CampanhaFundos202206

IBAN PT50003502020003702663054   NIB 003502020003702663054

19 de Maio de 2024

Nota à Imprensa

PCTP/MRPP informa a sua posição sobre o Serviço Militar Obrigatório no momento presente

Lisboa, 29/04/2024

O Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP) considera, e sempre considerou, que a defesa do país compete a todos os cidadãos e não a um grupo de mercenários mesmo que este se designe por Forças Armadas Portuguesas pelo que propugna a prestação, por todos os cidadãos, de Serviço Militar durante um dado período de tempo a definir que lhes permita aprender as perícias militares para, em caso de ataque ao nosso país ou o seu bem-estar se torne impossível, se mobilizem rapidamente para, consoante o caso, repelir esse ataque ou instaurar o bem-estar popular.

Sobre o mesmo tema, o PCTP/MRPP reafirma hoje o que o camarada Arnaldo Matos referia já em 2016:

As Forças Armadas, de portuguesas, só têm o nome. As Forças Armadas ditas portuguesas são hoje um grupo de mercenários, lacaios do imperialismo americano, francês e alemão.

Todas estas tropas mercenárias deviam recolher a Penates, para serem imediatamente desmobilizadas.

Ler mais

As eleições para o Parlamento Europeu realizam-se sob a égide da guerra.

Se até aqui, os votos dos deputados portugueses no Parlamento Europeu e que em grande parte até são desconhecidos, têm sido, na sua esmagadora maioria, votos de traição nacional, já que não se registou um único exemplo que tenha tido em vista a defesa do verdadeiro desenvolvimento e progresso de Portugal, a nova situação geopolítica levará a imposições no campo militar, que obrigarão não apenas a uma austeridade social, mas a uma verdadeira economia de guerra, com as burguesias de França e da Alemanha a fazerem contas aos ganhos que terão no negócio, a que se seguirão intervenções mais drásticas a nível operacional. É o ministro alemão da defesa, quem avisa: “Temos de nos preparar para a guerra na Europa.

 A preparação da guerra está anunciada e ninguém está inocente. Também temos uma certeza: os que ousarem desobedecer às directivas da UE/EU serão punidos economicamente com a ameaça de sanções, cortes, negação de fundos, etc, com consequências óbvias nas suas economias. Já tivemos exemplos dessa actuação.

A União Europeia deixou de ser a pomba, deixou de estar envolta no véu da democracia e mostra a sua verdadeira essência reaccionária.

Ler mais

Levantemo-nos contra o genocídio do povo palestiniano!
Nenhum apoio a Israel!

O genocídio brutal que Israel, com o especial apoio dos Estados Unidos, Reino Unido e União Europeia, incluindo, portanto, Portugal, está a cometer contra o povo da Palestina desencadeou o alerta e a revolta, nos últimos dias, num grito que ecoa nas manifestações de apoio à Palestina, um pouco por todo o lado, mas com destaque para as que têm tido lugar nos Estados Unidos da América, Reino Unido, França, Holanda, cujos governos, respondendo à “ordem” de Netanyhau no dia 24 de Abril, quando disse que “As manifestações deveriam ser travadas e claramente condenadas.…” executaram, efectivamente, detenções de centenas de manifestantes, tentando encontrar formas de os criminalizar.

A hipocrisia dos governos apoiantes de Israel não tem limites, mas atingiu um ponto tal que se torna cada vez mais difícil manter o seu discurso ambíguo justificativo da intervenção de Israel ao mesmo tempo que se apoia o genocídio deste povo com o envio e venda de armas. Tudo se reduz a relações de poder e de dinheiro! É isto o capitalismo!

As chamadas organizações humanitárias e dos direitos humanos, numa situação inaudita como esta, não têm qualquer eficácia como podemos comprovar com demasiada frequência...

Ler mais 

EDITORIAL

O Social-fascismo de François Hollande:
Combater o Terror com o Terror…

Acontece com os chefinhos de todos os imperialismos menores: o alemão de Ângela Merkel, o britânico de David Cameron, o francês de François Hollande… Como lacaios que são, sempre foram e hão-de continuar a ser do imperialismo ianque, correm a exibir, ao lado do patrão americano, a sua forcinha militar contra os povos desarmados do mundo.

Há cerca de um ano que o social-fascista (socialista nas palavras, mas fascista nos actos) François Hollande despeja bombas indiscriminadamente sobre os povos do Mali, do Chade, da Nigéria, da Síria e do Estado Islâmico, para já não lembrar o que fez Hollande e os seus antecessores no cargo sobre os povos da Líbia e da Síria, do Iraque e do Afeganistão, onde mataram, sem declaração de guerra nem aviso prévio, centenas de milhares de homens, mas também de velhos, de mulheres e de crianças inocentes. Deste terrorismo imperialista não curam as nossas televisões, não falam as nossas rádios, não escrevem os nossos jornalistas, não cuidam os nossos jornais.

