CampanhaFundos202206

IBAN PT50003502020003702663054   NIB 003502020003702663054

19 de Maio de 2024

Nota à Imprensa

PCTP/MRPP informa a sua posição sobre o Serviço Militar Obrigatório no momento presente

Lisboa, 29/04/2024

O Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP) considera, e sempre considerou, que a defesa do país compete a todos os cidadãos e não a um grupo de mercenários mesmo que este se designe por Forças Armadas Portuguesas pelo que propugna a prestação, por todos os cidadãos, de Serviço Militar durante um dado período de tempo a definir que lhes permita aprender as perícias militares para, em caso de ataque ao nosso país ou o seu bem-estar se torne impossível, se mobilizem rapidamente para, consoante o caso, repelir esse ataque ou instaurar o bem-estar popular.

Sobre o mesmo tema, o PCTP/MRPP reafirma hoje o que o camarada Arnaldo Matos referia já em 2016:

As Forças Armadas, de portuguesas, só têm o nome. As Forças Armadas ditas portuguesas são hoje um grupo de mercenários, lacaios do imperialismo americano, francês e alemão.

Todas estas tropas mercenárias deviam recolher a Penates, para serem imediatamente desmobilizadas.

Ler mais

As eleições para o Parlamento Europeu realizam-se sob a égide da guerra.

Se até aqui, os votos dos deputados portugueses no Parlamento Europeu e que em grande parte até são desconhecidos, têm sido, na sua esmagadora maioria, votos de traição nacional, já que não se registou um único exemplo que tenha tido em vista a defesa do verdadeiro desenvolvimento e progresso de Portugal, a nova situação geopolítica levará a imposições no campo militar, que obrigarão não apenas a uma austeridade social, mas a uma verdadeira economia de guerra, com as burguesias de França e da Alemanha a fazerem contas aos ganhos que terão no negócio, a que se seguirão intervenções mais drásticas a nível operacional. É o ministro alemão da defesa, quem avisa: “Temos de nos preparar para a guerra na Europa.

 A preparação da guerra está anunciada e ninguém está inocente. Também temos uma certeza: os que ousarem desobedecer às directivas da UE/EU serão punidos economicamente com a ameaça de sanções, cortes, negação de fundos, etc, com consequências óbvias nas suas economias. Já tivemos exemplos dessa actuação.

A União Europeia deixou de ser a pomba, deixou de estar envolta no véu da democracia e mostra a sua verdadeira essência reaccionária.

Ler mais

Levantemo-nos contra o genocídio do povo palestiniano!
Nenhum apoio a Israel!

O genocídio brutal que Israel, com o especial apoio dos Estados Unidos, Reino Unido e União Europeia, incluindo, portanto, Portugal, está a cometer contra o povo da Palestina desencadeou o alerta e a revolta, nos últimos dias, num grito que ecoa nas manifestações de apoio à Palestina, um pouco por todo o lado, mas com destaque para as que têm tido lugar nos Estados Unidos da América, Reino Unido, França, Holanda, cujos governos, respondendo à “ordem” de Netanyhau no dia 24 de Abril, quando disse que “As manifestações deveriam ser travadas e claramente condenadas.…” executaram, efectivamente, detenções de centenas de manifestantes, tentando encontrar formas de os criminalizar.

A hipocrisia dos governos apoiantes de Israel não tem limites, mas atingiu um ponto tal que se torna cada vez mais difícil manter o seu discurso ambíguo justificativo da intervenção de Israel ao mesmo tempo que se apoia o genocídio deste povo com o envio e venda de armas. Tudo se reduz a relações de poder e de dinheiro! É isto o capitalismo!

As chamadas organizações humanitárias e dos direitos humanos, numa situação inaudita como esta, não têm qualquer eficácia como podemos comprovar com demasiada frequência...

Ler mais 

PAÍS

Nas pegadas de Seguro

I

António José Seguro, o actual secretário-geral do Partido Socialista, reuniu-se, no passado sábado à noite, com alguns dos seus apaniguados, num restaurante da Lourinhã.

Numa terra onde há sessenta milhões de anos pastavam mansamente manadas de dinossauros, não admira que o mais manso dos nossos políticos tenha aparecido para jantar.

No discurso que pronunciou no fim do jantar, à hora da baba de camelo, o brontossaúrio da nossa política disse: "se fosse primeiro-ministro, também teria de adoptar medidas de austeridade".

Esta declaração é muito importante, a mais do que um título.

