CampanhaFundos202206

IBAN PT50003502020003702663054   NIB 003502020003702663054

19 de Maio de 2024

Nota à Imprensa

PCTP/MRPP informa a sua posição sobre o Serviço Militar Obrigatório no momento presente

Lisboa, 29/04/2024

O Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP) considera, e sempre considerou, que a defesa do país compete a todos os cidadãos e não a um grupo de mercenários mesmo que este se designe por Forças Armadas Portuguesas pelo que propugna a prestação, por todos os cidadãos, de Serviço Militar durante um dado período de tempo a definir que lhes permita aprender as perícias militares para, em caso de ataque ao nosso país ou o seu bem-estar se torne impossível, se mobilizem rapidamente para, consoante o caso, repelir esse ataque ou instaurar o bem-estar popular.

Sobre o mesmo tema, o PCTP/MRPP reafirma hoje o que o camarada Arnaldo Matos referia já em 2016:

As Forças Armadas, de portuguesas, só têm o nome. As Forças Armadas ditas portuguesas são hoje um grupo de mercenários, lacaios do imperialismo americano, francês e alemão.

Todas estas tropas mercenárias deviam recolher a Penates, para serem imediatamente desmobilizadas.

Ler mais

As eleições para o Parlamento Europeu realizam-se sob a égide da guerra.

Se até aqui, os votos dos deputados portugueses no Parlamento Europeu e que em grande parte até são desconhecidos, têm sido, na sua esmagadora maioria, votos de traição nacional, já que não se registou um único exemplo que tenha tido em vista a defesa do verdadeiro desenvolvimento e progresso de Portugal, a nova situação geopolítica levará a imposições no campo militar, que obrigarão não apenas a uma austeridade social, mas a uma verdadeira economia de guerra, com as burguesias de França e da Alemanha a fazerem contas aos ganhos que terão no negócio, a que se seguirão intervenções mais drásticas a nível operacional. É o ministro alemão da defesa, quem avisa: “Temos de nos preparar para a guerra na Europa.

 A preparação da guerra está anunciada e ninguém está inocente. Também temos uma certeza: os que ousarem desobedecer às directivas da UE/EU serão punidos economicamente com a ameaça de sanções, cortes, negação de fundos, etc, com consequências óbvias nas suas economias. Já tivemos exemplos dessa actuação.

A União Europeia deixou de ser a pomba, deixou de estar envolta no véu da democracia e mostra a sua verdadeira essência reaccionária.

Ler mais

Levantemo-nos contra o genocídio do povo palestiniano!
Nenhum apoio a Israel!

O genocídio brutal que Israel, com o especial apoio dos Estados Unidos, Reino Unido e União Europeia, incluindo, portanto, Portugal, está a cometer contra o povo da Palestina desencadeou o alerta e a revolta, nos últimos dias, num grito que ecoa nas manifestações de apoio à Palestina, um pouco por todo o lado, mas com destaque para as que têm tido lugar nos Estados Unidos da América, Reino Unido, França, Holanda, cujos governos, respondendo à “ordem” de Netanyhau no dia 24 de Abril, quando disse que “As manifestações deveriam ser travadas e claramente condenadas.…” executaram, efectivamente, detenções de centenas de manifestantes, tentando encontrar formas de os criminalizar.

A hipocrisia dos governos apoiantes de Israel não tem limites, mas atingiu um ponto tal que se torna cada vez mais difícil manter o seu discurso ambíguo justificativo da intervenção de Israel ao mesmo tempo que se apoia o genocídio deste povo com o envio e venda de armas. Tudo se reduz a relações de poder e de dinheiro! É isto o capitalismo!

As chamadas organizações humanitárias e dos direitos humanos, numa situação inaudita como esta, não têm qualquer eficácia como podemos comprovar com demasiada frequência...

Ler mais 

PAÍS

Dia 8 de Março – Dia Internacional da Mulher

A luta das mulheres pela sua emancipação da escravidão assalariada e da opressão social

Nunca é demais relembrar que a celebração que hoje se faz do dia 8 de Março como dia internacional da mulher, nasceu da proposta de Clara Zetkin, apresentada na 1.ª Conferência Internacional das Mulheres Socialistas, que decorreu em Basileia, na Suíça em 1910.1

A questão da mulher, e com especial relevância para a mulher trabalhadora, foi desde sempre uma questão a que o nosso Partido deu uma grande atenção, inclusive nos tempos da clandestinidade, quando, a partir de 1971 se organizaram os Comités 8 de Março, organizações de unidade revolucionária, que desencadearam várias acções de agitação e propaganda clandestina, incluindo a luta contra a guerra colonialComite8DeMarcoFrente. A última Comite8DeMarcoCostasacção política organizada antes do 25 de Abril, portanto em Março de 1974, teve como palavra de ordem: De Pé Mulher Trabalhadora!

Embora não deixemos de reconhecer, apoiar e participar activamente na luta geral da mulher contra uma opressão comum, contra as desigualdade, a discriminação, a humilhação, a violência e o vexame de que são vítimas tanto as mulheres operárias como as mulheres de outras camadas democráticas, a posição dos marxistas relativamente à questão da mulher trabalhadora começa, principalmente por colocar sobre uma base de classe o debate ideológico e político.