Para toda esta escumalha nada conta uma criança síria, uma mulher iemenita, um velho líbio. Todos podem e devem morrer esfacelados por um drone, esquartejados por um míssil de cruzeiro, desfeitos por um obus de artilharia.

Se os povos destes países, em nome dos seus mortos e contra a cobardia dos ataques imperialistas, se vingam em Paris, em Londres ou em Nova Iorque, pois aqui d’el rei que são cobardes, imorais e selvagens. Não entra, nem nunca entrará, na cabeça de George Bush, de Barack Obama, de Tony Blair, de David Cameron, de Sarkosy e Hollande, como de Aznar ou de Rajoy, que os povos desses países, incluindo o do Estado Islâmico em formação, se haverão mais cedo ou mais tarde de vingar, pelos métodos mais sumários e talvez mais bárbaros, da violência cobarde do imperialismo ianque e dos seus lacaios, onde a vingança for possível e o efeito for o mais gritante.

Que dizer de um crapuloso mental como Hollande, que todos os dias, desde que tomou posse como presidente da França, não deixou de mandar matar em África, no Próximo Oriente e no Oriente Médio, homens, mulheres, velhos e crianças, e que, depois da derrota sofrida em Paris no passado dia 13 de Novembro, tem como primeiro pronunciamento público a declaração de guerra ao Estado Islâmico, ele, Hollande, que sem a declarar nunca, já fazia guerra ao Daesh há mais de um ano… As guerras do social-fascista Hollande são como as nossas pescadas, porque antes de o ser já eram…

Trilhando o caminho imperialista do segundo Bush, Hollande em Paris, no dia 13 de Novembro à tarde, aproveitou para declarar pela primeira vez a guerra que já longamente vinha fazendo ao Estado Islâmico, prometendo esmagá-lo com a sua forceta aérea. Coitado do Hollande! Hollande é tão burro que parece não ter compreendido ainda que, com bombardeamentos aéreos conjugados de americanos, russos e franceses, ainda não deu cabo do Daesh e, se de facto o pretendem fazer, terão então que mobilizar 150 000 homens e pôr-lhes as botas no terreno entre o Tigre e Eufrates, sendo certo que, mesmo quando derrotassem no terreno o Daesh, não poderiam sair de lá sem que o povo se levantasse de novo contra os invasores, como sucedeu no Iraque e no Afeganistão, onde os imperialistas perderam a guerra que começaram justamente quando tiveram de retirar com o rabo entre as pernas.

Ora, quantos franceses das tropas de infantaria está o social-fascista Hollande disposto a mandar para a Síria e para o Iraque? E os franceses vão obedecer a François Hollande?

É que Hollande parece também esquecer que não poderão deixar de repetir-se acontecimentos idênticos aos de Paris um pouco por toda a França, isto porque, como ele próprio foi obrigado a reconhecer perante o Senado de França no dia 16 de Novembro, foram franceses que conduziram e realizaram a operação militar em Paris naquela sexta- -feira negra. E se não for totalmente estúpido, Hollande já devia ter pensado que não tem como expulsar de França oito milhões de cidadãos franceses islamizados, vivendo cerca de metade deles em bairros e condições suburbanas, muitas vezes sem emprego e sem salário.

A maneira como Hollande está a tratar todos os cidadãos franceses nas primeiras duas semanas de caça ao homem nos bairros populares de Paris, no começo dos três meses de autêntico estado de sítio então declarado, mostra que o actual presidente francês pensa usar o terrorismo policial como forma de combater os jiadistas e os franceses em geral, pois, até agora, as forças militares e policiais que ocupam Paris já provocaram cinco mortos, cerca de trezentas prisões de cidadãos franceses e centenas de ordens a proibir outros tantos de saírem de casa, para justificarem a morte de um único jiadista.
Hollande propõe-se – e já o solicitou no Senado – alterar a Constituição da República Francesa nos dois artigos que preservam os direitos fundamentais dos cidadãos, designadamente por forma a autorizar a polícia a entrar a qualquer hora da noite nas casas dos cidadãos e a matar os suspeitos nos lugares e às horas em que forem encontrados, mesmo que não haja razão minimamente válida para a maior parte das suspeitas policiais.

Hollande responde ao terror com o terror, seja vomitando metralha sobre os muçulmanos do Estado Islâmico, do Chade, do Mali, do norte da Nigéria, seja aterrorizando a população francesa a qualquer hora do dia ou da noite nas suas próprias casas.

Terror contra terror é um perfeito disparate. Será que Hollande o compreenderá algum dia? Se custou tão caro a Hollande apanhar um único jiadista morto em França, imagine-se quanto não lhe custará apanhar um jiadista sôbolos rios que vão por Babilónia.

02.12.2015

Arnaldo Matos





Partilhar

Adicionar comentário


Código de segurança
Actualizar

Está em... Home Editorial O Social-fascismo de François Hollande: Combater o Terror com o Terror…