CampanhaFundos202206

IBAN PT50003502020003702663054   NIB 003502020003702663054

19 de Maio de 2024

Nota à Imprensa

PCTP/MRPP informa a sua posição sobre o Serviço Militar Obrigatório no momento presente

Lisboa, 29/04/2024

O Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP) considera, e sempre considerou, que a defesa do país compete a todos os cidadãos e não a um grupo de mercenários mesmo que este se designe por Forças Armadas Portuguesas pelo que propugna a prestação, por todos os cidadãos, de Serviço Militar durante um dado período de tempo a definir que lhes permita aprender as perícias militares para, em caso de ataque ao nosso país ou o seu bem-estar se torne impossível, se mobilizem rapidamente para, consoante o caso, repelir esse ataque ou instaurar o bem-estar popular.

Sobre o mesmo tema, o PCTP/MRPP reafirma hoje o que o camarada Arnaldo Matos referia já em 2016:

As Forças Armadas, de portuguesas, só têm o nome. As Forças Armadas ditas portuguesas são hoje um grupo de mercenários, lacaios do imperialismo americano, francês e alemão.

Todas estas tropas mercenárias deviam recolher a Penates, para serem imediatamente desmobilizadas.

Ler mais

As eleições para o Parlamento Europeu realizam-se sob a égide da guerra.

Se até aqui, os votos dos deputados portugueses no Parlamento Europeu e que em grande parte até são desconhecidos, têm sido, na sua esmagadora maioria, votos de traição nacional, já que não se registou um único exemplo que tenha tido em vista a defesa do verdadeiro desenvolvimento e progresso de Portugal, a nova situação geopolítica levará a imposições no campo militar, que obrigarão não apenas a uma austeridade social, mas a uma verdadeira economia de guerra, com as burguesias de França e da Alemanha a fazerem contas aos ganhos que terão no negócio, a que se seguirão intervenções mais drásticas a nível operacional. É o ministro alemão da defesa, quem avisa: “Temos de nos preparar para a guerra na Europa.

 A preparação da guerra está anunciada e ninguém está inocente. Também temos uma certeza: os que ousarem desobedecer às directivas da UE/EU serão punidos economicamente com a ameaça de sanções, cortes, negação de fundos, etc, com consequências óbvias nas suas economias. Já tivemos exemplos dessa actuação.

A União Europeia deixou de ser a pomba, deixou de estar envolta no véu da democracia e mostra a sua verdadeira essência reaccionária.

Ler mais

Levantemo-nos contra o genocídio do povo palestiniano!
Nenhum apoio a Israel!

O genocídio brutal que Israel, com o especial apoio dos Estados Unidos, Reino Unido e União Europeia, incluindo, portanto, Portugal, está a cometer contra o povo da Palestina desencadeou o alerta e a revolta, nos últimos dias, num grito que ecoa nas manifestações de apoio à Palestina, um pouco por todo o lado, mas com destaque para as que têm tido lugar nos Estados Unidos da América, Reino Unido, França, Holanda, cujos governos, respondendo à “ordem” de Netanyhau no dia 24 de Abril, quando disse que “As manifestações deveriam ser travadas e claramente condenadas.…” executaram, efectivamente, detenções de centenas de manifestantes, tentando encontrar formas de os criminalizar.

A hipocrisia dos governos apoiantes de Israel não tem limites, mas atingiu um ponto tal que se torna cada vez mais difícil manter o seu discurso ambíguo justificativo da intervenção de Israel ao mesmo tempo que se apoia o genocídio deste povo com o envio e venda de armas. Tudo se reduz a relações de poder e de dinheiro! É isto o capitalismo!

As chamadas organizações humanitárias e dos direitos humanos, numa situação inaudita como esta, não têm qualquer eficácia como podemos comprovar com demasiada frequência...

Ler mais 

INTERNACIONAL

Catalunha: A Tropa Espanhola Arrasta as Botas…

Apesar de informal, não vinculativo e meramente consultatório, o referendo popular sobre a independência da Catalunha, em 9 de Novembro passado, saldou-se, como já tivemos oportunidade de frisar neste espaço, por uma histórica e retumbante vitória política, tanto mais que o referendo, a despeito da sua informalidade, não deixara de ser proibido, sob a ameaça de severas penas, pelo caquético tribunal constitucional de Espanha.

Mas quando, mesmo sob a chantagem de penas de prisão, o povo catalão, unido como uma rocha de granito, conseguiu mobilizar 40 930 voluntários anónimos para organizar, em todo o país catalão, um referendo nacional, e o referendo atraiu, às oito mil urnas improvisadas em 6 625 mesas informaticamente controladas, quase metade dos eleitores inscritos no último sufrágio e 81% dos votantes escolhe para a sua amada Catalunha o estatuto político de um país independente, ninguém, na Espanha e no Mundo, pode ficar indiferente ao processo soberanista catalão.