Tal significa, antes de tudo, para além de tudo e acima de tudo, que a política de Seguro para Portugal é, no essencial, a mesma política de austeridade da Tróica e do governo de traição nacional Coelho/Portas.

Seguro, Coelho e Portas defendem a mesma política de austeridade, que conduz em linha recta à recessão, ao desemprego, à liquidação da economia nacional e ao crescimento do endividamento.

Do mesmo modo que lutam por derrubar o mais urgentemente possível o governo de traição nacional Coelho/Portas, os operários e os comunistas portugueses devem desde já desmascarar e combater a política de Seguro, porque, para derrubar o governo PSD/CDS, é preciso isolar Seguro e a sua política, visto que Seguro e a sua política são o principal aliado do governo Coelho/Portas.

É certo que no jantar no Parque Jurássico, ou seja, na Lourinhã, Seguro, um manso oportunista, não deixou de dizer que, entre a sua política de austeridade e a política de austeridade de Coelho/Portas, haveria mesmo assim uma diferença: “não aumentar a dose e aumentar o tempo dos sacrifícios, para que os portugueses e as empresas possam aliviar as suas contas”.

A coisa resume-se pois nisto: em relação à política de traição nacional do governo PSD/CDS, a política de Seguro é mais do mesmo e durante mais tempo.

Operários e trabalhadores portugueses: devemos lutar pelo derrubamento do governo PSD/CDS e pela instauração de um governo democrático patriótico, mas, como é óbvio, neste governo não cabe nem Seguro nem Sócrates.

Os operários e trabalhadores socialistas são indispensáveis para a formação desse novo governo, mas cabe-lhes desembaraçar-se dos dirigentes oportunistas como Seguro.

II

Do parque jurássico da Lourinhã, Seguro foi chamado a São Bento, residência oficial do primeiro-ministro Passos Coelho, para acerto de pontos de vista sobre o terceiro encontro de prestação de contas à Tróica, a partir de hoje, em Lisboa.

Seguro ocultou à opinião pública e a todos os trabalhadores socialistas quais as negociatas políticas que celebrou em São Bento.

Seguro é um traidor, não só para com o país mas mesmo com relação aos socialistas que o colocaram na direcção do PS.

Esta diplomacia secreta entre Seguro e Passos Coelho deve ser denunciada como a continuação da traição a Portugal e aos portugueses, iniciada com a política de Sócrates e continuada com a assinatura conjunta do memorando da Tróica e com o acordo de João Proença com os patrões, em sede de conselho permanente de concertação social.

Para se libertarem da política terrorista da austeridade, do desemprego e do roubo de trabalho e de salários, todos os trabalhadores portugueses, incluindo os que têm apoiado eleitoralmente o PS, têm de travar um só e mesmo combate, simultaneamente contra Coelho/Portas e contra Seguro.


III

Antes do encontro no salazarento palácio de São Bento, Seguro encontrou-se com um ex-socialfascista que dá pelo nome de Paulo Fidalgo e que é líder de um grupo de trânsfugas do PCP, denominado Renovação Comunista.

Fidalgo e a sua Renovação Comunista, que andam aos caídos da política, agarram-se a Seguro como tábua de salvação para chegarem ao poder, do mesmo passo que, tendo saído do PCP, dão a Seguro um leve odor de esquerda que ele efectivamente não tem.

Fidalgo saiu entusiasmadíssimo da reunião com Seguro: "abriram-se canais de diálogo: a primeira trincheira que tem de ser resolvida é a formação de uma nova maioria de esquerda em Portugal".

Este Fidalgo tem piada: quer uma nova maioria de esquerda em Portugal, com um reaccionário direitista como Seguro; quer uma nova maioria de esquerda com um brontossáurio que, no parque jurássico da Lourinhã, explicou, na antevéspera do encontro com Fidalgo, urbi et orbi, que, se for ou quando for primeiro-ministro, a sua política será a política de austeridade, sem aumentar a dose mas aumentando o tempo!...

Nós, operários e trabalhadores portugueses, podemos vencer a política de ladroagem e de roubo trazida pelo terrorismo da Tróica; mas, para tanto, a luta contra o oportunismo dos Fidalgos e dos Seguros é uma condição absoluta para lograr-se a unidade das nossas fileiras, e poder constituir um governo de esquerda, democrático popular.

 

Partilhar

Adicionar comentário


Código de segurança
Actualizar

Está em... Home País POLÍTICA GERAL Nas pegadas de Seguro