CampanhaFundos202206

IBAN PT50003502020003702663054   NIB 003502020003702663054

26 de Maio de 2024

Nota à Imprensa

PCTP/MRPP informa a sua posição sobre o Serviço Militar Obrigatório no momento presente

Lisboa, 29/04/2024

O Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP) considera, e sempre considerou, que a defesa do país compete a todos os cidadãos e não a um grupo de mercenários mesmo que este se designe por Forças Armadas Portuguesas pelo que propugna a prestação, por todos os cidadãos, de Serviço Militar durante um dado período de tempo a definir que lhes permita aprender as perícias militares para, em caso de ataque ao nosso país ou o seu bem-estar se torne impossível, se mobilizem rapidamente para, consoante o caso, repelir esse ataque ou instaurar o bem-estar popular.

Sobre o mesmo tema, o PCTP/MRPP reafirma hoje o que o camarada Arnaldo Matos referia já em 2016:

As Forças Armadas, de portuguesas, só têm o nome. As Forças Armadas ditas portuguesas são hoje um grupo de mercenários, lacaios do imperialismo americano, francês e alemão.

Todas estas tropas mercenárias deviam recolher a Penates, para serem imediatamente desmobilizadas.

Os portugueses não podem nem têm de pagar tropas para defender os interesses do imperialismo, precisamente aquele mesmo imperialismo que também explora o nosso povo em Portugal, nas fábricas que já não são nossas, mas francesas, inglesas, suecas e alemãs, nos bancos que são espanhóis, nos mares que já só falam castelhano.

Ler mais 

Estado em Degradação Política Reprime Violentamente Manifestações Pacíficas de Apoio à Palestina

À volta de 100 estudantes ocuparam durante cerca de uma semana as instalações do departamento de Ciências e Computadores da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, em favor da causa palestiniana. Eles exigem o fim das relações da UP com o Estado de Israel, face ao genocídio de Gaza. Por isso, entoaram palavras de ordem como "Solidariedade Proletária por uma Palestina Livre", "Israel não é uma democracia, Israel é um país terrorista" e "A Revolução começa aqui". Cânticos revolucionários, portanto.

Ler mais


O fascista ventura Afinal É Tão ou Mais Corrupto Que os Outros

André ventura, o nazizinho, campeão da honestidade e da luta contra a corrupção, ao fim de contas, é, comprovadamente, corrupto.

Em 2014, o bom do ventura assinou um parecer, enquanto inspector da Autoridade Tributária, que contribuiu para isentar uma empresa de Lalanda e Castro, ex-patrão de José Sócrates, do pagamento de 1,8 milhões de euros de IVA. Este caso foi investigado no âmbito do processo dos "Vistos Gold", por suspeitas de favorecimento de Lalanda e Castro, que também está referenciado na Operação Marquês e é acusado de corrupção no processo Máfia do Sangue. O andré ventura que serviu de peão na manobra de evasão fiscal de Lalanda e Castro é o mesmo histérico ventura que demoniza todos os beneficiários do RSI, incluindo crianças.

Ler mais

Manifestação Contra o Encerramento Nocturno da Urgência Pediátrica do CH Tondela - Viseu/ULS Viseu Dão - 1 de Junho

Para os partidos da burguesia, nada como campanhas eleitorais, oficiais ou não, para em palavras tudo resolver, mas chegados ao poder, o caso fia mais fino…

Num país que chora a baixa natalidade, a “solução” dos governos burgueses (o anterior e o presente) para o problema é encerrar maternidades e urgências pediátricas, primeiro aos fins-de-semana à noite, depois toda a semana à noite e depois, dia sim dia não, etc..

A propósito de mais um caso, o encerramento nocturno do serviço de Urgência Pediátrica do Centro Hospitalar Tondela - Viseu / Unidade Local de Saúde Viseu Dão Lafões, recebemos de uma cidadã mobilizada para a luta a Carta Aberta que abaixo publicamos na íntegra

Carta Aberta

O serviço de Urgência Pediátrica do Centro Hospitalar Tondela - Viseu / Unidade Local de Saúde Viseu Dão Lafões começou a encerrar, de sexta a segunda-feira, durante o período noturno, em março.

Ler mais

Partido

O Marxismo é a nossa Estratégia


Evocar o Camarada Arnaldo Matos

Passam, na próxima segunda-feira, dia 22 de Fevereiro, dois anos após o desaparecimento físico do camarada Arnaldo Matos.