A razão fundamental da actual situação de exploração, opressão, discriminação e desigualdade da mulher está na existência de um modo de produção, baseado no lucro e na propriedade privada dos meios de produção social. Foi, aliais, a propriedade privada que alterou o papel da mulher na sociedade.

Por conseguinte, a emancipação da mulher trabalhadora só pode acontecer no quadro da luta entre o Trabalho e o Capital.

Mas, esta realidade é sistematicamente combatida através de uma cortina de fumo, que a esconde, apresentando o dia internacional da mulher não como um dia de luta, mas como um dia de flores, de boa vontade e até de reconhecimento da vertente feminista, apresentando-a como uma causa, na tentativa de fragmentar a luta pelo derrube do capitalismo.

Hoje, dia 8 de Março de 2021, o presidente da República vem, todo ufano, propagar que é um lutador pela emancipação da mulher, que passou à acção, porque na Casa Civil, as consultoras são mais de 63% da sua equipa!!! Portanto, ele já fez a sua parte pelas mulheres…

Por outro lado, quem hoje viu as capas dos jornais, os programas da manhã ou das tardes das tvs, ouviu os programas das rádios ou prestou atenção às declarações de tudo o que é organização institucional no país e no Mundo, “ficou a saber” que a causa principal das mulheres é a causa pela representação igualitária nos órgãos de gestão da burguesia: Estado, governos, monopólios e empresas capitalistas.

Paralelamente ficou também a saber que o género com maior número de “vítimas económicas da pandemia” é o feminino, com excepção das “classes superiores”, onde não houve esse tipo de vítimas. E se alguém, por acaso, lembra que o 8 de Março evoca o assassínio das operárias em greve na fábrica de tecidos Cotton de Nova Iorque, surge de imediato a “conclusão lógica” de que a causa do crime não foi o capitalismo, mas sim o mando masculino.

Pela teoria destilada e marketingueada, que é o mesmo que dizer matraqueada até moer os miolos de cada um, os males do Mundo podem ser resolvidos por um capitalismo-feminino, um capitalismo muito melhor do que o capitalismo vulgar, o capitalismo-masculino. E até aparecem “provas”: os países que melhor “lidaram” com a pandemia têm governos, uns de “esquerda” outros de “direita”, mas sempre liderados por mulheres.

Quer dizer, um movimento eminentemente operário anti-capitalista pela revolução comunista, em cem anos, foi torcido, transformado, invertido e é agora apresentado como uma efeméride perpetuadora de um sistema iníquo, opressor e sem saída para a emancipação da mulher.

E tudo começou quando o 8 de Março foi transformado, na Rússia soviética, numa espécie de dia dos namorados!

Ora, o que as mulheres trabalhadoras não aceitam é a continuidade das desigualdades que o sistema lhes impõe, designadamente, as diferenças salariais por trabalho igual, que atinge uma diferença de 14% e, em alguns casos atinge os 26%; serem as primeiras a sofrerem a situação de desemprego; continuarem a ter reformas e pensões mais baixas; serem o maior número de trabalhadores com contratos precários; sem obrigadas a aceitar trabalhos e venderam a sua força de trabalho em condições que os homens não aceitam…

É verdade que a mulher, no decurso da sua luta, foi ganhando consciência da sua situação, revelando uma enorme coragem e determinação nas lutas revolucionárias em que participou, apercebendo-se que nesta sociedade liberal e capitalista, só lhe será permitida uma relativa igualdade de direitos a estabelecer por lei e uma emancipação progressiva da escravidão dos trabalhos domésticos, o que não a liberta, antes a condena a uma sobrexploração, pelo desempenho de um trabalho duplo, em casa e no trabalho. É a sua situação de opressão que a faz lutar e libertar-se das cadeias da exploração.

A luta pela emancipação e libertação da mulher, como parte da luta pela emancipação da classe operária, tem um carácter de massas e é internacionalista, manifestando-se na solidariedade militante que deve unir o movimento revolucionário das mulheres de todo o mundo, da África, da Ásia e da América Latina que vivem situações de opressão e exploração inauditas.

Pois para nós, mulheres e homens comunistas, a emancipação da mulher é uma parte integrante e inseparável da luta proletária contra a exploração e opressão capitalista e pela implantação do modo de produção comunista.

Organizar e preparar a mulher trabalhadora para os combates inevitáveis que se avizinham é a tarefa imediata da União das Mulheres Comunistas (UMC), criando, desde já um movimento de adesão.

LEVANTAI-VOS, OPERÁRIAS DE PORTUGAL!
LEVANTAI-VOS, OPERÁRIAS DE TODO O MUNDO!
CERRAI OS PUNHOS E LUTAI POR UM MUNDO SEM OPRESSÃO NEM EXPLORAÇÃO PARA A HUMANIDADE!

08Mar2021

CG/JP

 


 

1 -  ver Recordações de Lenine, Zetkin, Clara

pctpmrpp

Partilhar
Está em... Home País POLÍTICA GERAL A luta das mulheres pela sua emancipação da escravidão assalariada e da opressão social