PAÍS

A valorosa luta dos estivadores

porto lx 01Os trabalhadores portuários e em particular os estivadores têm estado empenhados numa luta prolongada e exemplar contra a tentativa de o governo de traição nacional PSD/CDS, para além do roubo do trabalho e dos salários, desencadear uma vaga de despedimentos.

Desde o dia 17 de Setembro que os estivadores se levantaram em greve contra o novo regime portuário que vem pôr em causa os seus postos de trabalho – desde aquela data, os sucessivos períodos de greve totalizaram já oito semanas, tendo entrado hoje numa nova fase com uma paralisação parcial nos turnos entre a meia noite e as 17H00, incluindo feriados e fins de semana, nos portos de Lisboa, Setúbal e Figeuria da Foz

Numa fúria e desespero nunca vistos, governo e capitalistas têm-se atirado ferozmente, mas sem êxito, contra estes trabalhadores, usando de ignóbeis provocações e das mais baixas insinuações para isolá-los do resto dos trabalhadores e do povo.

Esbarrando numa inabalável firmeza da parte dos estivadores que têm paralisado os portos e impedido as cargas e descargas, o governo PSD/CDS e os seus homens de mão nas empresas, como é o caso de Pires de Lima do CDS, chegaram mesmo ao ponto de, confundindo a sua política terrorista de exploração desenfreada e roubo do trabalho com a defesa da economia nacional, proporem a imediata requisição civil no sector, mesmo com a observância de serviços mímimos, o que se traduziria no ensaio para porem fim ao direito de greve, em nome da política de ajustamento imposto pela Tróica.

A luta dos estivadores portugueses, que mereceu já manifestações de solidariedade efectiva dos estivadores de vários portos europeus, é um importante exemplo daquilo que deve constituir o combate a travar pelo movimento operário pelo derrube deste governo, desde logo, na próxima greve geral de 14 de Novembro. Isto é, uma greve firme, a sério, sem medo e sem hesitações nem cedências aos traidores da UGT que assinaram o acordo com o governo, e uma greve que paralise o país.

E, para isso, não só os trabalhadores portugueses devem aprender com a tenacidade dos seus irmãos de classe dos portos, como os estivadores, haja o que houver, têm de estar na primeira linha da paralisação do país na greve geral de 14 de Novembro e em todas as que forem necessárias realizar até ao derrube do governo de traição nacional PSD/CDS.

O nosso Partido, ao mesmo tempo que manifesta a sua inteira solidariedade com os estivadores em luta, exorta-os a não ceder à chantagem e ameaça da requisição civil e às provocações de um governo que tem os dias contados, mas que é necessário pôr a andar rapidamente.

Como se lê no manifesto que estes trabalhadores difundiram, pelos objectivos miseráveis que pretendem atingir bem como pela forma violenta e desumana como delinearam lá chegar, os estivadores consideram que este governo está no topo da lista de organizações terroristas!


Partilhar

Adicionar comentário


Código de segurança
Actualizar

Está em... Home País MOVIMENTO OPERÁRIO E SINDICAL A valorosa luta dos estivadores