Na impossibilidade de uma homenagem presencial, o Comité Central, conclama todos os militantes e simpatizantes para, de uma forma organizada (como já está a acontecer) ou, se tal não for possível, individualmente, estudarem e discutirem os documentos que o camarada nos deixou, com destaque para a importantíssima intervenção no 1.º de Maio de 2018, que se constitui como um verdadeiro programa para o Partido e para o movimento comunista, apontando o Marxismo como a nossa estratégia, ao mesmo tempo que releva a necessidade de se fazer uma reflexão sobre os erros cometidos durante os processos revolucionários de 1917 e 1949, como condição essencial para rejeitar de forma fundamentada e determinada a ideia da inviabilidade da sociedade comunista, provando simultaneamente que sociedade da democracia capitalista liberal não é “o estádio final do processo histórico”, como os ideólogos do capitalismo pretendem vender.

Contudo, a verdadeira homenagem, a autêntica celebração só adquire significado se se transformar em movimento, em acção, em prática.
A verdadeira evocação ao camarada é feita diariamente no trabalho e na luta pelo reforço organizativo do Partido, pelo seu alargamento, pelo contacto com as massas, pela divulgação dos estudos, análises e reflexões, objectivo que o Comité Central tomou em mãos, dando continuidade a essa divulgação no Luta Popular online e com o lançamento da colecção dos Cadernos Arnaldo Matos.

Evocar o camarada é fazer da sua luta a nossa luta, da sua determinação a nossa determinação, é não ter medo de assumir clara e frontalmente as nossa posições políticas, é não fugir da crítica e da discussão ideológica, como forma de reforçar e desenvolver o Partido. Hoje, quando se prepara o maior ataque de sempre aos trabalhadores, à classe operária, como consequência inevitável de mais uma reconfiguração do capitalismo a nível mundial, quando os partidos reformistas, revisionistas e social democratas abertamente renegam a revolução, colaborando afincadamente com a sociedade democrática burguesa pós-fascista, o PCTP/MRPP, fundado por Arnaldo Matos, é o único partido que se reivindica de Partido Comunista. E é nessa assumpção que reside a nossa liberdade e autonomia.

A morte do camarada Arnaldo Matos foi uma perda de enormes consequências para a direcção do Partido e da revolução, mas tal como ele costumava dizer, quando os ataques do capitalismo e do imperialismo atingirem um ponto insuportável, os operários vão fazer fila para desenvolver trabalho no Partido, para se inscreverem no Partido.
E, em certa medida, estamos próximos desse momento. As inscrições no Partido têm vindo a aumentar, a vontade de lutar contra a política de opressão e exploração é manifesta. E, neste caso, não haverá quem coloque em dúvida a orientação do camarada “Abram de par em par, as portas do nosso Partido aos operários. Verdadeiramente, o nosso Partido não é nosso: é da classe dos proletários.

Portanto, a tarefa do momento é organizar, organizar, organizar, sem deixar de ter consciência de que o capitalismo se mundializou e localizou pelo que, e citando novamente o camarada: “A luta ideológica, política e organizativa pela mobilização revolucionária do proletariado, à escala nacional e mundial e, antes de tudo, pela edificação do seu partido comunista proletário marxista-leninista, está de novo na ordem do dia e deve unir os proletários de todos os países.

Transformar a homenagem num momento laudatório de elogios e exaltações, de calendário, como alguns certamente gostariam de fazer e farão é a forma mais cruel e reaccionária de o colocar na prateleira da história, de o negar, enquanto revolucionário e dirigente político.

Seguindo o seu exemplo, lutaremos contra os ataques e as traições sob as mais diversas formas liquidacionistas e oportunistas, dos cobardes que, fugindo à luta ideológica, ao confronto de ideias, recorrendo a estratégias e tácticas sibilinas e insidiosas têm como único objectivo desagregar e destruir o Partido, colocando-se e colando-se ao que agora lhes parece mais forte, o insinuante e omnipresente capital, na vã expectativa de assistir tranquila e alegremente ao que já davam por certo, chegando a apregoar que, sem eles, o Partido não duraria mais de 2 meses!!

Honra ao Camarada Arnaldo Matos!

Venceremos!

O Comité Central

pctpmrpp

Partilhar
Está em... Home PARTIDO Evocar o Camarada Arnaldo Matos