algumas doações para socorrer os associados ou contribuir para o bem-estar animal, seja essa doação uma enfardadeira, um tractor com carregador frontal ou depósitos de água porque nem todos os agricultores têm as mesmas posses.

31Mai2022

CP, correspondente no Alentejo

pctpmrpp

Partilhar
Está em... Home Correspondências Alentejo - Seca nos campos, deserto no governo