Precisamente porque proibido e ilegalizado pela corte constitucional e atacado pelo governo reaccionário de Mariano Rajoy em Madrid, o referendo independentista de 9 de Novembro na Catalunha iniciou uma nova etapa – a última – que só terminará com a independência política do Estado Catalão e a sua completa separação do reino de Espanha.

Catalunha, igual que Portugal!

A primeira consequência da demolidora vitória do referendo informal de 9 de Novembro foi a inesperada palinódia de Rajoy, ao confessar, no último fim de semana em Madrid, os seus erros na forma como tem abordado a questão catalã e, designadamente, na maneira como se tem oposto ao desejo soberanista do povo da Catalunha. Rajoy prometeu visitar Barcelona e discutir aí, com os dirigentes regionais, os problemas em aberto, ele, Rajoy, que, através da vice-presidente do governo do PP, tinha rejeitado liminarmente discutir com pessoas que queriam a independência.

Esta pequena auto-crítica de Rajoy levou logo os generais de Espanha a desembainharem as espadas e a escarvar com as botas cardadas do franquismo os salões de Madrid.

O chefe do estado-maior do Exército de Terra, o General Jaime Dominguez Buj, na conferência ontem proferida em Madrid, no Instituto das Questões Internacionais e da Política Exterior, sob o tema Um Exército para o Século XXI, começou logo por deixar bem sublinhado que lhe duele España.

Dói-me Espanha é uma expressão provocatoriamente roubada por Dominguez Buj a Miguel de Unamuno, grande sábio, filósofo e homem de cultura espanhol, que a pronunciou em Salamanca num contexto absolutamente oposto, justamente quando as tropas fascistas de Franco tomaram Barcelona e massacraram os últimos resistentes republicanos na Guerra Civil de Espanha.

Saída provocatoriamente conspurcada da boca nojenta do general Dominguez Buj, alcança-se bem o tom e a ameaça que o grosseiro chefe do estado-maior do Exército de Terra de Espanha pretendeu vomitar sobre o povo catalão, quando usurpou a Unamuno a bela expressão me duele España.

No campo ideológico, a luta do povo da Catalunha pela sua independência já vai neste ponto.

Dominguez Buj não se ficou por aqui sobre a situação na Catalunha, e disse ainda que “estes processos ocorrem quando o poder central é débil”; e lembrou que a perda das colónias (Cuba e Filipinas), na guerra hispano-americana de 1898, “aconteceu quando e porque a metrópole se fez fraca”.

Com este discurso franco-fascista, o general Dominguez Buj, designadamente no ponto em que fez equivaler a Catalunha a uma colónia, provocou o mais vivo repúdio entre os partidos políticos espanhóis, mas nem uma única palavra até agora, na Catalunha.

Os catalães sabem muito bem que a independência da Catalunha dificilmente será – ou nunca será! – um processo pacífico! Os arrotos dos generais franquistas não os intimidam, porém.

O partido socialista operário espanhol (PSOE), através do seu porta-voz no grupo socialista no Congresso, António Hernando, exigiu ao general Dominguez Buj que retirasse imediatamente os seus comentários sobre as questões catalãs e exigiu ao ministro da defesa, Pedro Morenés, que impusesse explicações ao chefe de estado-maior.

Como quer que seja, e por mais que ameacem com o desembainhamento das suas toledanas e por mais que arrastem as botas nas estrumeiras das casernas, as forças armadas franco-fascistas espanholas serão esmagadas pelo povo da Catalunha, unido, como está, com os povos e nações oprimidas do mundo.

Em Espanha, uma constituição monarco-fascista, negociada com a capitulação ideológica de pretensos comunistas e falsos socialistas, não chegou nunca a reconhecer o princípio fundamental do direito político constitucional e internacional moderno: o direito dos povos à autodeterminação e independência e ao desenvolvimento, bem como o direito à insurreição contra todas as formas de opressão, direito fundamental este que está inscrito no n.º 3 do art.º 7.º da Constituição da República Portuguesa.

Quanto a nós, portugueses, apoiamos incondicionalmente a luta do povo irmão catalão pela sua independência, quaisquer que sejam as formas que essa luta tenha de assumir.

Em frente pela independência da Catalunha!


Espártaco

Leia também:
Catalunha: Ara És L’hora
A Catalunha Persiste no Referendo
CATALUNHA - Grande Vitória na Luta pela Independência

 



Partilhar

Comentários   

 
# Leopoldo Mesquita 21-11-2014 00:14
Mais um magnífico artigo do camarada Espártaco sobre a luta da nação catalã pela independência. Assim se exprime a solidariedade que o povo português tem de manifestar para com o povo catalão. É um dever internacionalis ta e é uma necessidade no que respeita à nossa própria luta pela independência nacional.
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Actualizar

Está em... Home Internacional Catalunha: A Tropa Espanhola Arrasta as Botas…